Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



6 de janeiro de 2021
Consultar edições passadas



Bolsonaro diz que Brasil está quebrado como se não fosse com ele


Enquanto a equipe econômica defende que a economia está numa trajetória em V, para Bolsonaro o Brasil está quebrado. “Chefe, o Brasil está quebrado, e eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda, teve esse vírus, potencializado por essa mídia que nós temos. Essa mídia sem caráter”, disse, ontem, ao um apoiador na frente do Palácio da Alvorada. A fala foi para justificar não ter cumprido umas de suas promessas de campanha de aumentar o limite da faixa de isenção do Imposto de Renda para quem ganha até R$ 5 mil. (Folha)

A declaração repercutiu mal. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), classificou a fala do presidente como “grave e desalentadora”. “Você olha para os próximos dois anos sem entender o projeto de país que ele (Bolsonaro) tem”, disse Maia à jornalista Natuza Nery. (G1)

Já o ministro Paulo Guedes disse que Bolsonaro se referia ao setor público e que, ao dizer que não conseguia fazer nada, demonstrou respeito ao teto de gastos. (Globo)

Maílson da Nóbrega: “Não dá para dizer que o Brasil está quebrado. O país vive uma situação de crise fiscal grave, que pode levar à insustentabilidade da dívida pública. Mas está longe de estar quebrado. Cabe ao governo, que conhece a situação mais do que ninguém, conseguir do Congresso as reformas necessárias capazes de tirar o país dessa situação. O Brasil, hoje, tem uma situação confortável nas contas externas, que, no passado, já foram foco de crise e instabilidade.” (Globo)

Adriana Fernandes: “Saiu-se logo com a resposta mais fácil: o Brasil quebrou. Mas a verdade é que o presidente não mexeu uma palha para abrir espaço para corrigir a tabela do IRPF. Pelo contrário, beneficiou setores específicos nesses dois anos de governo e atropelou a discussão de mudanças no campo tributário por disputas políticas. Também não ajudou na pauta de corte de gastos ineficientes. O que vão achar os investidores que compram papéis de um governo do qual o seu próprio presidente diz que está quebrado? A fala do presidente é irresponsável sob todos os aspectos. Mas é ainda mais perigosa no momento atual em que o Tesouro Nacional passou por meses de grande dificuldade para se financiar e tem pela frente um trabalho difícil para pagar uma montanha de dívida concentrada nos primeiros meses do ano e que já supera R$ 1,3 trilhão até o final de 2021.” (Estadão)

A prometida reforma ministerial para abrigar integrantes do centrão em troca da eleição de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara foi para a geladeira. A negociação foi interrompida após a oficialização da candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP), aliado de Rodrigo Maia, e da adesão a ele de boa parte da oposição. A avaliação é que Rossi tem chances reais de vitória, o que obrigaria o governo a rever a distribuição de cargos e negociar diretamente com o MDB. Turismo, Educação, Minas e Energia e a Secretaria de Governo são algumas das pastas na mira do centrão. (Folha)

Enquanto isso, no Senado, a candidatura de Rodrigo Pacheco (DEM-MG) avança sobre o PSD, que, com 11 senadores, tem a segunda maior bancada da Casa. Pacheco, apoiado pelo atual presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP) e (mais discretamente) pelo Planalto é o único candidato lançado abertamente até o momento.

Meio em vídeo. Em novembro de 2010, a jornalista Natalia Viana recebeu um convite misterioso, sem muitos detalhes, para participar de um projeto jornalisticamente imperdível. A única condição é que ela fosse às pressas para Londres. Poucas semanas depois, os cinco maiores jornais do mundo publicaram uma enxurrada de reportagens baseadas nos documentos secretos da diplomacia americana. Foi quando o Wikileaks e seu fundador, Julian Assange, se tornaram mundialmente conhecidos. Única brasileira envolvida no projeto desde o início, Natalia conta detalhes na entrevista. Assista.

E... Esta mesma história ela conta por escrito numa série de não-ficção em newsletter, parceria da Agência Pública com o Meio. Inscrições gratuitas. Toda segunda-feira um novo episódio.


