Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



2 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas



Centrão ganha de lavada no Congresso


Não foi uma vitória pequena a de Arthur Lira (PP-AL), o candidato bolsonarista eleito ontem presidente da Câmara dos Deputados. Teve 302 votos, suficientes para fechar a fatura no primeiro turno, contra 145 de seu principal adversário, Baleia Rossi (MDB-SP). Elegeu-se com folga e pesado apoio financeiro do Planalto e, imediatamente, voltou-se contra os adversários. Estava há minutos empossado quando anulou o ato do antecessor, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que havia reconhecido o bloco de Rossi, privando aliados do emedebista de pelo menos um dos quatro cargos a que teriam direito na Mesa Diretora. Argumentou que o PT havia se registrado como integrante do bloco derrotado com seis minutos de atraso. Maia havia perdoado, Lira escolheu ser rigoroso e formalista, ampliando seu espaço no comando da Casa. Estes outros cargos da Mesa serão preenchidos em votação hoje.

Ato contínuo, os prejudicados, em particular os partidos de esquerda, anunciaram que vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal para anular a primeira decisão do novo presidente. O grupo é composto por PT, MDB, PSB, PSDB, PDT, PCdoB, Cidadania, PV e Rede. (G1)

Indiferente aos protestos e ameaças de judicialização, Lira comemorou a vitória com uma festa durante a madrugada numa mansão no Lago Sul. Ministros que trabalharam para a vitória do líder do Centrão confraternizavam com hoje críticos do presidente Bolsonaro, como a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP). Mas a noite teve dois destaques. Um foi o karaokê, no qual Cristiane Brasil, filha de Roberto Jefferson, cantou Malandragem, sucesso de Cássia Eller — ano passado, Cristiane passou 33 dias presa por suspeita de corrupção. O outro foi uma bolsa de apostas sobre quanto tempo Lira levará para enquadrar Bolsonaro. (Folha)

Quem, eu? Rodrigo Maia (DEM-RJ) passou seu último dia como presidente da Câmara negando informações divulgadas na véspera por aliados. Segundo Maia, ele nunca “disse que assinaria o impeachment” e não pretende mudar de partido. Mais tarde, em seu discurso de despedida, ele chorou e agradeceu aos colegas. (Poder 360)

O plano imediato de Lira, acordado com o Planalto, é aprovar três projetos e reformas caras ao governo nos próximos cem dias. Na trinca entra a Reforma Administrativa. Querem carimbar em Maia a ideia de que o governo não conseguia nada porque o ex-presidente não deixava, segundo Lauro Jardim. (Globo)

No Senado, a decisão e a transição foram razoavelmente tranquilas. Com um leque de apoio que ia de Jair Bolsonaro ao PT, Rodrigo Pacheco (DEM-RJ) foi eleito com 57 votos. Abandonada até pelo próprio partido, Simone Tebet (MDB-MS) ainda conseguir 21 votos. Bolsonaro comemorou no Twitter a vitória do aliado, e aproveitou para destacar a votação em cédulas de papel. (UOL)

Falando já como presidente eleito do Senado, Pacheco disse que as reformas serão retomadas “com urgência, mas sem atropelos”. Ele também se comprometeu a reunir líderes semanalmente para construir a pauta de votações, com vaga destinada à bancada feminina. (UOL)

Quem roubou a cena no Senado foi Kátia Abreu (PP-TO), que apareceu com uma saia feita com gravatas de 30 colegas, todas com o dono original devidamente identificado. (Folha)

Meio em vídeo. Direita limpinha? Não tem mais, se é que um dia teve. PT e PDT? Apoiaram a candidatura bolsonarista no Senado. Impeachment? Não tem. Gente morrendo aos milhares, aprovação do governo em queda, mas o Congresso Nacional se pôs à venda. Fecha a tampa, diz Pedro Doria no Ponto de Partida. Assista no Youtube.

