Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



15 de julho de 2021
Consultar edições passadas



Bolsonaro está internado, sedado, mas ainda não foi operado


O presidente Jair Bolsonaro amanhece nesta quinta-feira num leito do hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde está internado desde ontem para o tratamento de uma obstrução intestinal. Ele sentiu fortes dores abdominais durante a madrugada de quarta-feira e foi levado para o Hospital das Forças Armadas, em Brasília. O cirurgião gástrico Antonio Luiz Macedo, que acompanha o presidente desde o atentado a faca na campanha de 2018, foi chamado a Brasília e constatou a obstrução. O presidente vinha apresentando sinais de problemas de saúde, incluindo soluços persistentes. Bolsonaro foi transferido para São Paulo no fim da tarde, e, após exames de imagem, a equipe médica descartou uma cirurgia imediata. (G1)

Entenda o que é a obstrução intestinal e seus riscos. (UOL)

Segundo o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), o presidente chegou a ser intubado em Brasília, numa medida de precaução para evitar que broncoaspirasse líquidos do estômago. (CNN Brasil)

Mesmo internado, Bolsonaro não deixou de fazer política. Em sua conta no Twitter foram publicados uma foto do presidente sem camisa no hospital e um texto dizendo “Mais um desafio, consequência da tentativa de assassinato promovida por antigo filiado ao PSOL, braço esquerdo do PT, para impedir a vitória de milhões de brasileiros que queriam mudanças para o Brasil.” (Metrópoles)

Apesar da internação, o vice Hamilton Mourão viajou ontem para Angola, onde irá representar o Brasil em uma reunião da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). (Globo)

Aliás... Quem também está internado em São Paulo é o escritor Olavo de Carvalho, de 74 anos, mentor da “ala ideológica” do governo. Ele está há seis dias no InCor com infecção urinária e na corrente sanguínea. (Poder360)

Depois de passar a terça-feira calada, a diretora-executiva da Precisa Medicamentos Emanuela Medrades falou ontem durante seis horas à CPI da Pandemia. Ela negou irregularidades no contrato de compra da vacina indiana Covaxin, intermediado pela Precisa e investigado pela PF, o TCU e o MPF. Nenhuma das quatro vacinas em uso no Brasil foi comprada via intermediários. Medrades se recusou a mostrar o contrato de compra e, alegando confidencialidade, não disse quanto a empresa iria receber pela intermediação. Confrontada com uma ata do Ministério da Saúde indicando que o imunizante, que acabou custando US$ 15 a dose, havia sido oferecido por US$ 10, a executiva disse que o documento oficial era mentiroso. (G1)

Confira as contradições do depoimento de Emanuela Medrades. (Folha)

E não faltou bate-boca. Mesmo com o pai internado, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), que não é integrante da CPI, apareceu na comissão e discutiu com a senadora Simone Tebet (MDB-MS) quando ela interrogava a testemunha. Fora do microfone, ele fez um comentário que a senadora considerou ofensivo. Cobrando respeito, ela disse que vai levar o caso ao Conselho de Ética da Casa. (UOL)

E o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), prorrogou oficialmente os trabalhos da CPI, que terminariam em agosto, por mais três meses. (CNN Brasil)

Cinco ex-ministros da Defesa divulgaram nota em apoio à chamada “PEC do Pazuello”, protocolada ontem na Câmara. Pela proposta, de autoria da deputada Perpétua de Almeia (PCdoB-AC), militares da ativa ficam proibidos de exercer cargos civis no governo. (Folha)

Meio em vídeo. O presidente Jair Bolsonaro oficializou a indicação do atual advogado-geral da União, André Mendonça, para a vaga de ministro no Supremo Tribunal Federal (STF), aberta após a aposentadoria de Marco Aurélio Mello. A indicação cumpre com uma promessa antiga do presidente: ter um representante “terrivelmente evangélico” na Corte. No MeioExplica desta semana você confere mais detalhes sobre a vida e a carreira de André Mendonça. Confira no YouTube.


