Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



14 de outubro de 2021
Consultar edições passadas



Alcolumbre acirra briga contra indicado de Bolsonaro ao STF


A crise em torno da indicação do ex-advogado-geral da União André Mendonça a uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) esquentou de vez. Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro sob as bênçãos da bancada evangélica, o nome de Mendonça foi posto na geladeira pelo presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Na tarde de ontem, o senador divulgou uma nota dura em que disse não admitir ser “ameaçado, intimidado, perseguido ou chantageado” e afirmou que a nomeação de ministro do STF não é “ato unilateral e impositivo do Chefe do Executivo”. “Querem transformar a legítima autonomia do presidente da CCJ em ato político e guerra religiosa”, insinuando haver preconceito por ser judeu. (UOL)

A nota de Alcolumbre teria sido uma reação à declaração de Bolsonaro de que o senador “não age dentro das quatro linhas da Constituição” ao travar a sabatina de Mendonça. (CNN Brasil)

O momento não poderia ser pior, como conta Igor Gadelha. Na segunda-feira, Alcolumbre almoçou com o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). O presidente da CCJ chorou suas mágoas em relação ao governo, e o Zero Um marcou para hoje um almoço de Alcolumbre com Bolsonaro. Agora tudo parece ter voltado à estaca zero. (Metrópoles)

Porém... Malu Gaspar nos revela que a movimentação de Alcolumbre tem um único objetivo: fazer Bolsonaro ignorar a promessa aos evangélicos e trocar Mendonça pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, que estaria a par da estratégia. (Globo)

A rigor, como nos lembra Mônica Bergamo, Alcolumbre só precisa cozinhar a sabatina por mais dois meses. Aí começa o recesso parlamentar que desemboca no ano eleitoral, quando os senadores terão mais com o que se preocupar. (Folha)

E este Meio errou. Na edição de ontem Alcolumbre foi citado como presidente do Senado, em vez da CCJ.

A cúpula do PSDB não tem dúvidas de que Bolsonaro está empenhando na vitória do governador paulista João Doria nas prévias do partido, conta Tales Faria. Ele avalia que Doria seria um adversário mais fácil de ser batido em 2022 que o governador gaúcho Eduardo Leite. Fora de São Paulo, o diretório com maior apoio ao paulista é o do Rio Grande do Norte, sob forte influência de Rogério Marinho, ministro da Integração de Bolsonaro. (UOL)

Mesmo sem a intromissão do Planalto, a coisas estão fervendo no ninho tucano. Doria e Leite cavam apoios entre dissidentes nos redutos um do outro, o que provoca brigas e ameaças de punições. O diretório paulista fechou apoio a seu governador, mas o líder de sua bancada na Câmara paulistana, Xexéu Tripoli, e o prefeito de Santo André, Paulo Serra, estão com Leite. Já Doria obteve a adesão da ex-governadora gaúcha Yeda Crusius e de deputados mineiros, estados fechados com Eduardo Leite. (Folha)

O tempo fechou ontem no campo da esquerda. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse em entrevista que o ex-presidente Lula (PT) “conspirou” pelo impeachment de Dilma Rousseff. A prova seria o petista estar buscando alianças com Renan Calheiros (MDB-AL), que presidia o Senado na deposição de Dilma. “Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Hoje estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma, estou seguro”. (UOL)

A ex-presidente não achou graça e respondeu via Twitter, acusando Ciro de tentar reagir a sua “baixa aprovação popular”. “Mais uma vez mente de maneira descarada e continua há quase uma década com apenas um dígito nas pesquisas.” E houve tréplica, no tradicional estilo Ciro: “Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro, que estou falando de você, Dilma.” (Twitter)

Um dia depois de o arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, dizer que “pátria amada não pode ser pátria armada”, o presidente Jair Bolsonaro minimizou as declarações e insistiu na defesa do armamentismo. “Respeito a opinião de qualquer um aqui que seja a favor e contra a arma de fogo, mas o que acontecia no Brasil é que somente os marginais e bandidos tinham armas”, disse. (UOL)

Aliás... Bolsonaro reafirmou ontem, em entrevista, que não vai tomar qualquer vacina contra a covid-19, pois já teve a doença e desenvolveu anticorpos contra ela. A Anvisa e especialistas explicam por que ele está errado. (g1)

