Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



6 de novembro de 2020
Consultar edições passadas

meio_greenweek_1408x608_cabecalho

Prezadas leitoras, caros leitores —

É bem possível que cá este Meio demore até mais de uma semana para anunciar em manchete quem é o novo presidente americano. Não só nós, evidentemente — toda a imprensa. A eleição está tão apertada em pelo menos três estados que recontagem, votos vindos de militares no exterior e talvez até algumas ações judiciais podem retardar a decisão final.

Há dois consensos razoáveis, porém, mesmo entre republicanos. Quando tudo terminar, Joe Biden deverá ser escolhido presidente mas o movimento iniciado por Donald Trump terá uma longa vida. Nos EUA e no mundo.

Se há um valor fundamental que guia nosso jornalismo, no Meio, é o de defesa da democracia liberal. Ou seja, da democracia com independência dos três Poderes, que garanta a igualdade de todos perante as leis, na qual cada cidadão tenha seus direitos resguardados. Direitos humanos. Que governantes não podem sair tomando decisões só por terem sido eleitos — devem à população a explicação suas razões e suas razões têm de ser tomadas com base em certos fundamentos. Dentre eles, o conhecimento científico.

Por isto voltamos ao populismo autoritário em nossa edição deste Sábado. Como ele fica no mundo após esta eleição americana? Nós vamos àquilo que estão pensando os principais cientistas políticos neste momento. Quais os desafios, qual o tamanho de sua força. Está fraco? Se transformou? E Bolsonaro? Faremos um panorama do pensamento atual. É hora de trazer um pouco de reflexão ao noticiário.

Durante todo este período da pandemia, foram vocês, assinantes premium, que mantiveram o Meio vivo. São R$ 9,90. Só. Assine. Sem a colaboração dos leitores, jornalismo nenhum vai à frente. :-)

— Os editores


Biden amplia vantagem e Trump ataca democracia


Esta edição do Meio estava para fechar quando o candidato democrata Joe Biden ultrapassou, no estado da Geórgia, seu adversário, o presidente Donald Trump. Dos cinco estados em aberto onde a eleição presidencial americana será decidida, o ex-vice-presidente lidera agora em três — além da Geórgia, Arizona e Nevada. Possivelmente, ainda hoje, deve assumir a frente também na Pensilvânia, que pode encerrar sua contagem. Só os vinte votos da Pensilvânia já são suficientes para que o candidato democrata ultrapasse a marca de 270 no Colégio Eleitoral, tornando-se presidente eleito dos Estados Unidos da América. (Decision Desk)

Mas... Em estados como Arizona e Geórgia a diferença pode ser tão pequena — na casa das centenas ou poucos milhares — que cédulas de militares vindas do exterior ou recontagens pedidas podem alterar o vencedor. Se a Pensilvânia abrir grande vantagem para Biden, ele possivelmente será declarado presidente. Se não, pode demorar. Os advogados do presidente Donald Trump vêm tentando abrir processos, alegando fraude. Até aqui, vão sendo dispensados ainda na primeira instância. Onde a Justiça tem lhes dado ouvidos é nos pedidos para que seus observadores acompanhem mais de perto o processo de contagem. (New York Times)

Após 36 horas longe das câmeras, o presidente Donald Trump apareceu ontem. “Se os votos legais forem contados, vencerei facilmente”, ele afirmou. Trump construía um argumento de que havia fraude e de que os adversários roubavam a eleição quando as três principais redes de TV americanas e duas a cabo — ABC, CBS e NBC, além de MSNBC e CNBC — o cortaram para corrigir, no ar, suas declarações. “Estamos nesta posição pouco habitual de interromper o presidente para corrigi-lo”, afirmou o âncora Brian Williams da MSNBC. “Não há informação de votos ilegais, não há informação de vitorioso.” O âncora da ABC, David Muir, foi mais direto. “Temos muito a corrigir.” É a primeira vez em que um presidente americano ataca o processo eleitoral. (Verge)

O MAS, partido do presidente eleito da Bolívia Luis Arce, disse que desconhecidos jogaram uma banana de dinamite numa casa onde Arce estava reunido com correligionários, mas ninguém ficou ferido. Nenhuma autoridade confirmou até agora a informação.


Dois dias depois de o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ter sofrido o que já é considerado o pior ataque de hackers no país, técnicos de TI da Corte receberam uma mensagem “oferecendo ajuda” para liberar todos os arquivos e processos do tribunal, que foram encriptados durante o ataque. Esse é um golpe conhecido como ransomware, que também é o nome do tipo de software usado. O programa invade um sistema e bloqueia os arquivos nele. Por fim, os criminosos cobram (em geral, em criptomoedas) para desbloqueá-los. Sem o pagamento, os dados podem ser apagados ou, dependendo do tipo de informação, tornados públicos.

A Polícia Federal está investigando o ataque e, por via das dúvidas, o STF e o TSE reforçaram a segurança de suas redes. Nesta quinta-feira o governo do Distrito Federal tirou sua rede do ar após identificar um ataque, cuja dimensão ainda não foi avaliada. Já o Ministério da Saúde disse ter identificado a existência de um vírus em seu sistema, o DATASUS, mas negou que fosse um ataque hacker. O Conselho Nacional de Justiça e outros órgãos da administração pública também teriam sido invadidos, mas isso ainda não foi confirmado.

Se depender do MP do Rio, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) perderá o mandato de senador se for condenado pelo esquema de “rachadinha” quando era deputado estadual na Alerj. O pedido consta na denúncia contra o filho do presidente e mais 16 pessoas pelos crimes de organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro e apropriação indébita. O MP quer ainda uma indenização mínima de R$ 6.100.091,95 e a perda de “bens relacionados à prática de crimes”, em particular imóveis.

Tomou posse no STF o ministro Kassio Nunes, primeiro indicado por Bolsonaro para a Corte. Ele herda 1,6 mil processos do antecessor Celso de Mello.

O TSE derrubou decisão do TRE gaúcho e liberou a apresentação virtual de Caetano Veloso que busca arrecadar recursos para a campanha de Manuela D’Ávila (PCdoB) à prefeitura de Porto Alegre. O mesmo vale para o ato em apoio a Guilherme Boulos (PSOL) em São Paulo.

E o Datafolha divulgou nesta quinta-feira nova pesquisa de intenções de votos em algumas das maiores capitais do país. Em São Paulo há dois destaques. Um é a ascensão do prefeito Bruno Covas (PSDB), que subiu de 23% das intenções em 22 de outubro para 28% agora e lidera com folga. O outro é a queda de Celso Russomano (Republicanos), que baixou de 20% para 16% no mesmo período e agora está empatado tecnicamente com Guilherme Boulos (PSOL), que tem 14%, e Márcio França (PSB), com 13%.

Já no Rio o cenário é de estabilidade, com todas as variações dentro da margem de erro de três pontos percentuais. Eduardo Paes (DEM) foi de 28% para 31%, o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) oscilou de 13% para 15%, Delegada Marta Rocha (PDT) permaneceu com 13% e Benedita da Silva (PT) caiu de 10% para 8%. Tecnicamente, os três estão empatados.

Também foram divulgadas pesquisas em Belo Horizonte, onde o prefeito Alexandre Kalil (PSD) tem 65% das intenções de votos, o que projeta vitória no primeiro turno, e no Recife, onde João Campos (PSB) tem 31%, dez pontos a mais que sua prima Marilia Arraes (PT), com 21%. A petista subiu três pontos, mas continua em empate no limite da margem de erro com Mendonça Filho (DEM), estacionado em 16%.

O governador afastado do Rio, Wilson Witzel, vai ficar sem 1/3 do salário e terá de deixar o Palácio das Laranjeiras, onde continuava vivendo mesmo depois de retirado do cargo por 180 dias pelo STJ em agosto. O motivo foi a aprovação da continuidade do processo de impeachment, decidida em unanimidade ontem pelo tribunal misto de deputados estaduais e desembargadores. O processo entra agora na fase de coleta de provas. Nas redes sociais, Witzel se disse perseguido e completou: “Nem mesmo Jesus Cristo teve um julgamento justo.”


Rachando o esquema

Tony de Marco

 
Flavio-Rachadinha

Cultura


Morreu na quinta-feira, aos 95 anos, o italiano Lanfranco Aldo Ricardo Vaselli Cortellini Rossi Rossini. Se o nome não lhe diz nada, reduza a apenas três letras: Lan, o caricaturista que adotou o Rio de Janeiro em 1952 e transformou em traços a alma da cidade. Nascido na Toscana em 1925, ele chegou a morar no Rio dos quatro aos sete anos, quando família se mudou para o Uruguai. Foi lá que começou a carreira, colaborando também para jornais argentinos e franceses. Voltou para o Brasil a convite de Samuel Wainer, editor do diário getulista Última Hora. Ficou de vez, trabalhando também em veículos como o Jornal do Brasil e o Globo.

Na charge política, Lan conseguiu, com uma caricatura, marcar a carreira do jornalista e deputado Carlos Lacerda (UDN). Wainer disse ao desenhista que Lacerda, seu inimigo figadal, aparecera num velório como “um papa-defuntos” e pediu uma caricatura. Lan pretendia retratá-lo com um urubu, mas não lembrava da aparência do animal. Então escolheu outra ave soturna: o corvo. Embora o próprio autor não gostasse do desenho, a sátira foi tão precisa, com os óculos do deputado transformados em olheiras negras, que Lacerda carregou o apelido até a morte, em 1977.

Mas o olhar de Lan se fixava mesmo no povo da cidade que adotou. Os bares, as rodas de samba, os estereótipos dos torcedores de futebol e, principalmente, as mulheres (galeria). Para ele, as montanhas da cidade lembravam as curvas femininas que desenhava sempre em dimensões generosas, contrastando com sua própria figura baixinha e bigoduda, transformado em personagem e admirador.

Ele estava internado com pneumonia desde 26 de setembro em um hospital de Petrópolis, onde vivia há 45 anos com a mulher, Olívia Marinho.

Mas o espetáculo não pode parar, então confira as opções culturais. Agora online, o 2º FIM – Festival Internacional Mulheres no Cinema começa na próxima terça com sessões gratuitas, homenagem a Grace Passô e aula magna da francesa Claire Denis.

Diferentes formações camerísticas estão contempladas no 8º Festival de Música Erudita do Espírito Santo, que começa hoje. Sob a curadoria de Livia Sabag, a programação conta ainda com debates sobre a presença de compositoras nas salas de concerto, entre outros temas.

Começa hoje o 6º Festival Musimagem, criado para discutir e dar visibilidade à criação de música para produtos visuais. O compositor espanhol Alberto Iglesias, responsável pela trilha de filmes de Pedro Almodóvar, abre a programação.

De 7 a 28 novembro acontece o Dona Ruth – Festival de Teatro Negro de São Paulo, que em sua edição online transmite pelo YouTube dezenas de peças, performances e shows.

O gigante da música brasileira João Donato ocupa o palco da Casa de Francisca nesse sábado diante das câmeras de Luan Cardoso. No mesmo dia, o experiente violonista Turíbio Santos homenageia Villa-Lobos em recital transmitido pela Casa Museu Eva Klabin.

Sueli Carneiro, Eliana Alves Cruz e Jurema Werneck estão entre convidadas do seminário A Escrevivência de Conceição Evaristo, que homenageia a autora de Ponciá Vicêncio na quarta e na quinta.

Perdeu algum filme da Mostra de São Paulo? A repescagem vai até domingo e exibe 132 títulos na plataforma virtual do evento. Veja quais são eles.

Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo.

Cotidiano Digital


O WhatsApp lançou função para mensagens temporárias que desaparecem depois de sete dias. Quando ativado, o recurso vale para todas as novas mensagens e mídias trocadas até que a opção seja desligada. Em grupos, a função só pode ser ligada pelo administrador.

Aliás… O WhatsApp recebeu aval pra lançar o seu serviço de pagamentos na Índia. O Brasil tinha sido o primeiro país, mas o BC suspendeu a função e no momento está em avaliação. (Folha)

Já começaram a sair avaliações do Xbox Series X e o veredito é: não é uma revolução nos consoles, mas traz avanços. Para o Verge e o Engadget a experiência de jogo é semelhante ao de PC. Vem com armazenamento SSD, uma CPU mais poderosa, suporte a 120 Hz e recursos de compatibilidade que permite jogar os jogos de consoles anteriores com gráficos muito melhores. As avaliações também chamam atenção que o Series X resolve os problemas do Xbox One. Apesar de o painel de controle ter a mesma interface, traz novos recursos que otimizam o carregamento. O Quick Resume, por exemplo, permite alternar entre jogos e voltar ao mesmo local que parou, sem precisar reiniciar o título e esperar o carregamento. Porém a falta de jogos novos pesa. Para o Engadget, “deixa a Microsoft um pouco atrás do PS5”. “Hardware poderoso e uma experiência de usuário elegante são apenas parte da mistura”, diz o Verge. “A Microsoft vai precisar dos jogos para realmente fazer o Series X parecer algo totalmente novo”.

Viver


Atendendo ao pedido do Parlamento, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo, decretou estado de emergência para tentar conter a nova onda de Covid-19. A medida entra em vigor na segunda-feira e permitirá ao governo adotar medidas de contenção mais duras. Já a Grécia anunciou uma quarentena nacional de três semanas.

O Brasil deve chegar hoje a 162 mil mortos. Na quinta feira, segundo o consórcio de veículos de comunicação, foram registrados 609 novos óbitos, elevando o total a 161.779. Com mais 23.317 casos, o total de infectados no país atingiu 5.614.258 pessoas.

E não são só os visons da Dinamarca que estão no corredor da morte. A Holanda vai sacrificar 215 mil galinhas. O motivo não é a Covid-19, mas um surto de gripe aviária no país.

Condenado a 18 anos de prisão por esfregar as partes íntimas em uma sobrinha de oito anos teve a pena reduzida para prestação de serviço comunitário. Dois desembargadores do TJ paulista mudaram a condenação por estupro de vulnerável para “importunação sexual”, uma tipificação criada em 2018. A decisão contraria jurisprudência de cortes superiores. (Estadão)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



6 de novembro de 2020
Consultar edições passadas