Coluna do Estadão: “O DEM, que cresceu em 2020 por se colocar como partido da direita ‘ponderada’, ‘democrática’, civilizada” e ‘liberal’ em contraponto ao bolsonarismo, pode até construir narrativas para disfarçar, mas o fato é: sua direção, personificada em ACM Neto, abraçou Jair Bolsonaro no Congresso, em disputa marcada por fisiologismo desvairado e pródiga em emendas, mesmo durante forte restrição orçamentária. Para Luciano Huck, convidado a ingressar no DEM, e João Doria, esperançoso de uma aliança, fica a dica: não há confiabilidade na sigla.” (Estadão)

Igor Gielow: “Vitórias de Pirro são uma constante na política brasileira desde que ela entrou em modo entrópico, no hoje distante 2013. Nesta segunda, Jair Bolsonaro colheu mais uma dessas, nas quais o preço a pagar é muito maior do que o ganho auferido. O prazo de validade dela é brevíssimo. A ideia de que a eleição de Lira representa um seguro contra impeachment não prospera nem mesmo entre bolsonaristas menos hidrófobos. A outra função básica do apoio de Bolsonaro ao deputado, a de tentar destravar iniciativas do governo, é ainda menos tangível, até pela pulverização das bancadas.” (Folha)

Ascânio Seleme: “Houve uma época na vida política nacional em que a Câmara dos Deputados subordinava-se ao eleitor. Os movimentos das massas, o clamor das ruas, o rufar dos tambores mexiam com posições enraizadas, transformavam ‘verdades absolutas’ e forçavam deputados a votar de acordo com o pleito manifesto pela maioria. Talvez a explosão das mídias sociais tenha alguma parte nisso, já que os parlamentares falam apenas com os que os apoiam, com puxa-sacos, com sua curriola nos seus estados. Não ouvem o macro, o maior, o todo. O fato é que a Câmara elegeu Lira, candidato apoiado pelo presidente Bolsonaro, que abriu o cofres em favor do deputado condenado em duas instâncias por peculato e lavagem de dinheiro e denunciado por outros crimes, inclusive violência doméstica. Sua posse lembrou a de Eduardo Cunha, com a gritaria entusiasmada do Centrão e do baixo clero. Houve até foguetório na Praça dos Três Poderes ao final da sessão.” (Globo)

Ao abrir ontem a primeira sessão do ano no STF, o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, fez uma defesa enfática da ciência e criticou o negacionismo em relação à Covid-19. E provocou desconforto em Jair Bolsonaro, que estava em pé ao seu lado. (Globo)

O ministro do STF Ricardo Lewandowski levantou o sigilo sobre os diálogos travados entre o então juiz Sérgio Moro e os procuradores da Lava-Jato. Eles são cruciais no processo em que o ex-presidente Lula pede a suspeição de Moro, que o condenou. Mônica Bérgamo reproduz a íntegra das conversas. Veja aqui. (Folha)

Ancelmo Gois: “O juiz Rafael Estrela, da Vara de Execuções Penais do Rio, negou o pedido de unificação das penas a que foi condenado o ex-governador Sérgio Cabral em três processos diferentes que se encontram em execução provisória. Cabral está condenado, como se sabe, a 267 anos de prisão.” (Globo)

Diferentemente do movimento que parou o país em 2018, a greve de caminhoneiros iniciada ontem pouco se fez notar. Sucesso mesmo fez a intensa troca de notícias falsas nos grupos da categoria no Whatsapp. (Folha)

Quando duas correntes políticas perdem a capacidade de conversar, a democracia se vê ameaçada. Quando não há mais fontes de informação que não tendam para um lado ou para o outro, a ameaça se agrava. O Meio é crítico — e sempre será, não importa qual governo ou qual a oposição. Investir em jornalismo é uma aposta na democracia. Assine o Premium.

Viver


Não que houvesse dúvidas sobre o recrudescimento da pandemia de Covid-19 no Brasil este ano, mas agora os números confirmam. Janeiro foi o terceiro mês com mais mortes pela doença, 29.558, sendo 10% delas somente no Amazonas. Os piores meses foram julho (32.912 óbitos) e junho (30.315) do ano passado.

E fevereiro começa com os piores prognósticos. Pelo 12º dia consecutivo, o Brasil registrou média móvel de mortes acima de mil, a maior sequência desde agosto. Ontem foram notificados 609 novos óbitos, elevando o total a 225.143.

Mas a situação não é assustadora só aqui. Em Portugal, janeiro foi ainda pior. O primeiro mês do ano concentrou 44% de todos os óbitos desde o início da pandemia.