O ministro do STF Alexandre de Moraes negou o pedido de prisão domiciliar para o presidente afastado do PTB, Roberto Jefferson, e determinou sua volta para um presídio em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Acusado de organizar atos antidemocráticos, Jefferson foi preso em agosto e estava desde o início de setembro internado num hospital no Rio. Porém recebeu alta. (Poder360)


Cinco pessoas morreram e duas ficaram feridas a flechadas disparadas por um homem na cidade norueguesa de Kongsberg, a 67 km de Oslo. O assassino foi preso, mas sua identidade e as das vítimas não foram divulgadas. Embora testemunhas digam que ele parecia disparar aleatoriamente, o governo não descarta terrorismo. (g1)

Economia não é só a cotação do dólar. Quem é assinante Premium do Meio lê, todos os dias, uma editoria exclusiva de economia e fica sabendo quais são os temas quentes do momento. Assine o Premium e descubra que economia não é um bicho de sete cabeças.

Embratel

Tech no próximo nível


Memória, na computação, é um termo usado para descrever o armazenamento das informações. No caso da memória cache, o recurso é usado para agilizar a execução de aplicações, sistemas e outras plataformas. Ou seja, carregar as informações da aplicação o mais rapidamente possível, não impactando a experiência do usuário. Além do e-commerce varejista, a memória cache é muito utilizada em outros tipos de tecnologias, tais como as plataformas de Business Intelligence (BI). Confira como o cache pode agilizar suas plataformas para oferecer a melhor experiência.

Imagine um mundo onde um táxi percorre os céus e pousa no topo de um prédio para recarregar. Parece ficção científica, mas esta ideia pode se tornar realidade ainda nesta década, segundo Stephen Fitzpatrick, fundador da Vertical Aerospace. A companhia deve iniciar em 2022 os voos de teste da VA-X4, aeronave com zero emissão de carbono e capaz de transportar quase que silenciosamente quatro passageiros por até 200 quilômetros. Fitzpatrick teve a ideia em 2015, quando ficou horas preso no trânsito de São Paulo. (Época Negócios)

Meio em vídeo. Está chegando a Black Friday, é um dos eventos mais importantes do e-commerce brasileiro. Mas seu negócio está preparado? Não é trivial, o tráfego aumenta muito. As vendas aumentam muito. Meio Digital traz um guia rápido para saber como encarar de frente o desafio. (YouTube)

Viver


O Brasil ultrapassou hoje a marca de 100 milhões de pessoas completamente imunizadas contra a covid-19. Ao todo 100.499.968 pessoas, 47,11% da população, receberam duas doses ou a dose única da Janssen. A imunização, porém, segue de forma desigual entre os estados, especialmente na Região Norte. Outro problema, apontado pelo Ministério da Saúde, é que pelo menos 16 milhões de pessoas estão com a segunda dose em atraso. (UOL)

Pois é... A vacina de dose única pode não bastar. O Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH, em inglês) divulgou um estudo concluindo que doses de reforço de Pfizer ou Moderna produzem uma resposta imunológica mais eficiente nos pacientes que tomaram a dose única da Janssen do que uma segunda dose desta. Para os especialistas, a mistura de vacinas de diferentes tipos tem um resultado melhor. (ABC News)

Ainda sob influência da subnotificação do feriadão, o Brasil registrou nesta quarta-feira 201 mortes por covid-19, fazendo uma média móvel de óbitos em sete dias de 318, a menor desde 27 de abril de 2020. O total de vítimas da doença chega a 601.643. (g1)

O governo de São Paulo determinou que todas as escolas estaduais e privadas deverão retomar obrigatoriamente as aulas presenciais na segunda-feira. Os municípios têm autonomia para estabelecer seu calendário, mas a prefeitura da capital já anunciou que vai seguir o cronograma estadual. (UOL)

Veja as principais dúvidas sobre a volta das aulas presenciais em São Paulo. (g1)

