Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



24 de novembro de 2021
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores —

Por que não aproveitar nossa promoção de Black Friday para dar o Meio de presente?

Você certamente conhece alguém que pode se beneficiar com um compacto diário do noticiário e se enriquecer com nossas Edições de Sábado.

Ano que vem, 2022, é chave para o futuro do Brasil: é a oportunidade que temos de tirar, do Planalto, quem nunca deveria ter chegado. O atual presidente da República não é um democrata. Se ele for reencaminhado ao cargo, a democracia estará em perigo.

Vai ser também uma guerra constante com banhos de desinformação.

O Meio, ao resumir todos os dias o que há de importante para saber, é uma solução neste ambiente de ataque com mentiras ao regime democrático.

O Meio se sustenta, fundamentalmente, pelas assinaturas de vocês. Leitores.

Esta semana, pela primeira e única vez neste ano, a assinatura anual do Meio sai por R$ 79. Dá menos de sete reais por mês. É menos que um litro de gasolina em muitos cantos neste país de Paulo Guedes.

E vale por um ano de informação.

Dê uma assinatura de presente. Ou aproveite e faça a sua.

Precisamos de vocês. Contamos com vocês.

— Os editores


Lira e Pacheco lutam contra transparência em verbas


Os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), estão se movimentando para evitar a divulgação da lista de parlamentares beneficiados em 2020 e 2021 por emendas do relator, o chamado orçamento secreto, e seus valores. Embora a medida tenha sido determinada pelo STF, eles argumentam ser inviável, pois a lei não previa esse nível de transparência. Nos bastidores, há o temor que essa divulgação provoque uma crise na base, com deputados e senadores descobrindo que receberam (muito) menos que colegas. (Estadão)

Quem o próprio Lira beneficiou dá para rastrear. Documentos do Ministério do Desenvolvimento Regional mostram que o próprio Lira, por exemplo, destinou R$ 83,9 milhões a municípios de prefeitos aliados, incluindo o de seu pai, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em Alagoas. (Globo)

O PSDB decidiu ontem contratar um outro aplicativo de votação para funcionar como plano B e concluir até domingo as prévias do partido. No último domingo, uma instabilidade no programa impediu que 92% dos mais de 44 mil filiados inscritos votassem para escolher o pré-candidato tucano ao Planalto. A nova empresa, a RelataSoft, programou para a noite de ontem uma série de testes com sua ferramenta, mas o partido diz que ela só será usada se a oficial, desenvolvida pela Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, continuar a dar problemas. (g1)

A expectativa do presidente do PSDB, Bruno Araújo, é de que a votação seja retomada hoje ou “no mais tardar, na quinta-feira”. Há uma terceira empresa em negociação com o partido, caso o aplicativo da RelataSoft também não dê conta. Um dia depois de dizer que as prévias estavam perdendo a legitimidade, o governador gaúcho Eduardo Leite pediu a retomada da votação e disse que era prematuro falar em judicialização do resultado. (Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem, em entrevista, que sua filiação ao PL está quase fechada, mas ressaltou: “na política só está fechado depois que fecha”. Segundo ele, faltava fechar um acordo sobre quem o partido apoiará em SP, mas a questão teria sido resolvida pelo presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, que recebeu carta branca para acertar a filiação de Bolsonaro. O PL marcou a assinatura da ficha para o próximo dia 30. (Poder360)

Críticos e apoiadores do ex-presidente Lula (PT) passaram o dia ontem se digladiando por conta da avaliação feita por ele, em entrevista ao jornal espanhol El País, da terceira reeleição de Daniel Ortega na Nicarágua. Aos 12’48” da conversa, Lula afirma que “todo político que se acha imprescindível começa a virar um pequeno ditador”. Mesmo se dizendo contra Ortega ter se candidatado, alegou que não poderia “interferir na autodeterminação dos povos” e questionou por que a chanceler alemã Angela Merkel pôde ficar 16 anos no poder, e Ortega, não. Confrontado pelas entrevistadoras sobre as prisões de sete candidatos na Nicarágua, Lula respondeu: “Não posso julgar o que aconteceu na Nicarágua. Eu fui preso no Brasil. Não sei o que essas pessoas fizeram.” (El País)

