Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



21 de setembro de 2021
Consultar edições passadas



Empresa chinesa falimentar dispara medo de crise global


O mercado financeiro global iniciou a semana em estado de alerta. O medo é de que a incorporadora chinesa Evergrande possa ser a próxima Lehman Brothers, banco americano que quebrou em 2008 e desencadeou uma das maiores crises financeiras da história. A empresa, segunda maior do setor na China, acumula mais de US$ 300 bilhões em dívidas e corre risco de falir se não pagar o valor do acordo até esta quinta-feira. O temor de um possível calote abalou as bolsas de valores nesta segunda — se a companhia falir pode disparar instabilidade econômica e social em todo o mundo. Na Europa, todos os índices fecharam em vermelho, enquanto em Wall Street, nos Estados Unidos, Dow Jones e S&P 500 fecharam em forte queda, com perdas de -1,78% e -1,70%, respectivamente. No Brasil, o Ibovespa desabou 2,33% e atingiu o nível mais baixo do ano, a 108.843,74 pontos. Já o dólar fechou em alta de 0,93%, subindo para R$ 5,33. Enquanto as bolsas de valores permanecem fechadas na China, Japão e Coreia do Sul por conta do feriado, as ações da Evergrande caíram 10% ontem em Hong Kong. Por parte da China, há poucas chances de que exista um plano liderado pelo Estado para resolver a crise. O governo tem imposto novas diretrizes monetárias e reguladoras para frear a especulação imobiliária no país, o que afetou diretamente os negócios da Evergrande. Embora o caso tenha sido comparado à crise de 2008, alguns analistas não veem maiores semelhanças com o episódio. Entenda. (Seu Dinheiro)

Fundada em 1996, a subsidiária do Evergrande Group cresceu vertiginosamente. Com a ascensão, vieram os gigantescos projetos urbanos na China e grandes investimentos por parte da companhia, responsável por mais de 1,3 mil projetos imobiliários em 280 cidades. A empresa também é dona do Guanzhou, maior clube de futebol chinês. Conheça cinco fatos sobre a Evergrande. (CNN Brasil)

Por aqui, uma turbulência no mercado internacional poderia afetar os países emergentes mais vulneráveis ou com problemas fiscais, como é o caso do Brasil. Contudo, o economista e professor da Universidade de Nova York, no campus de Xangai, Rodrigo Zeidan avalia como improvável que a crise transborde as fronteiras chinesas. “Não há como a quebra da Evergrande gerar colapso do sistema financeiro global, por uma razão simples: a China não tem sistema financeiro integrado com o do mundo e o yuan nem é conversível”, explicou. (UOL)

James Kynge, editor global de China no Financial Times: “O governo decidiu fazer da Evergrande um exemplo, a fim de deixar claro para outros incorporadores de imóveis que estava falando sério sobre as ‘três linhas vermelhas’ que decretou no ano passado a fim de reduzir os níveis de dívida no setor e conter o excesso crônico de oferta no segmento de imóveis residenciais.” (Folha)

Entenda a pressão do governo chinês nos setores financeiro, educacional e de tecnologia; e agora, em multinacionais. (Estadão)

Nesta manhã, as ações europeias se recuperaram após o péssimo início de semana. Mas somente com a reabertura do mercado chinês na quarta, após o feriado, será possível ter a dimensão do efeito Evergrande a partir da Ásia. (Investing)

Daqui a pouco, às 10h, horário de Brasília, o presidente Jair Bolsonaro vai fazer um discurso presencial abrindo a 76ª Assembleia Geral da ONU, em Nova York. Pressionado por temas desconfortáveis, como meio ambiente, combate à covid-19 e direitos humanos, Bolsonaro avalia, segundo fontes, desanuviar o ambiente anunciando a doação de vacinas a países vizinhos. (Globo)

A véspera do discurso foi um dia de situações inusitadas. Em seu mais importante encontro bilateral até o momento na viagem, Bolsonaro esteve com o premiê inglês Boris Johnson. Falando aos jornalistas, BoJo recomendou que todos se vacinassem, agradeceu à AstraZeneca — vacina britânica — e disse ter tomado duas doses. Visivelmente sem graça, Bolsonaro respondeu que não se vacinou. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, não titubeou. Afirmou que, sem se vacinar, o brasileiro nem deveria ter ido à cidade. (CNN Brasil)

Aliás... Como a lei novaiorquina proíbe a entrada de pessoas não vacinadas em restaurantes, uma churrascaria brasileira fez um ‘puxadinho’ na calçada para que Bolsonaro e sua comitiva comessem picanha. Bem passada. (BBC Brasil)

