Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



7 de julho de 2021
Consultar edições passadas



Governo Bolsonaro pode ter se defendido com documento forjado


A nota de compra da vacina indiana Covaxin apresentada pelo ministro Onyx Lorenzoni, da Secretaria-Geral da Presidência da República era falsa, afirmou ontem, durante sessão da CPI da Pandemia, a senadora Simone Tebet (MDB-MS). No dia 23 de junho, horas depois de o deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, dizerem que haviam relatado ao presidente Bolsonaro denúncias de irregularidades na compra da Covaxin, Onyx fez um pronunciamento em tom agressivo no qual afirmou que a nota de compra apresentada pelos Miranda era falsa e mostrou uma outra nota em inglês que seria verdadeira. Tebet sustenta que é o contrário. O documento mostrado pelo ministro tinha vários erros de ortografia e o número errado de vacinas. “Ficou muito claro que as notas foram fabricadas por alguém”, disse a senadora. (UOL)

A denúncia de Tebet não foi a única polêmica ontem envolvendo a Covaxin. Ao depor na CPI, servidora do Ministério da Saúde Regina Célia Silva Oliveira, encarregada de fiscalizar o contrato de compra da vacina disse aos senadores não ter visto “nada atípico”, mesmo tendo sido nomeada dois dias depois de os irmãos Miranda terem supostamente denunciado a Bolsonaro as irregularidades e pressões para aprovação da compra. Ela admitiu, porém, que o contrato ficou um mês sem fiscalização. A servidora aprovou o contrato mesmo depois de a Precisa Medicamentos, intermediária da negociação, não ter entregado o primeiro lote acordado. (Globo)

Em outro caso suspeito envolvendo vacinas, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu o sigilo das mensagens extraídas do celular do PM Luiz Paulo Dominguetti, que intermediou a venda de vacinas da AstraZeneca por meio da empresa americana Davati Medical Supply e denunciou um pedido de propina. Numa delas, ele afirma receber informações diretamente do gabinete de Bolsonaro; em outra, do dia 13 de março, informa ao CEO da Davati que estava próximo de marcar uma reunião com o próprio presidente. Em conversas mais descontraídas, amigos do PM celebravam os “últimos dias de pobre”, enquanto Dominguetti falava em “reservar o Jaguar e uma casa em Brasília”. (Veja)

Hoje depõe o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias, acusado pelo PM de ter cobrado US$ 1 por dose da AstraZenenca intermediada pela Davati. E quem era pedra virou vidraça. O reverendo Amilton Gomes, outro suposto intermediário das vacinas, afirma que Dominguetti lhe ofereceu uma doação não especificada para que ajudasse na venda de vacinas ao ministério. (Globo)

A fervura não tem data para esfriar. Aziz anunciou ontem que a CPI vai continuar trabalhando durante o recesso parlamentar, de 18 de julho a 1º de agosto, contrariando a vontade do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

O advogado-geral da União, André Mendonça, vai ser o indicado para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) com a aposentadoria, na próxima semana, do decano Marco Aurélio de Mello. O anúncio, feito por Jair Bolsonaro durante reunião ministerial ontem, porém, foi informal, já que há um compromisso com o presidente do Supremo, Luiz Fux, de só se indicar o novo nome após a aposentadoria de Marco Aurélio. (Poder360)

Pastor da Igreja Presbiteriana Esperança de Brasília, Mendonça cumpre o requisito de ser “terrivelmente evangélico”, embora sua denominação seja menos conservadora. Tão importante quando a religião é seu alinhamento incondicional com Bolsonaro tanto nas duas passagens pela AGU quanto no Ministério da Justiça, após a saída de Sérgio Moro. Mendonça, porém, ainda enfrenta resistência no Senado, que precisa aprovar a indicação. (Estadão)

O ministro do STF Alexandre Moraes deu 48 horas para que o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) explique supostos pedidos de asilo a quatro embaixadas, todos negados. O parlamentar responde a processo por ter defendido o AI-5 e o fechamento do Supremo. (Globo)

Meio em vídeo. No Conversas com o Meio desta semana, a ativista da causa intersexo Dionne Freitas comenta as críticas contra o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que assumiu ser homossexual em programa de TV aberta. Parte da militância LGBTQIA+ o criticou por ter apoiado Jair Bolsonaro, claramente homofóbico, nas eleições de 2018. Confira no YouTube.

Está difícil acompanhar as notícias, não é? Anda tudo muito rápido, muito dinâmico e barulhento. O Meio te ajuda a separar o que é importante. Aos sábados, uma edição especial em que te oferecemos um contexto sobre grandes temas do momento. Assine o Premium e não perca tempo no seu dia.

Finanças em Dia

Finanças em Dia


Em meio a um desemprego recorde, o Brasil também vive o seu maior nível de famílias endividadas em mais de uma década. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em junho, 69,7% dos brasileiros tinham dívidas. É um recorde. Com o orçamento mais limitado em meio a crise, guardar dinheiro virou uma tarefa difícil. Mas isso não significa que administrar as dívidas está fora da realidade. Pelo contrário. Saiba como lidar com as dívidas de forma inteligente.

Por falar em dívidas… O governo sancionou projeto de lei que cria o marco regulatório que busca prevenir o superendividamento dos consumidores. Agora, lojistas e instituições financeiras precisam informar aos consumidores com clareza, no momento da oferta, sobre quanto vai pagar por aquilo e quais as taxas inclusas no momento da contratação. Entenda as mudanças. (CNN Brasil)

Até o fim do ano deve estar disponível um Pix offline, que não exige internet. A ideia do Banco Central é ser feito por um cartão de pagamento por aproximação, que deve ser lançado no quarto trimestre deste ano. Antes disso, devem entrar em vigor o Pix Saque e Pix Troco, serviços que permitirão o saque de dinheiro em estabelecimentos comerciais. (Globo)

Viver


A prefeitura de São Paulo acredita que o primeiro caso identificado da variante delta da Covid-19 na cidade possa ter acontecido por transmissão comunitária (local). O homem de 45 anos, que teve apenas sintomas leves da doença, disse que não viajou ao exterior nem teve contato com pessoas que tivessem viajado. Mais transmissível, a delta foi identificada primeiro na Índia e caminha para ser a cepa dominante do Sars-Cov-2. (Folha)

E o problema da falta de imunizantes ainda não foi superado. Nesta terça-feira a prefeitura de Salvador suspendeu a aplicação da primeira dose, após um dia de filas e alta procura nos postos de vacinação. A prefeitura diz ter escalonado a faixa etária das pessoas a serem vacinadas, mas o grande número de cidadãos com 42 anos provocou transtornos e falta de doses. (G1)

Enquanto faltam vacinas para alguns, outros fraudam para tomar a mais. Segundo investigação, alunos da Universidade Nove de Julho, em São Paulo, se aproveitaram da residência médica e tomaram uma terceira dose de imunizantes. Pelo menos um dos residentes admitiu ter tomado uma dose extra. (CNN Brasil)

Nesta terça-feira foram registrados 1.787 óbitos por Covid-19 no país, totalizando 527.016 vítimas fatais da doença desde o início da pandemia. A média móvel de mortes em sete dias ficou em 1.557, com redução de 19% em relação ao período anterior, reforçando a tendência de queda que se mantém há dez dias. Outra boa notícia. O Amazonas, que sofreu um flagelo no início deste ano, não registrou mortes pela doença ontem. Foi a primeira vez que isso aconteceu desde abril do ano passado. (UOL)

Enquanto isso... A Câmara aprovou o projeto que autoriza o governo a quebrar patentes de remédios e vacinas em casos de emergências nacionais. Apenas a liderança do governo e o Novo votaram contra. (Globo)

O governo Bolsonaro, por meio da AGU, entrou no STF com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a lei que obriga o fornecimento de internet a alunos e professores de escolas públicas. A lei havia sido vetada por Bolsonaro, mas o veto foi derrubado no Congresso. A AGU alega que a lei interfere na gestão de pessoal e material da Administração Pública, o que deveria ser decidido pelo Executivo e não pelo Legislativo, e o que o custo de R$ 3,5 bilhões ameaça o equilíbrio fiscal da União. (Globo)