Para o virologista da UFRJ Amílcar Tanuri, as novas variantes do coronavírus não são motivo para pânico. Ele se diz confiante nas vacinas, mas ressalta a importância de reforçar as medidas de distanciamento social e higiene. (Globo)

No campo das (possivelmente) boas notícias, a Precisa Medicamentos vai pedir à Anvisa autorização para fazer testes clínicos de fase 3 no Brasil da Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotch. Os testes são uma das exigências para liberação de uso emergencial do imunizante. Essa é a vacina que está nos planos de clínicas privadas brasileiras. A Índia aprovou o uso da Covaxin somente com os resultados das fases 1 e 2, o que não atende às exigências da Anvisa.

Em São Paulo, o governo do estado avalia relaxar as regras que restringiam o funcionamento de bares e restaurantes. A justificativa é a queda nas internações, mas o fato é que a resistência por parte dos comerciantes tem sido grande. E o governador João Doria criou uma comissão médica para avaliar a volta às aulas, motivo de brigas na Justiça.

Quase todas as pessoas de origem europeia têm em sua bagagem genética cerca de 2% de genes dos neandertais, espécie humana com a qual nossos ancestrais sapiens conviveram (intimamente) até a extinção daqueles, há cerca de 40 mil anos. Mas havia poucos indícios físicos desses cruzamentos — até agora. A análise de 11 dentes de aproximadamente 48 mil anos achados na Ilha de Jersey, no Canal da Mancha, indica que vieram de dois indivíduos híbridos, com características das duas espécies. (CNN)

Panelinha no Meio. Já que um dos temas do dia é traíra, que tal uma receita de frutos do mar? As iscas de peixe assadas são facílimas de fazer e mais saudáveis, pois não são fritas. E, de quebra, vem a receita de uma maionese caseira. Bom apetite.

Cultura


Descobridora de Elvis Presley, Johnny Cash e Jerry Lee Lewis, a Sun Records merece o título de “maternidade do rock’n’roll”. Pois a lendária gravadora de Memphis vendeu todo seu catálogo para a empresa Primary Wave Music por um valor estimado em US$ 30 milhões (cerca de R$ 163 milhões). O acervo inclui joias como Great Balls of Fire (YouTube), de Lewis, e Folsom Prison Blues (YouTube), de Cash. That’s Alright (YouTube) e outros clássicos de Elvis ficaram de fora por já pertencerem à Sony. (Folha)

A guinada conservadora do Brasil ganha contornos surreais. Trinta e três anos depois do lançamento e de se tornar um filme favorito dos 8 aos 80, Um Príncipe em Nova York teve sua classificação etária mudada pelo Ministério da Justiça. A comédia com Eddie Murphy e Arsenio Hall passou de “censura livre” para “desaconselhável para menores de 14 anos”, devendo ser exibido somente após as 21h em canais abertos. Adeus, Sessão da Tarde. (Globo)

Último dos grandes crooners americanos, Tony Bennett, de 94 anos, sofre do Mal de Alzheimer desde 2016, revelou Susan, mulher do cantor. Segundo ela, o marido só é “o velho Tony” quando canta. Vencedor do Grammy em 1966 com a imortal The Shadow of Your Smile (YouTube), ele é conhecido pelas novas gerações por seu disco de 2014 com Lady Gaga (Youtube).

E só porque hoje é 2 de fevereiro, trazemos Vinícius e Baden Powell com o Canto de Iemanjá (YouTube).

Cotidiano Digital


Quem ainda não conseguiu colocar as mãos no PlayStation 5 e no Xbox Series vai ter que continuar esperando. Os estoques no Brasil dos novos consoles só devem ser normalizados no final do ano. Por causa do distanciamento social e da paralisações nas fábricas, a cadeia produtiva não tem conseguido acompanhar a alta demanda. No caso do PS5, houve distribuição prioritária para os varejistas de grande porte, e só agora os produtos estão chegando aos lojistas especializados em jogos eletrônicos. Já o Xbox Series ainda está limitado às grandes redes. (Estadão)

Pois é… O mercado de games no Brasil cresceu 140% em 2020 ante 2019. Estudo da Visa mostrou que transações feitas em plataformas e consoles mais que duplicaram no ano passado.

O Among Us foi o jogo para celular mais baixado no mundo. Apesar de ter sido lançado em 2018, foi com a pandemia que caiu no gosto dos usuários. No jogo online multiplayer, membros da tripulação da espaçonave trabalham juntos para completar tarefas e acabar com impostores antes de serem assassinados. Em novembro, mais de meio bilhão de pessoas jogaram.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



2 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas