Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



13 de outubro de 2020
Consultar edições passadas

Soltura de traficante racha Supremo


A ordem de soltura de André Oliveira Macedo, o André do Rap, abriu um conflito dentro do Supremo que terminou por envolver o Ministério Público e o Congresso. Um dos chefes do Primeiro Comando da Capital, responsável por tráfico de cocaína para a Europa via Porto de Santos, André havia sido preso em setembro do ano passado após anos de buscas. O ministro Marco Aurélio Mello ordenou sua soltura na última sexta-feira. André do Rap estava preso preventivamente. No Pacote Anticrime sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, em janeiro, um dos parágrafos inclui a definição de que prisões preventivas devem ter seus pedidos renovados a cada 90 dias. Como o prazo expirou e não havia pedido de renovação, Marco Aurélio determinou a soltura. “Advirtam-no da necessidade de permanecer em residência indicada ao Juízo”, escreveu, “e de adotar postura que se aguarda do cidadão integrado à sociedade.” De presto, o líder do PCC desapareceu. A polícia avalia que já está fora do país. (G1)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu Marco Aurélio. “Por que a gente não cobra do procurador?”, questionou. “Por que não cumpriu o papel dele? Ele é pago para isso, jurou a Constituição para isso. A sociedade fica contra a decisão do ministro Marco Aurélio, mas a lei precisa ser respeitada.” As associações que representam procuradores da República e Ministério Público bateram de frente com Maia. Argumentam que no entendimento de pelo menos duas turmas do STJ a obrigação prevista em lei de reavaliar as prisões preventivas é da primeira instância da Justiça. Não dos procuradores. (Globo)

André do Rap já havia sido julgado e condenado em primeira e segunda instância pelo crime de tráfico internacional. A última condenação, em julho último, manteve pedido de prisão por 10 anos. Segundo o promotor de São Paulo Lincoln Gakiya, na segunda condenação o desembargador já havia decretado renovação do pedido de prisão preventiva. (UOL)

O presidente do Supremo, Luiz Fux, suspendeu a medida liminar de Marco Aurélio e deve encaminhar a avaliação ao plenário do Supremo. A Polícia Federal incluiu seu nome na lista de procurados da Interpol. (Poder 360)

E... Um grupo de deputados quer retomar o debate sobre início do cumprimento de prisão após condenação em segunda instância. (G1)

Celso Rocha de Barros: “Há uma percepção generalizada de que Bolsonaro tornou-se mais conciliador porque não conseguiu abafar o caso Queiroz. Na verdade, houve época em que os problemas legais de Bolsonaro até aceleraram seu golpismo. Mas, de fato, foram as investigações que o levaram às negociações com Toffoli, às conversas com Gilmar e com o centrão. Vamos supor que o risco autoritário tenha sido reduzido. Mesmo neste caso, você já parou para pensar no que significa a democracia brasileira ter sido salva por seus defeitos? Não só a Lava Jato, mas todas as outras iniciativas de combate à corrupção saem perdendo, seja pelo aparelhamento bolsonarista, seja pela ressaca de anos de turbulência que acabaram dando no Jair. Mas isso pode ser o de menos: vai haver uma reorganização partidária nos próximos anos. E agora ela vai acontecer com o centrão mais forte do que nunca. Nossa esperança sempre foi que o centro fisiológico da política brasileira fosse, aos poucos, sendo espremido entre uma centro-esquerda e uma centro-direita fortes a partir de PT e PSDB. Aconteceu o contrário. Às vésperas de uma mudança de regra que deve reforçar quem já é grande, os partidos de identidade mais clara e maior enraizamento social vão mal, e o peemedebismo está dando volta olímpica por ter salvado a democracia. Mesmo no cenário otimista em que Jair Bolsonaro foi só uma curva errada no caminho de nossa democracia, mesmo se tivermos conseguido moderá-lo, tanto seu autoritarismo quanto a forma de sua moderação podem ter consequências que durem muito mais tempo do que seu mandato.” (Folha)


