Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



1 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas



Isolado até no DEM, Maia ameaça com impeachment


A menos que aconteça uma reviravolta que ninguém espera, os candidatos apoiados pelo presidente Jair Bolsonaro, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devem vencer as eleições para presidência da Câmara e do Senado, respectivamente. (Globo)

Na prática, significa a volta do Centrão ao comando da Câmara, de onde havia sido apeado pela queda de Eduardo Cunha em 2016, afastado pelo STF, cassado por corrupção e preso. (Folha)

A certeza da vitória de Lira sobre Baleia Rossi (MDB-SP) veio ontem, quando o Democratas, partido do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), abandonou formalmente a candidatura do emedebista e se declarou neutro. (Estadão)

É uma derrota grande para Rodrigo Maia. Enquanto ainda tem poder para isto, reagiu ameaçando desengavetar um dos mais de 60 processos de impeachment ainda hoje. Há quem defenda que ele abra mais do que um, segundo Natuza Nery. Também há quem tente dissuadi-lo. (G1)

Apesar de seu partido ter comandado o movimento que esvaziou Baleia, beneficiando Lira, o presidente do DEM, ACM Neto, foi hostilizado por bolsonaristas no aeroporto de Brasília. (Estadão)

Mas... O político baiano ganhou algo para trair Maia. A promessa de poder indicar o ministro da Educação. (Antagonista)

Entenda como vai ser a eleição nas duas Casas. (Poder 360)

Coluna do Estadão: “Na política, é possível perder na vitória e ganhar na derrota. Com qualquer resultado hoje na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, Jair Bolsonaro sairá fragilizado: mesmo que Arthur Lira (PP-AL) vença a disputa, o presidente terá menos poder. Seja porque o governo despejou caminhões de recursos e interferiu na disputa, seja porque o apetite do Centrão jamais será saciado. Um ex-articulador político do Planalto alerta: é essencial manter diálogo com o Centrão, mas com muita cautela. O que custa caro hoje, tende a encarecer.” (Estadão)

Painel: “Políticos da esquerda, do centro e da direita avaliam que Rodrigo Maia (DEM-RJ) não se preparou para deixar a cadeira e não se deu conta que os dias de poder estavam acabando. Não ter conseguido manter sua própria legenda no bloco criado por ele já indica como será a vida fora da presidência, na opinião de colegas. Caciques partidários traçam futuro político sem prestígio a Maia e dizem achar improvável que ele fique no DEM. O cenário só muda se Baleia Rossi (MDB-SP) vencer.” (Folha)

Neste fim de semana apenas a esquerda foi para as ruas pedir o impeachment de Bolsonaro. Carreatas organizadas pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo aconteceram em 56 cidades, acompanhadas de buzinaços e panelaços. (Folha)

O governo de Bolsonaro, entretanto, ainda tem uma aprovação forte, embora em queda, segundo levantamento do Instituto Paraná Pesquisas. Aprovam o governo 47,2% dos ouvidos, enquanto 48,5% reprovam.

Com uma greve marcada para hoje, os caminhoneiros ficaram furiosos com a divulgação de um áudio em que o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, diz que não tem como atender a nenhuma das reivindicações da categoria nem garantir o cumprimento dos acordos de 2018.

Ao contrário de 2018, porém, os caminhoneiros estão divididos, e a expectativa é de um movimento menor. Até o fechamento desta edição não havia informações de problemas nas estradas.

O consórcio internacional Aliança Covax, da OMS, deve enviar ao Brasil, a partir de fevereiro, de 10 milhões a 14 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca, segundo o Ministério da Saúde. Caso sejam produzidas por laboratórios diferentes do que forneceu as doses importadas pela Fiocruz, as vacinas precisarão de nova autorização emergencial da Anvisa.

E o governo de São Paulo espera para quarta-feira a chegada de 5,4 mil litros do insumo para fabricação da CoronaVac. Com esse material, o Instituto Butantan poderá produzir cerca de 8,6 milhões de doses.

Quatro dias antes que o sistema de saúde do Amazonas entrasse em colapso, a equipe do ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, pediu que o governo estadual não decretasse lockdown, mas “um meio termo”. Medidas mais brandas foram adotadas no dia 14, mesmo dia em que os hospitais ficaram sem oxigênio. (Globo)

Apesar disso, Pazuello, que é investigado pela PF por suposta negligência, está fazendo “um trabalho excepcional” no combate à Covid-19. A opinião, claro, é do presidente Jair Bolsonaro. (Globo)

No Rio de Janeiro, professores das redes municipal e federal declararam greve contra a volta das aulas presenciais, previstas para fevereiro e março, respectivamente. Eles querem ainda que a categoria seja incluída entre os grupos prioritários para a vacinação. (Folha)

O Brasil completou ontem 11 dias seguidos com média móvel de mortes acima de mil. É o período mais longo nesse patamar desde os 31 dias entre 3 de julho de 2 de agosto do ano passado. No total, o país tem 224.534 mortos pela Covid-19.

E na Europa, forças de segurança prenderam centenas de ativistas em protestos contra o isolamento em Bruxelas, Budapeste e Viena. (Guardian)

Bruno Covas, prefeito de São Paulo, não gostou das críticas a sua presença, em meio a dezenas de outras pessoas, na final da Libertadores. “Ir ao jogo e direito meu”, disse o prefeito, que acabou de sair de uma licença médica para tratar um câncer no aparelho digestivo. Ah, o Santos, time de Covas, perdeu.


Cinco advogados deixaram neste fim de semana a equipe de defesa do presidente Donald Trump no processo de impeachment a que ele responde no Congresso americano. O grupo discorda da estratégia escolhida pelo ex-presidente de insistir na tese da fraude eleitoral.

Um golpe militar prendeu a líder civil de Myanmar, Aung San Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz em 1991, e outras autoridades. O Exército assumiu o poder. (Folha)

Quando duas correntes políticas perdem a capacidade de conversar, a democracia se vê ameaçada. Quando não há mais fontes de informação que não tendam para um lado ou para o outro, a ameaça se agrava. O Meio é crítico — e sempre será, não importa qual governo ou qual a oposição. Investir em jornalismo é uma aposta na democracia. Assine o Premium.

meio_greenweek_1156x174_separador

Fique no Verde


Cristiane Fensterseifer: “A partir de postagens na rede social Reddit, usuários anônimos organizaram-se para comprar ações da varejista de games GameStop. A ideia – que não é nova no mercado – é de que um fluxo de compras grande em uma ação ou outro ativo qualquer com pouca liquidez faz os preços caírem ou dispararem pela simples lei da oferta e demanda. A novidade neste caso foi a descentralização da ‘estratégia’. Se antigamente era necessário algum investidor – fundo, empresa ou bilionário – com muito capital para conseguir influenciar o preço de uma ação, o caso da GameStop mostra o poder de articulação das redes sociais. O poder das redes no caso das ações tem recebido um combustível extra. A alta liquidez nos mercados. Além disso, para estimular o crescimento, a maioria das economias está rodando com taxas de juros reais negativas. Esta conjuntura empurrou as pessoas físicas para investimentos de mais risco, procurando melhorar seus rendimentos, e levou a uma valorização expressiva dos mercados acionários. Novas plataformas que promovem uma espécie de gamificação nos investimentos, ajudando a popularizar mais ainda tipos de investimentos outrora considerados sofisticados fecham o ecossistema perfeito para tais eventos como o do Gamestop acontecerem. É nítido que a combinação desses fatores aumenta de forma exponencial o risco de bolhas.”

Uma thread para entender o caso.

Começa hoje a primeira fase do open banking no Brasil. Nessa, as instituições financeiras vão poder, com o consentimento dos clientes, trocar dados gerais de cada um, como tipos de contas, empréstimos e financiamentos. A expectativa do BC é que com o novo sistema haja mais concorrência e menos juros. Entenda.

Então… Os grandes bancos serão os mais impactados. Mais especificamente, podem perder até R$ 110 bilhões em receita. Para a consultoria Roland Berger, os papeis dos players do mercado vão se reajustar: fintechs, big techs e varejistas devem se especializar no relacionamento com os clientes, enquanto os grandes bancos são os mais bem posicionados para criar uma oferta diversificada e distribuí-la em canais de terceiros. (Valor)

Para entender melhor… Renda variável são investimentos nos quais a rentabilidade não pode ser dimensionada e sofre variações de acordo com a oscilação e a volatilidade do mercado. Alguns desses investimentos são ações, fundos de investimentos e o ETF. Apesar de o risco ser maior, comparado com a renda fixa, há algumas vantagens, como a possibilidade de lucros maiores no curto prazo e a oportunidade de diversificar os investimentos. Saiba mais e como investir.

Viver


A primeira edição digital do Enem foi marcada por uma abstenção estratosférica (68%) e por problemas técnicos. Além da redação manuscrita (o tema foi as desigualdades regionais no país), os alunos responderam às questões em computadores sem ligação com a Internet ou entrada para dispositivos, a fim de evitar fraudes. Os problemas no sistema atrasaram as provas em duas horas em Belo Horizonte e impediram sua realização em vários pontos do país. O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse que a situação era esperada e que os candidatos prejudicados farão nova prova no fim de fevereiro. A segunda fase do Enem digital está marcada para o próximo domingo.

Desde sexta-feira centenas de milhares de poloneses tomaram as ruas do país em protesto contra uma decisão do governo ultraconservador que restringe drasticamente  o direito ao aborto. A principal mudança na legal foi a proibição do aborto de fetos defeituosos – que representaram 98% dos abortos legais na Polônia em 2019. (CNN)

Após conquistar a Libertadores vencendo o Santos por 1 a 0 no sábado, o Palmeiras embarca esta semana para o Catar, onde disputa o Torneio Mundial. (Estadão)

Cultura


Cine mais privê, impossível. A enfermeira sueca Lisa Enroth será a única espectadora do Festival de Cinema de Gotemburgo, o mais importante da Escandinávia. Devido à pandemia, a organização do festival escolheu Lisa entre 12 mil candidatos para assistir aos 70 filmes na ilha remota de Hamneskär, na Suécia. (Folha)

Também por conta da Covid-19, o Festival Coachella, na Califórnia, foi cancelado. Marcado incialmente para abril de 2020, o evento havia sido transferido para outubro e depois para abril deste ano. (Globo)

Enquanto uns fecham, outros abrem. Os Museus do Vaticano, incluindo a Capela Sistina, reabrirão para o público hoje, após 88 dias fechados – o maior tempo de fechamento desde a Segunda Guerra. (Estadão)

O ano é 2021. Todo o Brasil está dominado pelo sertanejo. Todo? Não. Segundo Lauro Jardim, um pequeno estado de irredutíveis resiste. No Rio de Janeiro, diz levantamento do Ecad, o pop e a MPB ainda reinam. (Globo)

Os fãs já podem comemorar. Laerte Coutinho teve alta neste domingo do Hospital das Clínicas de São Paulo, onde estava internada com Covid-19 desde o dia 21. A cartunista, de 69 anos, chegou a ser transferida para a UTI por dois dias, mas se recuperou bem e vai continuar o tratamento em casa.

Cotidiano Digital


O Google se rendeu à Apple. Em um post no seu blog, anunciou que seus apps, como YouTube e Maps, deixarão de usar uma ferramenta da Apple que permite o compartilhamento de dados entre os apps para a personalização de anúncios. A decisão é devida às mudanças nas regras de privacidade dos usuários com atualização para o iOS 14. Todos que baixarem aplicativos com esse identificador, conhecido como IDFA, receberão uma mensagem pop-up informando-os e pedindo consentimento. O Google preferiu mudar para um novo tipo de rastreador de anúncio da Apple, no entanto, está pressionando a empresa para melhorar essa estrutura, que é considerada menos eficaz em permitir que anunciantes rastreiem os usuários em todos os dispositivos.

Pois é… A posição do Google difere do Facebook, que desde dezembro vem fazendo campanha pública contra a nova política de privacidade da big tech.

O governo liberou a Huawei para participar do leilão da rede 5G. Mas há um porém. Em portaria publicada na sexta, 29, estabelece que as empresas vencedoras deverão construir uma rede de comunicação separada para atender ao governo. Essas regras deverão ser seguidas pela Anatel, que decidirá sobre o edital do leilão em reunião marcada pra hoje. (Globo)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



1 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas