Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



8 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas



Governo quer novo auxílio emergencial de R$ 200


Perante a pressão da popularidade em queda e pela necessária retomada de algum tipo de auxílio financeiro na pandemia, o governo federal está estudando um novo programa, chamado Bônus de Inclusão Produtiva (BIP). Seriam três parcelas de R$ 200, associadas à obrigatoriedade de um curso de qualificação profissional. O governo alega não ter recursos para manter valores mais altos como os R$ 600 da primeira fase do auxílio emergencial, no ano passado. A equipe econômica também associa o BIP a medidas que entrariam na PEC do Pacto Federativo. Com isso, o benefício só entraria em vigor se a Emenda Constitucional, que enfrenta resistência no Congresso, for aprovada. (Folha)

Não é a única movimentação que vem na esteira da mudança de comando no Congresso Nacional. Uma agenda que tramita sem estardalhaço na Câmara prevê limites para punição em casos de improbidade administrativa e lavagem de dinheiro, além da proibição de buscas em escritórios de advocacia, temas considerados cruciais no combate à corrupção. Tanto os aliados do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL) quanto alguns oposicionistas acham que o momento é propício para tocar esses projetos, enquanto as PECs da prisão em segunda instância e do fim do foro privilegiado seguiriam em banho-maria. (Globo)

Então... O tema de aliviar para quem tem envolvimento com a corrupção não interessa só ao Centrão. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) começa a julgar três habeas corpus que podem jogar por terra a investigação do esquema de “rachadinhas” no gabinete do hoje senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) quando era deputado estadual no Rio. O principal deles torna ilegais as provas obtidas pelo Coaf de movimentação financeira atípica do então deputado e de seus assessores, alegando que o sigilo bancário deles foi quebrado sem a devida autorização judicial. (Globo)

A tese que a defesa de Flávio leva ao STF vem sendo seguidamente derrubada em instâncias inferiores. Ela se baseia nas defesas de cinco fiscais do Rio acusados de enriquecimento ilícito, que alegam terem sido alvo de violações ilegais de seus sigilos e de perseguição política. Eles já foram derrotados em processos administrativos da Receita, no Tribunal Regional Federal da Segunda Região e, pelo menos um deles, no próprio STJ. (Folha)

E... O jornalista Guilherme Amado publicou os dois relatórios que a advogada de Flávio diz terem sido preparados pela Abin para auxiliar na Defesa. Embora seja ilegal se utilizar da agência de inteligência para uso privado, a denúncia engasgou nas mãos do procurador-geral da República, Augusto Aras. (Época)

Derrotado pelo próprio partido na sua sucessão, o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) é um pote até aqui de mágoa. Em entrevista, ele diz que o Democratas “voltou para a extrema-direita dos anos 1980” que a aproximação do presidente da legenda, ACM Neto, e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, com o governo Bolsonaro será mais ampla que a agenda econômica. E avisa que vai para um partido de oposição, embora não tenha decidido qual. (Valor)

Quando duas correntes políticas perdem a capacidade de conversar, a democracia se vê ameaçada. Quando não há mais fontes de informação que não tendam para um lado ou para o outro, a ameaça se agrava. O Meio é crítico — e sempre será, não importa qual governo ou qual a oposição. Investir em jornalismo é uma aposta na democracia. Assine o Premium.

meio_greenweek_1156x174_separador

Fique no Verde


PIX, open banking… Nos últimos meses o setor financeiro vem ganhando novos elementos. E esse processo só tende a se acelerar. Um deles será o iniciador de transações de pagamentos, regulamentado pelo BC em outubro de 2020, mas que deve ganhar força no mercado em agosto próximo. O serviço vai tirar a necessidade de intermediários como o cartão de crédito, possibilitando pagamentos diretos. Por exemplo, pelo app de delivery o usuário já realiza o pagamento diretamente para o restaurante. (Folha)

Roberto Campos Neto: “O setor financeiro vem se tornando cada vez mais uma indústria baseada em informação e em tecnologia. A face mais visível dessa revolução tecnológica no setor financeiro ocorre nos serviços de pagamento. Nesse setor, especialmente importante é a convergência de tecnologias de pagamentos, de texto e de conteúdo. Essa convergência tende a resultar em um processo de verticalização de diversos serviços em uma mesma cadeia. Neste novo ambiente de sistemas de pagamento digital, veremos o surgimento de moedas digitais emitidas por bancos centrais. A moeda digital poderá servir como uma porta de entrada para indivíduos desbancarizados, e será um importante fator de inclusão financeira, principalmente em economias emergentes.”

O total investido por pessoas físicas no Brasil cresceu 13,4%, para R$ 3,701 trilhões em dezembro de 2020. O pequeno investidor diversificou a carteira: fundos de renda fixa perderam espaço, e cresceu a participação de ações e CDBs. Mas, com o auxílio emergencial, a poupança garantiu liderança, mesmo rendendo 1,4% ao ano — abaixo dos 2% da Selic. (Estadão)

Para entender melhor... O CRI é um título de dívida emitido por securitizadoras e funciona como um empréstimo ao setor imobiliário. É um investimento de renda fixa e costuma oferecer taxa de rentabilidade atrativa, principalmente quando possui data de vencimento longa. Porém, possui riscos em comparações com outras opções como Tesouro Direto, LCI e CDB. O investidor deve dar preferência para emissores com avaliações altas para evitar perder capital caso o emissor falte com os pagamentos dos rendimentos ou quebre. Entenda e saiba como investir.

Viver


Uma das duas vacinas contra Covid 19 em uso no Brasil, o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford/AstraZeneca teve sua aplicação suspensa na África do Sul após um estudo revelar que ele oferece “proteção limitada” contra a variante local do coronavírus. O governo sul-africano já havia recebido um milhão de doses da vacina e pretendia aplicá-los em profissionais de saúde. Agora, depende de imunizantes da Pfizer e da Johnson & Johnson, que devem chegar ao país nas próximas semanas. (CNN Brasil)

Já a variante britânica, contra a qual as vacinas parecem ser mais eficazes, está em vias de se tornar a linhagem dominante nos EUA em março, prevê estudo. Os EUA têm o maior número de casos (26,9 milhões) e de mortos (463,3 mil) no planeta. (G1)

Aqui no Brasil, a falta de recursos e de insumos dificulta a identificação de novas variantes do coronavírus e, consequentemente, o combate mais eficaz à Covid-19. O sequenciamento genômico do vírus, que permite identificar a mutação, só é feito em 0,03% dos casos por aqui. No Reino Unido, por exemplo, o índice é de 5%. Tanto que a variante amazonense não foi descoberta no Brasil, e sim no Japão, em turistas que haviam passado por aqui. (Folha)

Outra ferramenta contra as variantes, a vacinação em massa, também enfrenta problemas no Brasil. No ritmo atual, o país só vai conseguir imunizar 70% da população em 2024, apontam cientistas. Esse é o percentual de cobertura que permite a normalização das atividades com segurança. (Globo)

Mas a quantidade de vacinas em uso aqui deve aumentar. No sábado, a Pfizer pediu à Anvisa o registro definitivo de sua vacina, desenvolvida em parceria com a alemã BioNTech. Existe um memorando de entendimento entre a Pfizer e o Ministério da Saúde para a compra de 70 milhões de doses, mas as negociações estão empacadas. (Globo)

Na quarta-feira o Instituto Butantan deve receber da China um novo lote de insumos para produzir 8,7 milhões de doses da CoronaVac. No sábado, a Fiocruz recebeu, também da China, o primeiro lote de insumos para fazer 2,8 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca. (UOL)

Neste domingo, foram registradas mais 492 mortes por Covid-19 no Brasil, elevando o total a 231.561 e mantendo a média móvel de óbitos acima de mil pelo décimo-oitavo dia seguido. (G1)

E o Brasil quer doar ao Haiti um milhão testes para Covid-19 prestes a vencer. O Ministério da Saúde quer doar também para hospitais filantrópicos, mas eles não aceitam, já que a maioria dos testes vence em abril e corre o risco de acabar no lixo. (Estadão)

Depois de três provas (duas convencionais e uma digital) ignorando o tema, o segundo dia do Enem digital finalmente teve uma questão tratando de vacinas, embora não diretamente sobre a pandemia da Covid-19. Foi a primeira vez que a prova foi aplicada usando computadores, e a abstenção chegou a 71,3%. (G1)


Acabou nos pés do francês Ginac o sonho do Palmeiras de deixar de ser o único dos grandes times paulistas sem um título do Mundial Interclubes. A equipe perdeu por 1x0 para o mexicano Tigres e vai disputar o terceiro lugar com o egípcio Al Ahly – a menos que um cataclismo aconteça e este vença o Bayern de Munique na semifinal de hoje. (Globo Esporte)

Tristeza dos palmeirenses, júbilo dos rivais, que inundaram a rede com memes. (UOL)

Muda o time, mas não o dono da bola (oval). Aos 43 anos, o quarterback Tom Brady comandou a vitória do Tampa Bay Buccaneers sobre o Kansas City Chiefs por 31x9 e conquistou seu sétimo Super Bowl, a final da Liga Nacional de Futebol Americano. (Globo Esporte)

Cultura


Chegará finalmente à TV o filme Amor, Estranho Amor, dirigido por Walter Hugo Khouri em 1982. Estrelado por Vera Fischer e Tarcísio Meira, o longa foi banido ao longo de décadas por uma ação na Justiça movida por Xuxa Meneghel, que fez uma cena de nudez ao lado do ator Marcelo Ribeiro, então com 12 anos. O filme se tornou um incômodo quando, poucos anos depois, Xuxa se reinventou como Rainha dos Baixinhos, o que motivou a ação na Justiça. A apresentadora desistiu do bloqueio em 2018, e o filme vai ser exibido pelo Canal Brasil na próxima sexta-feira, à 00h30. (Poder 360)

Pelo Twitter, a deputada estadual paulista Janaína Paschoal (PSL) criticou a exibição do longa. Segundo ela, mesmo Ribeiro sendo hoje um adulto, a cena sensual com um menor viola o Estatuto da Criança e do Adolescente. (Poder360)

Como se a “força tivesse sido drenada por um alienígena”. É assim que Laerte Coutinho define o próprio estado após passar pela UTI do Hospital das Clínicas e vencer a Covid-19. Em entrevista a Monica Bergamo, a cartunista conta que até o ato de desenhar se tornou mais difícil. “A minha mão ficou meio tosca”, brinca. E se emociona ao comentar o carinho que recebeu do público e, principalmente, dos colegas durante e depois da internação. “Eu dava uma olhada no Twitter. Uau! Poxa, eu não mereço. Fiquei muito mexida. Muito, muito. Você não faz ideia.” (Folha)

Está cada dia mais cara a conta que a rapper Karol Conká está pagando por sua atuação como vilã mor do Big Brother Brasil. O festival Rock The Mountain cancelou a participação da artista no evento, programado para novembro. Já é o segundo festival a limá-la da programação. (G1)

Morreu na sexta-feira, aos 91 anos, Christopher Plummer, o ator mais idoso a receber um Oscar, o de Melhor Ator Coadjuvante, por Toda Forma de Amor (2010), aos 82 anos. Mas o papel mais famoso em seus 75 anos de carreira foi mesmo o capitão Georg von Trapp de A Noviça Rebelde (1965).

Cotidiano Digital


15 dias. Esse foi o prazo dado pela Secretaria Nacional do Consumidor, vinculada ao Ministério da Justiça, para o Facebook explicar as novas regras de privacidade do WhatsApp. As mudanças do app vão entrar em vigor em maio. (Globo)

Depois de ter sido excluído quase que inteiramente das principais redes sociais, o QAnon já encontrou uma nova “casa” virtual. O grupo que dissemina teorias conspiratórias tem ido para o Clapper, um app lançado em julho que basicamente é o TikTok, mas com muito menos moderação. Nos seis meses desde o seu lançamento, o aplicativo foi baixado mais de meio milhão de vezes, com uma quantidade considerável desse crescimento ocorrendo nas semanas seguintes ao quase fim do Parler e restrições do Facebook, Twitter e TikTok contra o QAnon.

E uma nova rede social também tem ganhado espaço entre os usuários. No fim de janeiro, uma conversa entre Elon Musk e o presidente-executivo do aplicativo de investimentos Robinhood, Vlad Tenev, por meio da Clubhouse, ajudou a impulsionar a plataforma e deu início uma corrida por convites de acesso ao serviço exclusivo. Só está disponível para iPhone, mas, mesmo assim, nos últimos seis dias, somou mais de 1,1 milhão de downloads. Pelo app, é possível participar de salas de diversas temáticas, nas quais as pessoas conversam em tempo real por áudio.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



8 de fevereiro de 2021
Consultar edições passadas