O Alto Comando militar dos Estados Unidos traçou estratégias para reagir caso o então presidente Donald Trump tentasse um golpe de Estado após as eleições de 2020, segundo o livro I Alone Can Fix It (Só Eu Posso Consertar), a ser lançado na próxima terça-feira. Escrito pelos jornalistas Carol Leonnig e Philip Rucker, o livro revela, por exemplo, que o chefe do Estado Maior, general Mark Milley e os demais oficiais general planejaram renunciar em sequência para não cumprir ordens ilegais. “Eles podem tentar, mas, po**a, não vão conseguir”, disse Milley a seus auxiliares. (CNN)

Está difícil acompanhar as notícias, não é? Anda tudo muito rápido, muito dinâmico e barulhento. O Meio te ajuda a separar o que é importante. Aos sábados, uma edição especial em que te oferecemos um contexto sobre grandes temas do momento. Assine o Premium e não perca tempo no seu dia.

Embratel

Tech no próximo nível


As transações por meio de pagamentos digitais devem triplicar até 2030 no Brasil. Apesar da conveniência de transferir e realizar pagamentos por plataformas, o setor não está livre de ameaças, principalmente de fraudes focadas nos clientes. Os tipos mais comuns são quando os hackers conseguem obter todos os dados da vítima e realizam uma transação como se fosse legítima ou quando um negócio recebe um pedido de estorno porque o titular do cartão informou não ter conhecimento da compra ou de ter recebido o pedido, mas os produtos ou serviços foram entregues. Conheça outros.

O trabalho remoto acelerou o recrutamento virtual. Em um ano, seis em cada dez companhias brasileiras passaram a utilizar a digitalização na contratação de funcionários. Entre essas, 97% pretendem manter a digitalização dos processos de admissão após a pandemia. (Valor)

Então… O TikTok está se tornando uma alternativa ao LinkedIn para empresas na procura por candidatos, especialmente os mais jovens. O seu novo programa Resumes, permite gravar um currículo em vídeo apresentando as habilidades de maneira mais criativa. Empresas como Shopify e Target já aderiram. (Business Insider)

Cresceu a disponibilidade da fibra ótica no Brasil. Hoje, 91% dos provedores de acesso a internet contam com a tecnologia, frente aos 78% em 2017. A adoção acelerou especialmente com a pandemia, que intensificou o uso de serviços digitais, como o streaming. Mas com o maior uso também veio mais risco à segurança: 26% dos provedores de internet sofreram ataques de negação de serviço (DDoS) — um tipo de ciberataque em que criminosos usam várias máquinas para enviar solicitações a um servidor para sobrecarregá-lo e impedir que ele seja usado por usuários verdadeiros. (G1)

Viver


O Ministério da Saúde reconheceu, em parecer encaminhado à CPI da Pandemia, que o chamado “kit Covid”, com medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina, não deve ser usado por pacientes hospitalizados com Covid-19. O documento é uma nota técnica que ainda está em consulta pública antes de ser adotada oficialmente. (G1)

O que funciona mesmo é vacina. A mortalidade entre os internados por Covid-19 em São Paulo caiu 46% entre março e julho. A queda expressiva é resultado da maior cobertura vacinal. Mesmo apenas com a primeira dose, as pessoas que contraem a doença já apresentam uma resistência maior. (Globo)

A boa notícia tem seu outro lado. Com um número crescente de pessoas vacinadas, o Instituto Butantan e outros laboratórios têm enfrentado dificuldades em conseguir voluntários para testar novos imunizantes. Com a oferta crescente de vacinas aprovadas pela Anvisa, menos gente quer se arriscar a ser cobaia. (Folha)

Ainda assim, a Anvisa autorizou a testagem no Brasil de mais duas vacinas, uma criada pelo Instituto de Biologia Médica da Academia Chinesa de Ciências Médicas e a outra uma nova versão da AstraZeneca, já em uso por aqui. (Estadão)

Então... Hoje deve chegar ao país um lote de um milhão de doses enviado pela Covax Facility, iniciativa da OMS, segundo o Ministério da Saúde. Nas próximas semanas, disse o ministro Marcelo Queiroga, a Covax promete enviar mais três milhões. (CNN Brasil)

Mas a variante delta chegou ao Rio de Janeiro. A Secretaria Municipal de Saúde confirmou dois casos: um homem de 27 e outro de 30 anos, ambos moradores de Vila Isabel, na Zona Norte. (Extra)

Nesta quarta-feira o país teve 1.574 mortes por Covid-19, totalizando 537.498 vítimas desde o início da pandemia. A média móvel de óbitos em sete dias foi de 1.270, completando o quarto dia abaixo de 1.300. (UOL)

O chamado pulmão do mundo está comprometido. Segundo estudo publicado pela revista Nature, a Floresta Amazônica já emite mais gás carbônico do que consegue absorver. O primeiro motivo, obviamente, são as queimadas, mas há uma emissão indireta. O aumento da área desmatada faz cair a quantidade de chuvas e subir a temperatura na região. Isso cria um “estresse” na flora, que tem dificuldades em fazer a fotossíntese, o processo que transforma gás carbônico em oxigênio. Segundo a pesquisa, coordenada pelo Inpe, a floresta emite a cada ano 0,29 bilhão de toneladas de carbono além do que absorve. (G1)

O total de bolsas oferecidas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) caiu 29,5% em relação ao ano passado. Segundo o MEC, a redução é reflexo da crise econômica causada pela pandemia. (Estadão)

Panelinha no Meio. De suspiros vive o coração. E são ainda mais intensos nesta receita, onde o gengibre e o limão siciliano dão uma levantada nesse docinho tão delicado.

Cultura


Então... Lembram do Festival de Jazz do Capão, na Bahia, que teve o acesso à Lei Rouanet vetado pela Funarte por se declarar antifascista? Pois é, o escritor Paulo Coelho e a artista plástica Christina Oiticica decidiram financiar, por meio da fundação do casal, a realização do evento. Com uma única condição: que ele continue antifascista e pela democracia. Ah, e o Ministério Público Federal abriu inquérito para apurar se o parecer da Funarte contra o festival, cheio de referência religiosas, violou, entre outros princípios constitucionais, o da laicidade do Estado. (Globo)

De hoje até o dia 21 o carioca (e todo mundo com acesso à internet, claro) vai ter a oportunidade ver uma cidade que não existe. É a mostra Rio Desaparecido, organizada pelo Museu Virtual Rio Memórias e a Cinemateca do MAM, que traz três documentários sobre as transformações urbanas na antiga capital do país. Um deles, Nossos Soberanos no Brasil, é inédito e retrata a vinda dos reis da Bélgica ao país, há 100 anos. Os filmes estarão disponíveis na plataforma Vimeo do MAM. Haverá ainda debates nos três últimos dias, transmitidos simultaneamente pelos canais do MAM e do Rio Memórias no YouTube.

Que fotografia é arte, ninguém questiona. Os ângulos e luzes de uma ampla paisagem, a urgência da vida urbana nos rostos de pessoas apressadas na rua de uma metrópole, os diferentes tons de púrpura no oceano de mundo alienígena... Mundo alienígena? Ah, sim, estamos falando de um novo ramo da fotografia proporcionado pela tecnologia que permite criar videogames cada vez mais realistas e com cenários de comportamento aleatório. Profissionais como o brasileiro Leo Sang fazem parte dessa geração de fotógrafos virtuais, contratados por estúdios para captar momentos marcantes dos jogos e que já tem trabalhos expostos em galerias. (Folha)

E se você duvida que games rendem grandes imagens, confira essas sete fotogalerias dos melhores de 2020.

Cotidiano Digital


As big techs já estão se sentindo pressionadas pela nova presidente da Comissão Federal de Comércio, o mais importante órgão regulador nos EUA. O Facebook enviou uma petição para que Lina Khan, uma das maiores defensores de aumento de regulamentação contra as empresas de tecnologia, se recuse a participar de qualquer tomada de decisão no caso antitruste da agência contra a rede social. A medida segue a Amazon, que há algumas semanas entrou com o mesmo pedido. (Axios)

O Banco Central adiou o início da fase 2 do open banking, que estava prevista para hoje. Agora, a expectativa é de que partir de 13 de agosto as instituições financeiras comecem a compartilhar entre si dados de cadastros e de transações de seus clientes para melhorar a oferta de produtos. (Valor Investe)

Durou pouco. O Fleets, o “Stories” do Twitter, acabará a partir de agosto. A função que permite publicar conteúdos que podem ser apagados dentro de 24 horas foi lançada em novembro de 2020 para competir com Snapchat e o Stories do Facebook. Mas não trouxe novos usuários, como planejado pela rede social. (CNBC)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



15 de julho de 2021
Consultar edições passadas