Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



22 de dezembro de 2020
Consultar edições passadas



Prefeito do Rio Marcelo Crivella é preso


Enquanto esta edição do Meio fechava, agora de manhã, a Polícia Civil e o Ministério Público batiam à porta do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos). Foi preso. Ele é investigado a respeito do suposto ‘QG da propina’ instalado em seu governo. Também foram presos o empresário Rafael Alves e o delegado Fernando Moraes, enquanto o ex-senador Eduardo Lopes, contra o qual também há mandado de prisão, não foi localizado. A investigação começou em 2018, a partir da delação do doleiro Sergio Mizrahy, que afirmou fazer a lavagem de dinheiro do esquema. Segundo a polícia, empresas que queriam fechar contratos ou tinham dinheiro a receber do município entregariam cheques a Rafael Alves, irmão de Marcelo Alves, então presidente da Riotur. Em troca, Rafael facilitaria a assinatura dos contratos e o pagamento das dívidas. Como o vice de Crivella morreu durante o mandato, o presidente da Câmara dos Vereadores, Jorge Felippe (DEM) deve assumir a prefeitura. O ex-prefeito Eduardo Paes (DEM), que venceu o atual por 64% a 35%, assume o governo logo que virar o ano. (G1)

Três meses depois de vir a público que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usava dinheiro vivo em transações imobiliárias na Zona Sul do Rio de Janeiro, a Procuradoria-Geral da República informou ao STF que abriu uma investigação sobre o caso. As transações aconteceram ente 2011 e 2016, quando ele já ocupava uma cadeira na Câmara, e há suspeita de que o pagamento em espécie seja um artifício para lavagem de dinheiro. A apuração preliminar corre sob instrução do ministro Luís Roberto Barroso. Eduardo é o filho Zero Três do presidente Jair Bolsonaro — e o terceiro a ser alvo de uma investigação. (Globo)

Falando nos irmãos, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), investigado pelo esquema de “rachadinhas” quando era deputado estadual no Rio, renunciou ao cargo de terceiro secretário da Mesa do Senado, revela Andréia Sadi. A decisão foi oficializada no dia 11, mas não foi divulgada. Adversários do senador dizem que a renúncia foi uma estratégia dele para diminuir a pressão no Conselho de Ética, onde também é investigado. Este é, justamente, um dos principais temas governistas na disputa pela presidência do Senado. O Planalto teme que Rodrigo Pacheco (MDB-MG), candidato de Davi Alcolumbre a sua sucessão, seja ‘muito independente’ e entregue Flávio ao conselho caso a pressão aumente. (G1)

Pois é... Enquanto isso, a Procuradoria-Geral da República entrou com um pedido para que o Supremo Tribunal Federal reveja a decisão monocrática do ministro Kassio Nunes Marques alterando a Lei da Ficha Limpa. Marques suprimiu o trecho da lei que determinava a inelegibilidade de oito anos a partir do fim do cumprimento da pena. Na prática, garantiu que ninguém ficaria mais de oito anos inelegível, pois a conta sempre começaria a partir da condenação sem incluir a pena. Entre as alegações da PGR estão que esse dispositivo já havia sido considerado constitucional pelo Supremo e que, ao aplicar a decisão para as eleições em andamento, Marques feriu o princípio de que mudanças de regra só valem para o pleito seguinte. Com o STF em recesso o caso deve ser analisado pelo presidente, Luís Fux. Em outubro, Fux anulou uma decisão monocrática do ministro Marco Aurélio que autorizava a soltura de um traficante por uma tecnicalidade, provocando uma reação furiosa do colega.

Como Nunes Marques determinou que sua alteração na lei valha já para as eleições de 2020, ela pode abrir caminho para que candidatos ficha suja que foram eleitos, mas estão com as candidaturas em análise no TSE, assumam prefeituras e vagas de vereador no país. (Estadão)

O grupo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ainda não escolheu o nome para disputar a sucessão na casa, mas um dos favoritos, Baleia Rossi (MDB-SP), vive uma situação peculiar. Segundo o Painel, da Folha, partidos de esquerda estão mais propensos a apoiá-lo, achando que ele pode unificar o grupo e vencer em primeiro turno o candidato bolsonarista Arthur Lira (PP-AL). A esquerda quer do próximo presidente um compromisso de proteção às instituições “contra os ataques autoritários” de Bolsonaro. O problema é que, segundo o Globo, Rossi não é consenso dentro do próprio partido. O MDB quer comandar o Senado e teme que uma candidatura forte na Câmara atrapalhe esses planos.

A deputada estadual Renata Souza (PSOL-RJ) registrou na polícia ameaça de morte ocorrida em rede social. Um homem disse que ela “falava demais” e iria “perder a linguinha” do mesmo jeito que a vereadora Marielle Franco, de quem Renata foi assessora, assassinada em março de 2018.

Live do Meio hoje. Às 19h, a equipe do Meio estará ao vivo nas redes sociais para fazer um balanço dos acontecimentos que marcaram 2020, uma conversa em live com os leitores. Foi o ano em que a sociedade teve que aprender na prática o que é resiliência. Venha compartilhar com a gente as suas experiências ao longo dos últimos meses e as expectativas para o ano que está por vir. O nosso chat estará aberto. Acompanhe no YouTube e no Facebook. Aproveite e inscreva-se nos nossos canais. Tem sempre coisa boa por lá.

Como? Você ainda não conhece a assinatura Premium do Meio? Além da edição de sábado, recheada de artigos sobre os mais diversos temas, ela inclui a editoria exclusiva de Economia todos os dias, a edição diária chega mais cedo você tem acesso ao Monitor, nosso ferramenta para acompanhar diariamente as notícias. A assinatura mensal custa menos que um cachorro-quente de carrocinha, e não prejudica sua dieta. Assine. Até porque não há sociedade livre sem jornalismo independente.

Viver


A Anvisa antecipou em dez dias a concessão do certificado de boas práticas à fábrica da SinoVac na China, onde são produzidas as doses da CoronaVac – que também é feita no Brasil pelo Instituto Butantan. A certificação é fundamental tanto para aprovação definitiva quanto para o uso emergencial do imunizante. Na quinta-feira o Butantan deve receber mais 5,5 milhões de doses da vacina.

Nesta segunda-feira, o Brasil registrou 549 novos óbitos, segundo o consórcio de veículos de comunicação, elevando a média móvel de mortes nos últimos sete dias a 769 pessoas, o que representa uma alta de 25% em relação às duas semanas anteriores. No total, 187.322 mortes foram registradas desde o início da pandemia. Todas as regiões apresentaram tendência de alta nos óbitos.

O governo de São Paulo avalia apertar ainda hoje as regras de quarentena, após as mortes por Covid-19 saltarem 34% na cidade em quatro semanas – o número de casos aumentou 54% no mesmo período. O governador João Doria (PSDB) teve uma explosão de novas infecções e óbitos após as festas de fim de ano. (Folha)

Mas Doria não parece estar em sintonia com seu próprio secretário de Educação. Rossieli Soares defende a volta obrigatória dos alunos às aulas presenciais, afirmando haver um “massacre educacional” de crianças e adolescentes com a quarentena. Embora cite estudos, Soares tem motivos pessoais: seu filho adolescente foi diagnosticado com depressão devido ao afastamento da escola. (Estadão)

A Comissão Europeia aprovou ontem a vacina produzida pela Pfizer e pela BioNTech e deve começar a imunização no próximo dia 27, segundo sua presidente, a alemã Ursula von der Leyen. Embora a aprovação tenha sido conjunta, cada país do bloco será responsável pela aplicação da vacina em seu território. Para botar a campanha na rua, foram convocados estudantes de medicina, médicos aposentados, farmacêuticos e soldados. Desde o início da pandemia, cerca de 470 mil pessoas morreram de Covid-19 nos países da UE. Diversos deles tiveram de adotar medidas mais duras de isolamento diante da segunda onda da pandemia.