Durante muito tempo se acreditou que as manifestações artísticas encontradas em sítios arqueológicos dos homens de Neandertal eram influência do contato com o Homo sapiens. Porém, um osso de cervo esculpido pode mudar essa teoria. A peça, encontrada numa caverna na Alemanha foi datada como tendo sido entalhada há 51 mil anos, 10 antes de nossa espécie chegar à Europa. Ela não tinha uso prático, foi fervida para facilitar o trabalho e recebeu padrões geométricos. (Galileu)

Cultura


O Festival de Cannes começou ontem já trazendo polêmicas. Presidente do júri, o cineasta americano Spike Lee disse em seu discurso que o mundo é governado por gângsteres e deu nome aos bois: “O Agente Laranja (Donald Trump), o cara do Brasil (Bolsonaro) e o (presidente russo Vladimir) Putin. Eles são gângsteres e farão o que quiserem. Eles não têm moral nem escrúpulos”, sentenciou. (Globo)

Renato Terra (#humor): “Após ser chamado de ‘gangster’ por Spike Lee no Festival de Cannes, o presidente Jair Bolsonaro resolveu dar o troco. ‘Ele quer o PT de volta para mamar nas tetas do Estado brasileiro junto com o Leonardo DiCaprio. Quero ver se esse sujeito vai continuar fazendo seus filmes sem a Lei Rouanet’, rebateu.” (Folha)

A genialidade de Leonardo da Vinci (1452-1519) teria ligação com seus genes? Para responder a essa pergunta, pesquisadores rastrearam 14 descendentes diretos do mestre italiano pela linha masculina. Como o cromossomo Y, masculino, permanece inalterado por 25 gerações, esses 14 homens, cujas identidades não foram reveladas, compartilham essa característica com o ancestral famoso, e esse é o material que será estudado na Universidade Rockefeller, em Nova York. Pesquisas anteriores haviam identificado outros descendentes, indiretos ou por linha feminina, incluindo o cineasta Franco Zeffirelli.  (Estadão)

É normal a mudança dos costumes fazer como que museus reavaliem o teor de suas exposições. A novidade é isso acontecer antes mesmo da inauguração. Programado para abrir em setembro, o Museu da Academia de Cinema (Museu do Oscar, para simplificar) precisa se reinventar para ficar em dia com todas as mudanças que aconteceram na indústria desde que foi concebido, em 2012. Movimentos como #OscarsSoWhite, MeeToo e Black Live Matters, assim como escândalos envolvendo grandes de nomes do cinema, tornaram algumas das exposições desaconselháveis. (Folha)

Cotidiano Digital


Um dos maiores ataques de ransomware invadiu mais de um milhão de empresas espalhadas por 17 países. Os hackers atacaram a empresa de TI americana Kaseya e usaram o software dela para invadir os sistemas dos seus clientes, maioria agências públicas e pequenos negócios. Agora, estão exigindo US$ 70 milhões em bitcoin para devolver o acesso aos usuários. O grupo por trás da invasão é o russo REvil, o mesmo que atacou as operações da JBS no mês passado e extorquiu US$ 11 milhões da empresa. (BBC)

Então… Outro grupo hacker russo, chamado Cozy Bear, ligado ao governo da Rússia, invadiu, semana passada, o sistema do Comitê Nacional do Partido Republicano dos EUA. (Washinton Post)

Após gerar uma briga judicial entre Amazon e Microsoft, o projeto JEDI do Pentágono foi cancelado. Segundo o Departamento de Defesa americano, devido aos avanços da indústria, o contrato de US$ 10 bilhões, que previa uma infraestrutura militar em nuvem vencido pela Microsoft, já não atendia mais às suas necessidades. Mas será substituído por outro, o que deve gerar uma nova disputa entre as big techs. (CNBC)

Uma nova versão do console Switch da Nintendo vai ser lançada em outubro. O novo modelo tem uma tela OLED, maior e mais colorida que as versões anteriores e o dobro de armazenamento. O video game custará nos EUA US$ 349,99.

Meio em vídeo. Durante um fim de semana, o editor Pedro Doria usou um dos poucos carros elétricos no mercado brasileiro, o Chevrolet Bolt. Como foi sua experiência? Quais as diferenças para um carro movido a gasolina? O preço de um veículo elétrico vale a pena no Brasil? A resposta para essas e outras perguntas estão no Pedro+Cora. Assista.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



7 de julho de 2021
Consultar edições passadas