O reverendo Raphael Warnock, do Partido Democrata, foi eleito senador pelo estado da Geórgia numa disputa apertadíssima, contada voto a voto. Com 98% das urnas apuradas, até o momento do fechamento desta edição, ele tinha 50,6% contra 49,4% da senadora Kelly Loeffler, e não podia mais ser ultrapassado. É o primeiro homem negro a se eleger para o Senado no Sul americano. Loeffler não reconheceu o resultado. A outra cadeira de senador na Geórgia ainda não tem vencedor definido. O democrata Jon Ossoff está na frente, com 50,15% contra 49,85%, contra o senador David Perdue. A diferença de 12 mil votos entre ambos é estreita, embora venha se ampliando. Dependendo de como termine a contagem, agora pela manhã, pode ser que seja necessário esperar até sexta-feira, prazo legal para a chegada de cédulas que vêm de militares que estão fora dos EUA, para só então definir. Se a vitória de Ossoff se confirmar, Joe Biden contará com maioria no Congresso nos primeiros dois anos de seu mandato. (Atlanta Journal Constitution)

Então... A Decision Desk HQ, que fornece dados eleitorais para veículos como The Economist e The Atlantic, prevê com base em cálculos estatísticos vitória democrata. (Twitter)

Viver


O pedido de liberação da CoronaVac para uso emergencial deve ser apresentado à Anvisa amanhã, mas o governo de São Paulo já estuda mudar o programa de imunização. A ideia é adiar a aplicação da segunda dose para ampliar a base de pessoas vacinadas. Para isso, porém, é necessário determinar exatamente a eficácia da vacina entre as duas doses previstas, com espaço de 14 dias, e avaliar se ela produz imunização suficiente. A proposta ainda não foi levada ao Instituto Butantan, que produzirá o imunizante, desenvolvido pela chinesa Sinovac. (Folha)

Painel: “João Doria (PSDB) vai reunir os 645 prefeitos paulistas nesta quarta para apresentar o plano estadual de vacinação contra a Covid-19, que deve começar no dia 25. O governo federal ainda não deu uma data precisa para o programa nacional. Doria vai anunciar que a imunização em SP começará em 5.000 pontos, dos quais mais da metade (3.000) na capital, e que seringas serão fornecidas pelo estado. A data do registro da Coronavac na Anvisa, porém, ainda é tratada com incerteza por aliados.” (Folha)

E o Itamaraty confirmou a importação pela Fiocruz de dois milhões de doses da vacina de Oxford produzidas na Índia. O governo indiano havia vetado a venda, alegando prioridade para a imunização local. De acordo com o governo brasileiro, as doses do imunizante, que ainda não tem registro na Anvisa, devem chegar ainda este mês.

A Fiocruz estima pagar o equivalente a cerca de R$ 60 milhões pelo lote de vacinas da Índia. A fundação agora espera informações do Instituto Serum, que fabrica o imunizante, para encaminhar à Anvisa.

Um grupo de governadores saiu frustrado de uma videoconferência com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Eles cobraram um cronograma para a vacinação, mas, segundo Renato Casagrande, Espírito Santo, o ministro não deu resposta. À tarde foi a fez de Jair Bolsonaro se encontrar fora da agenda com Pazuello no ministério. Segundo a pasta, o objetivo foi atualizar o presidente dos “cenários detalhados” do plano de imunização. Também participaram os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, das Comunicações, Fábio Farias e o Advogado Geral da União, José Levi. Após uma hora e meia, Bolsonaro saiu e foi hostilizado por manifestantes.

O número de mortos por Covid-19 no Brasil deu um salto nas últimas 24 horas. Foram 1.186 óbitos, elevando o total a 197.777. A média móvel de mortes nos últimos sete dias voltou a ficar acima de 700, mas indicando estabilidade.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve analisar a conduta da juíza Ludmila Lins Grilo, da Vara Criminal e da Infância e da Juventude de Unaí (MG). Em um vídeo nas redes sociais, ela “ensina” a burlar a obrigatoriedade do uso de máscaras em centros comerciais. Em outras postagens, ela mostra aglomerações em Búzios (RJ), onde passou o fim do ano, elogiando a cidade por “não se render à histeria”.