A OMS negou ontem que a nova cepa do coronavírus esteja “fora de controle”, ao contrário do que disse o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock. Michael Ryan, diretor de emergências da entidade, disse que a taxa de reprodução do vírus, 1,5 (dez pessoas contaminadas infectam 15 saudáveis), não é a maior já observada na pandemia. Entretanto, ele elogiou medidas de bloqueio, como a suspensão de voos provenientes do Reino Unido, onde a nova cepa do vírus está mais ativa. Hoje mais países, entre eles a Rússia, adotaram restrições ao tráfego aéreo britânico.

Na contramão, o Brasil disse que vai manter os voos vindos do Reino Unido e “acompanhar a situação”. Qualquer decisão nesse assunto é tomada por um grupo interministerial, do qual a Anvisa faz parte. (Folha)

Nos EUA, o presidente eleito Joe Biden, de 78 anos, recebeu a primeira dose da vacina da Pfizer. Ele fez questão de ser fotografado recebendo e injeção e cumprimentando os profissionais de saúde. “Estou fazendo isso para que pessoas se sintam seguras para tomar a vacina, na vez delas”, disse Biden.

E o Congresso americano aprovou um pacote de US$ 900 bilhões (R$ 4,6 trilhões) para reduzir os efeitos da Covid-19 sobre a economia. O dinheiro será dividido entre famílias vulneráveis, pequenas empresas e fundos para distribuição de vacinas.

A Polícia Federal apreendeu nos últimos dias, na divisa entre Pará e Amazonas, 131,1 mil m3 de toras de madeira nativa, volume suficiente para a construção de 2.620 casas populares. É maior apreensão deste tipo já feita no país e foi possível graças à apreensão de uma balsa e a observações de satélite. Embora a região tenha projetos de manejo, nenhum madeireiro apareceu até o momento com documentação para comprovar a origem legal das toras e reivindicá-las. O MPF quer evitar que a madeira apreendida vá a leilão, o que permitiria ao madeireiros recuperá-la e legaliza-la. (Folha)

Júpiter e Saturno, os dois maiores planetas do sistema solar, entraram em alinhamento esta noite. Confirma as imagens do fenômeno, visível a olho nu.

Panelinha no Meio. E eis que chegamos à última receita do ano. Para celebrar, vamos com um prato fora da caixinha, que vai elevar sua ceia de Natal ou de Réveillon a um novo patamar. É a costelinha de porco com geleia de damasco. É difícil de fazer? Não, mas requer tempo, paciência e amor. Com esses três, não há receita que desande – na cozinha e na vida. Boas festas para todos.

Cultura


O cantor e soldado dos Lannister Ed Sheeran pegou os fãs de surpresa ao lançar nesta segunda-feira uma nova música, Afterglow, acompanhada de um clipe (Youtube). Ele havia prometido ao público uma surpresa, mas garante que a faixa, composta no ano passado, não é um primeiro single de um novo álbum. Por enquanto, Ed se dedica a paparicar merecidamente a filha Lyra, nascida em setembro.

Fora da Globo, Miguel Falabella prepara uma minissérie em quatro capítulos para a Disney+, que começa a investir em conteúdo nacional. O projeto é adaptar para a TV a peça O Som e a Sílaba, que trata da relação entre uma mulher autista com enorme talento para o canto lírico e sua professora. Alessandra Maestrini e Mirna Rubim, que viveram as duas no palco, devem repetir os papéis na série, que ainda não tem data para estrear. Fábio Porchat e Gabriela Saraivah também preparam projetos para o canal de streaming.

Cotidiano Digital


Qual rede social tem um feed de notícias, posts que desaparecem, mensagens privadas e um recurso de transmissão ao vivo? A resposta é todas. Com o intuito de aumentar o engajamento, cada vez mais as redes sociais têm se tornado mais iguais. Introduzem “novas” funcionalidades que nada mais são do que cópias de outras plataformas. Como a versão TikTok do Instagram, chamada Reels. Ou os Stories, uma cópia do Snapchat. (Wired)

Pra especialistas, pra se diferenciarem, as empresas vão cada vez mais enfatizar como lidam com valores, como privacidade e uso de dados dos usuários. Com o mercado mais igual, plataformas mais de nicho também podem ganhar mais espaço.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



22 de dezembro de 2020
Consultar edições passadas