A Justiça Militar condenou nesta madrugada, por três votos a dois, oito acusados de matar o músico Evaldo Rosa e o catador de latinhas Luciano Macedo, em 2019, na Zona Oeste do Rio. A maior pena, 31 anos e seis meses, foi para o tenente Ítalo da Silva Nunes, que chefiava a ação. Os outros sete receberam 28 anos e quatro foram absolvidos. Todos os condenados vão recorrer em liberdade. Relembre o caso. (g1)

Panelinha no Meio. Você conhece o maxixe? Não, não estamos falando da dança. Ah, também não conhece a dança? Tudo bem. O maxixe em questão é um fruto verde com casca espinhosa e bastante amargo, mas que é bem versátil na cozinha e está na época, ou seja, mais em conta. Uma boa opção é o vinagrete de maxixe grelhado. Menos ácido e igualmente crocante, acompanha bem quase toda refeição caseira.

E a dança? Conheça aqui a história dela. (YouTube)

Cultura


Ultraviolenta, falada em coreano e recheada de críticas ao capitalismo, Round 6 já é a produção original mais assistida da Netflix. Foram 111 milhões de exibições desde a estreia, segundo a própria plataforma. A série sul-coreana fala de um grupo de pessoas em situação de miséria que entra num reality show para ganhar milhões (e divertir bilionários) sem saberem que eliminação é no sentido literal. Confira o trailer no YouTube. (g1)

Entenda por que The Squid Game (literalmente O Jogo da Lula) é chamado de Round 6 apenas no Brasil. (O Tempo)

The Beatles: Get Back, que o diretor Peter Jackson vem burilando com cuidado de lapidador, ganhou ontem um novo trailer. A série documental em três episódios traz imagens inéditas e restauradas dos Fab Four durante as gravações do disco Let It Be, mas com uma pegada menos depressiva que a do documentário homônimo de 1970. A estreia está prevista para 25 de novembro na Disney+. (Globo)

E como ninguém precisa de motivos para ouvir Beatles, Get Back no Spotify ou no YouTube.

Hoje é dia de estreias nos cinemas. O destaque é O Último Duelo (trailer no YouTube), de Ridley Scott. Baseado numa história real, ele narra o julgamento por combate entre os cavaleiros Jean de Carrouges (Matt Damon) e Jacques Le Gris (Adam Driver), acusado de estuprar a esposa do oponente, vivida por Jodie Comer. E, goste-se ou não do gênero, temos Halloween Kills: O Terror Continua (trailer), 11º filme da série iniciada por John Carpenter em 1978. Jamie Lee Curtis, aos 62 anos, é mais uma vez Laurie Strode, a irmã-vítima favorita do assassino em série Michael Myers — e ela agora conta com a ajuda da filha e da neta.

Veja aqui a programação completa de filmes na sua cidade. (AdoroCinema)

Cotidiano Digital


Aos 90 anos, o ator William Shatner, o Capitão Kirk original de Jornada nas Estrelas, se tornou a pessoa mais velha a ir para o espaço. Shatner e outros três tripulantes viajaram ontem no segundo voo tripulado da Blue Origin, como parte da missão NS-18. O foguete New Shepard decolou das instalações da empresa de Jeff Bezos no Texas, nos Estados Unidos, às 11h50. A viagem até a Linha de Kármán, que agrupa a divisão entre a Terra e o espaço, durou cerca de 10 minutos. Ao aterrissar, William Shatner estava “emocionado e impressionado”, e disse que a experiência foi a mais profunda de sua vida. Veja como foi a missão. (g1)

O Instagram anunciou novas ferramentas para facilitar a organização de lives. Os criadores de conteúdo poderão agendar as transmissões ao vivo até 90 dias antes da data, compartilhar novidades sobre a live e gerar lembretes para o usuário. (Canaltech)

E após a pane global que deixou os aplicativos do Facebook fora do ar durante horas, o Instagram está testando um sistema de alerta para informar usuários sobre instabilidades na rede social. (TechTudo)

O Facebook vai atualizar a política de proteção contra assédio a figuras públicas nas suas plataformas. O objetivo é remover publicações com conteúdo ofensivo contra personalidades que se tornaram famosas involuntariamente, como defensores dos direitos humanos e jornalistas. Até agora, eram permitidos comentários mais críticos a celebridades do que a pessoas comuns. (Veja)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



14 de outubro de 2021
Consultar edições passadas