Na Europa, embora vários países já estejam com vacinação em andamento, a quarentena segue cada vez mais rígida. A chanceler alemã Angela Merkel disse que o lockdown, previsto para acabar no dia 10, segue até o fim do mês. Já o Reino Unido informou que as duras medidas de isolamento em vigor só serão reavaliadas no dia 15 de fevereiro, e podem ficar em vigor até março.

Começa na tarde de hoje a prova de seleção para a Unicamp, o primeiro grande vestibular presencial do país desde que teve início a pandemia. Divididos por áreas em dois dias, 77.655 candidatos farão provas em 37 cidades. Para evitar aglomeração, o número de salas mais que dobrou, 3.331, contra 1.502 do último vestibular. Já o número de questões e o tempo de prova foram reduzidos para que os candidatos passem menos tempo nas salas. A Unicamp abre a temporada de grandes provas, seguida da Fuvest no domingo e do Enem, nos dias 17 e 24 deste mês. (Folha)

Os cartões de confirmação do Enem, aliás, já estão disponíveis. (Globo)

A bem preservada ossada de uma criança morta há 41 mil anos jogou luz sobre uma dúvida que intriga pesquisadores: nossos primos, os Neanderthals, tinham rituais fúnebres e, portanto, raciocínio simbólico? Achados numa caverna francesa na década de 1970, os restos da criança de dois anos estavam enterrados numa posição que indicava um sepultamento deliberado e cuidadoso. (CNN)

O Palmeiras está a um passo da final da Libertadores. Com a vitória por 3 a 0 sobre o River em Buenos Aires, o time paulista pode perder por até dois gols no jogo da volta, em São Paulo, e ainda assim garantir a vaga. A final acontecerá no dia 30, no Maracanã, sem a presença de público.

Cultura


Caetano Veloso e a mulher, Paula Lavigne, anunciaram nesta terça que vão processar a cantora Nayat Jordan, conhecida por suas postagens de apoio ao governo, defesa da cloroquina e combate ao distanciamento social. Nayat publicou em redes sociais o vídeo de uma festa em que Caetano, Paula e diversos convidados aparecem confraternizando sem máscaras e disse que se tratava do último Réveillon. O vídeo, na verdade, é de 2019. A cantora se retratou em seu perfil, dizendo que apenas reproduziu uma informação que havia recebido, mas vai ser processada por disseminação de notícia falsa. (Globo)

Marcada para o próximo dia 31, a cerimônia de entrega do Grammy 2021 foi adiada, possivelmente para março, devido a um novo surto de Covid-19 em Los Angeles. Os organizadores seguiram o exemplo da festa do Oscar, transferida do final de fevereiro para abril. (Folha)

Cotidiano Digital


Anote na agenda. Dia 14 de janeiro a Samsung vai apresentar, virtualmente, as novas linhas do seu smartphone Galaxy. A expectativa é que sejam lançados o Galaxy S21, S21 Plus e S21 Ultra.

O lançamento vai acontecer simultaneamente à CES 2021, um dos maiores eventos de tecnologia do mundo. Este ano, acontece entre os dias 11 e 14 de janeiro e será, pela primeira vez, totalmente virtual. Segundo Jean Foster, vice-presidente da organização responsável pela CES, o 5G e a inteligência artificial vão dominar as discussões e as inovações. Healthtech e automóveis também vão ganhar mais espaço.

Como uma última tentativa contra as empresas de tecnologia da China, Trump ordenou a proibição de transações, nos EUA, de oito plataformas de pagamento digital chinesas, incluindo a Alipay do Ant Group. No entanto, a medida será colocada em prática em 45 dias, assim, caberá ao presidente eleito Joe Biden decidir se a política deve ser cumprida.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



6 de janeiro de 2021
Consultar edições passadas