O presidente americano Donald Trump, com a voz rouca, discursou ontem em público, por mais de uma hora, perante uma plateia em Orlando, na Flórida. “Me sinto poderoso”, ele afirmou demonstrando vitalidade. “Quero beijar a todos na plateia. Vou beijar os caras, as lindas mulheres, um grande beijo gordo.” (New York Times)

A demonstração de força era para valer. Durante o comício, tocaram Macho Man, do Village People, e tudo. Ao perceber isto, o âncora da CNN Anderson Cooper teve de segurar a expressão do rosto. Viralizou.

Pois é... O FiveThirtyEight reviu ontem suas chances de vitória nas eleições de 3 de novembro. Trump tem 13% de possibilidades de ganhar contra 86% do adversário Joe Biden, num modelo estatístico que leva em consideração as pesquisas várias e a qualidade de suas estimativas passadas. Há um mês, Biden tinha 70% de chances de vitória. (FiveThirtyEight)

Num evento raríssimo, o líder norte-coreano Kim Jong-Um chorou em público, no sábado, enquanto assistia a uma parada para apresentação do novo míssil balístico do país. Era a celebração do 75o aniversário do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Kim lamentou não estar sendo capaz de recuperar mais rápido a nação após uma grande enchente e durante a pandemia. “Mas agradeço por sua boa saúde e pelo fato de nenhum norte-coreano ter morrido por este vírus maligno.” Analistas consideram o discurso onde não havia demonstração de força sinal de que o ditador está sob pressão. (CNN)

Viver


Foram registradas 203 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 150.709 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias foi de 562, uma variação de -19% em relação aos dados registrados em 14 dias. Essa é a média mais baixa registrada desde o dia 9 de maio. Apenas um estado apresenta indicativo de alta de mortes: Acre. Em casos confirmados, 5.102.603 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 8.624 desses confirmados no último dia.

A Johnson & Johnson’s pausou os testes da sua vacina após um voluntário desenvolver uma doença inexplicada. Segundo a Anvisa, a vacina Ad26.COV2.S teria sete mil participantes no Brasil para os testes da fase três.

Então... Mais de 70% da população de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife querem que a vacina contra a Covid-19 seja obrigatória. Segundo o Datafolha, 75% dos entrevistados afirmaram que pretendem se vacinar tão logo seja possível. Aqueles com renda familiar acima de 10 salários mínimos, no entanto, mostraram menos predisposição para a vacinação do que os que têm renda de até dois salários.

A cidade de São Paulo entrou, desde sábado (10), na fase verde. Isso significa liberação de cinemas, museus, teatros e eventos.

Mas… Apesar de uma queda no número de mortes e casos pelo país, a OMS alertou que os números no Brasil ainda estão muito altos.

Ontem marcou o 168º dia seguido que a média móvel diária brasileira de mortes está acima dos 300 óbitos. Esse valor só foi alcançado por dez países — e freado rapidamente pela maioria deles. Por aqui, essa marca foi atingida em 28 de abril e, desde então, nunca mais saiu desse patamar. O único país em situação pior são os EUA, que registraram números parecidos um mês antes e ainda mantêm índices elevados de óbitos pela doença.

Aliás… Donald Trump tuitou que está imune ao novo coronavírus e não poderia espalhá-lo. O Twitter, no entanto, rotulou sua postagem como “enganosa e potencialmente prejudicial”.

Enquanto na Europa, os casos continuam em alta. A França expandiu suas restrições para mais cidades. E no Reino Unido, hospitais de campanha vão ser reativados e bares e academias vão voltar a serem fechados em áreas consideradas de risco, como a cidade de Liverpool.

Os professores na Universidade Stanford Paul Milgrom e Robert Wilson levaram o Nobel de Economia de 2020. O prêmio foi pelo seus trabalhos na melhoria da teoria e invenções de novos formatos de leilões.