Ancelmo Gois: “Bancado pelo meu, seu, nosso dinheiro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que está em Nova York na comitiva do pai, foi às compras. Foi vaiado (veja o vídeo), além de chamado de ‘vergonha brasileira’, na Apple Store da Quinta Avenida, uma das lojas mais famosas do mundo.” (Globo)

E para terminar a noite, o ministro da Saúde perdeu a linha diante de manifestantes contra o governo. (Poder360)

O senador Renan Calheiros (MDB-AP) adiou a entrega de seu relatório na CPI da Pandemia, previsto para o final desta semana. Ele quer aguardar o resultado de uma operação de busca e apreensão na Precisa Medicamentos, intermediária na venda suspeita da vacina indiana Covaxin para o Ministério da Saúde. Renan já adiantou que vai pedir o indiciamento de Jair Bolsonaro por prevaricação e apontar crimes de responsabilidade que o presidente teria cometido. (Globo)

Enquanto isso, o caso do plano de saúde Prevent Senior, que realizou um estudo para testar hidrocloroquina em idosos sem conhecimento dos pacientes e suas famílias, vai ficando pior. Os mortos ocultados pela empresa começam a ter nomes. Um deles, identificado como “paciente 192” nas planilhas, era o sapateiro português Rogério Antonio Ventura, que morreu em abril de 2020, aos 83 anos. Segundo os documentos, ele foi incluído à revelia no “estudo” e recebeu cloroquina mesmo sendo cardíaco e não tendo recebido diagnóstico de covid-19. A Prevent Senior nega e diz que a aplicação do medicamento era responsabilidade dos médicos. (G1)

Mônica Bergamo: “O Sindicato dos Médicos do Estado de SP afirma que recebeu denúncias informando que a Prevent Senior está coagindo médicos a assinarem documento no qual atestam que receitaram o ‘kit Covid’ (medicamentos sem eficácia comprovada contra o novo coronavírus) a pacientes por espontânea vontade.” (Folha)

O governador de São Paulo, João Doria, registrou ontem sua candidatura às prévias do PSDB para a escolha de um postulante à presidência em 2022. Em seu discurso, Doria centrou fogo nas administrações do PT, dando a entender que pretende atrair eleitores do presidente Jair Bolsonaro, que não foi mencionado em sua fala. Ainda no campo da terceira via, DEM e PSL estão correndo contra o relógio para formalizar sua fusão até outubro. As legendas estimam que o TSE levará até quatro meses para homologar a decisão e querem tudo resolvido até fevereiro para atraírem parlamentares de outros partidos. (Poder360)

Meio em vídeo. Quando alguém com mais de meio milhão de seguidores retuita uma ameaça de agressão bárbara a uma parlamentar, a gente tem um problema. Existe um pedaço da esquerda que naturalizou lançar contra a deputada Tabata Amaral agressões da pior espécie. Não pode continuar assim. Entenda no Ponto de Partida. (YouTube)

Coluna do Estadão: “Organizadores dos atos de 12 de setembro contra Bolsonaro ao lado de MBL e Vem Pra Rua, o Livres decidiu aderir ao protesto de 2 de outubro, chamado por PT e outros grupos de esquerda. Membros do movimento usaram aplicativo interno de votação para informar à direção sua opinião: 67% disseram sim ao protesto do dia 2. Foi na mesma ferramenta que integrantes do Livres decidiram apoiar o impeachment de Bolsonaro: 96% a 4%.” (Estadão)


Justin Trudeau foi confirmado durante a madrugada como premiê canadense, após a vitória de seu Partido Liberal contra os conservadores. São 157 assentos no Parlamento contra 122 dos principais adversários. É a terceira vitória consecutiva do partido. (CNN)

Economia não é só a cotação do dólar. Quem é assinante Premium do Meio lê, todos os dias, uma editoria exclusiva de economia e fica sabendo quais são os temas quentes do momento. Assine o Premium e descubra que economia não é um bicho de sete cabeças.

Viver


A Pfizer e a BioNTech anunciaram nesta segunda-feira que sua vacina contra a covid-19 é eficaz e segura para crianças entre 5 e 11 anos. Embora ainda não tenha sido conferido por pares nem publicado em revistas científicas, o estudo foi recebido com entusiasmo, já que esse imunizante é o mais utilizado no mundo — o único no Brasil, aliás — em adolescentes entre 12 e 17 anos. Os dados seguirão para as agências reguladoras de todo o mundo, incluindo a Anvisa, a fim de que estas avaliem a autorização para imunizar crianças. (Poder360)

E a cidade do Rio comemorou ontem a marca de 99% da população adulta imunizada com pelo menos uma dose — 95% se forem contados os adolescentes com mais de 12 anos. Aliás, a prefeitura marcou para amanhã a retomada da vacinação de adolescentes, começando pelas meninas de 13 anos. E, para acelerar a imunização completa, o Rio reduziu de 12 para três semanas o intervalo entre as duas doses da Pfizer para maiores de 50 anos. É o menor tempo permitido pela bula da vacina.  (Globo)

Amanhã a Fiocruz recebe um novo lote de ingrediente farmacêutico ativo (IFA), suficiente para produzir 5,2 milhões de doses da vacina AstraZeneca. Outros lotes são esperados ainda este mês, mas as datas não estão confirmadas. E ontem a fundação entregou 937 mil doses da vacina ao Ministério da Saúde, com previsão de chegar a 4,6 milhões até o fim da semana. (Agência Fiocruz)

Ainda na categoria boas notícias, o governo dos EUA anunciou para novembro a suspensão das restrições de entrada no país para estrangeiros que apresentem comprovante de imunização completa. Também serão exigidos testes e uso de máscaras. (CNN Brasil)

Mas evidentemente a pandemia e as más notícias não desapareceram. Os 248 mortos por covid-19 ontem no Brasil representam 248 famílias enlutadas. Já são 591.034 desde março do ano passado, um número alto demais. A média móvel de óbitos nos últimos sete dias ficou em 557, completando uma semana acima de 500. (G1)

O paraíso turístico espanhol das Canárias foi literalmente transformado num inferno pela erupção de um vulcão em La Palma, uma das ilhas do arquipélago. Não há registro de mortes, mas a lava devorou florestas e casas e obrigou a retirada às pressas de cerca de 5 mil pessoas, incluindo 500 turistas. As imagens são aterradoras. (G1)

Panelinha no Meio. Às vezes tem que comer no meio da rua porque não se vacinou, e nenhum restaurante a aceita. Acontece. Isso não significa que comida “de rua” seja ruim. Há hambúrgueres de carrocinhas e food trucks celestiais. E você mesmo pode fazer o seu hambúrguer perfeito em casa. Mas tome a vacina mesmo assim.

Cultura


A lista de vencedores do Emmy, principal prêmio da TV americana, provocou inicialmente reações muito positivas pela quantidade de mulheres premiadas nas chamadas “categorias criativas”, como direção, roteiro e edição. Até que as pessoas olharam as fotos dos vencedores em atuação e notaram que elas eram, digamos, monocromáticas. Nenhum ator ou atriz afro-americano levou uma estatueta para casa. E não foi por falta de indicados. Michael K. Williams estava brilhante em Lovecraft Country, por exemplo. Michaela Coel fez história como a primeira negra a vencer um prêmio de roteiro, mas também concorria com melhor atriz por I May Destroy You. Logo a hashtag #EmmysSoWhite ganhou as redes. Lembrando que, por separar dramas, comédias e minisséries, o Emmy tem uma grande quantidade prêmios de atuação. (Variety)

Alerta de treta. Sabem aquela narrativa clássica da Independência do Brasil, com Tarcísio Meira, ou melhor, D. Pedro I do alto de seu cavalo rompendo os laços com Portugal para criar o Florão D’América? Pois é o diretor Luiz Fernando Carvalho prepara uma série de 16 episódios contando o nascimento o Brasil sob a ótica de índios e negros, os povos que ficaram à margem da História oficial. A série estreia na TV Cultura em setembro do ano que vem, quando serão celebrados os 200 anos do Grito do Ipiranga. (Folha)

Cotidiano Digital


Se antecipando a possíveis regulamentações por parte do governo chinês, o próprio Douyian, versão chinesa do aplicativo TikTok, anunciou um “modo adolescente”. O objetivo é limitar a quantidade de tempo que adolescentes menores de 14 anos passam na plataforma de vídeos curtos a 40 minutos por dia. A medida será aplicada a todos os usuários que se registraram no aplicativo usando seus nomes reais, anunciou a ByteDance, dona do TikTok. O Douyian estará disponível para esses usuários das 22h e às 6h, acrescentou a companhia. (CNN Brasil)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



21 de setembro de 2021
Consultar edições passadas