Um dos vencedores, Milgrom, foi avisado do prêmio no meio da noite pelo seu colega e vizinho Robert Wilson. Um vídeo.

Uso de máscaras, lugares marcados por uma rosa vermelha e duas pessoas por banco. Foi assim a missa de ontem na Basílica de Aparecida em comemoração à padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. Pouco mais de mil fieis participaram — um número bem baixo, não visto há 46 anos. Antes do fim da missa, toda a igreja fez um minuto de silêncio pelas mais de 150 mil vítimas. Em fotos.

O feriado, no entanto, foi marcado por praias lotadas, banhistas sem máscaras e descumprindo recomendações das autoridades de saúde e legislações locais.

Hora de Panelinha no Meio. A cor intensa desses alimentos deixa a mesa ainda mais bonita. Os alimentos cor de vinho inspiram duas receitas incríveis e muito, mas muito práticas. O macarrão roxo de beterraba assada parece prato de restaurante, de tão bonito que fica. Mas não poderia ser mais fácil de preparar. A beterraba, assada e batida com um pouco da água do cozimento, vira o molho que tinge a massa. A ricota e o endro completam o sabor do prato. Para finalizar, o crumble de uva com maçã. Experimente essa sobremesa uma vez e ela vai virar favorita da casa! Sirva com creme batido ou creme inglês em um jantar especial.

Cultura


Bacurau, o filme dirigido por Kleber Mendonça e Juliano Dornelles, foi o principal vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, exibido no domingo em cerimônia virtual. Melhor filme, direção, roteiro original e melhor ator — Silvero Pereira, no papel de Lunga. A Vida Invisível, de Karim Aïnouz veio logo atrás, com cinco prêmios, incluindo o de melhor roteiro adaptado e Melhor Atriz para Fernanda Montenegro. Andrea Beltrão foi escolhida a melhor atriz por seu papel em Hebe. (Estadão)

Chega às livrarias no próximo dia 20 o novo romance de Don DeLillo — por enquanto ainda não traduzido. Se chama The Silence. O Silêncio. Durante um domingo de Super Bowl, o de 2022, cinco conhecidos jantam quando as telas do mundo se apagam e as conexões digitais que nos unem deixam de funcionar. O abrupto desaparecimento do digital em nossas vidas atiça uma conversa.

Aliás... DeLillo é entrevistado do New York Times em sua edição de hoje. “A tecnologia mudou como pensamos, falamos. Tudo era diferente antes desse avanço abrupto. Pensamos de forma menos meditativa, de um jeito mais instantâneo. Não uso celular porque prefiro pensar do jeito tradicional. Me ajuda a concentrar na página. Não acho que seja uma degradação. É como as coisas acontecem. É uma forma de progresso. Este é o caminho da tecnologia. Não tenho nostalgia pelos tempos de antes do computador. Aceito o que temos e, de muitas maneiras, me impressiono com tudo.”

Cotidiano Digital


Acontece hoje às 14h, hora de Brasília, o anúncio da Apple da nova linha de iPhones 12. O mote deste ano, slogan que a empresa fundada por Steve Jobs tem badalado, é ‘Hi, Speed’ — Olá, Velocidade — o que leva a crer que os aparelhos terão capacidade 5G. Os aparelhos deverão ter seu design atualizado, com as bordas mais quadradas do que redondas — no estilo dos antigos iPhones 4. Os rumores estão a mil, como sói acontecer. É possível que uma versão menor do HomePod, a caixa de som inteligente da companhia, seja lançado. Assim como uma nova versão dos AirPods, os badalados fones de ouvido. Outro possível anúncio é da AirTags — pequenos discos que podem ser postos na mala, mochila ou outros objetos para que sejam localizados pelo iPhone, quando perdidos. O evento da Apple será transmitido pelo site da empresa ou nos aplicativos AppleTV.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



13 de outubro de 2020
Consultar edições passadas