Foi a senha para que adversários do ex-presidente fossem às redes criticar sua postura e a do PT em relação a ditaduras de esquerda. O ex-ministro Sérgio Moro reproduziu apenas o trecho em que Lula fala de Merkel e indagou: “É o PT com a ‘democracia’ de Ortega que queremos para o Brasil?”, enquanto o ex-candidato do PV à presidência Eduardo Jorge disse que Lula “continua fugindo de qualquer crítica aos regimes autoritários/ditatoriais de seus amigos em Cuba, Nicarágua e Venezuela”. Em nota, o PT afirmou que a fala de Lula foi distorcida, ressaltando sua defesa à alternância de poder.

Meio em vídeo. No Conversas com o Meio o debate é com Christian Lynch, cientista político da UERJ e Ricardo Rangel, analista político da Veja. Estando a menos de um ano das próximas eleições, o cenário político teve mudanças constantes nos últimos meses que irão ditar os próximos passos dos possíveis candidatos à presidência. E é delas que vamos falar. (YouTube)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse ontem que seu colega Davi Alcolumbre (DEM-AP), que preside a CCJ da Casa, deve marcar para a próxima semana a sabatina do ex-advogado-geral da União André Mendonça, indicado há quatro meses por Jair Bolsonaro para uma vaga no STF. Segundo Mônica Bergamo, a bancada evangélica estima que Mendonça tem hoje 43 votos no Plenário, dois a mais do que o mínimo necessário. (Folha)

Um acordo entre bolsonaristas e o Centrão permitiu que a CCJ da Câmara aprovasse ontem, por 35 votos a 24, a admissibilidade de uma proposta de emenda constitucional antecipando de 75 para 70 anos a aposentadoria dos ministros do STF. A medida ainda precisa passar por uma comissão especial, duas votações no Plenário da Câmara e toda a tramitação no Senado. Porém, se aprovada, permitirá a Jair Bolsonaro indicar dois ministros para a Corte nos lugares de Rosa Weber e Ricardo Lewandowski, que, pela regra atual, só se aposentam em 2023. (UOL)

Porém, como revela Guilherme Amado, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), não pretende levar a proposta adiante. (Metrópoles)

Foi em Niterói: Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cézar dos Santos de Souza, filhos da ex-deputada federal Flordelis, foram condenados por envolvimento na morte do padrasto, o pastor Anderson do Carmo. (g1)


Pelo menos nove homens encapuçados atacaram com bombas incendiárias no fim da noite de segunda-feira a sede do Clarín, um dos mais importantes jornais argentinos. A ação, filmada por câmeras de segurança, não deixou feridos, e o pequeno foco de incêndio foi controlado por bombeiros, o que não minimiza a gravidade do ataque a um veículo de comunicação. O presidente Alberto Fernández, do qual o jornal é crítico, condenou duramente o ataque, assim como entidades de imprensa argentinas e internacionais. Ainda não há pistas sobre os autores. (Clarín)

Não há democracia, dizia Thomas Jefferson, sem eleitores informados. Mas, no século 21, os veículos tradicionais perderam o encaixe na vida. Mas o Meio encaixa. A gente já resolve para você, de segunda a sexta, o problema das notícias. Podemos resolver também o do contexto, da profundidade, com a edição de sábado. Assine. Não vai se arrepender. É tão barato…

Transforme a experiência do seu time

Transforme a experiência do seu time


O estresse no trabalho pode comprometer a saúde dos funcionários e o desempenho das equipes, causando problemas físicos e mentais. Com a pandemia e o isolamento social, combater o estresse e cuidar do bem-estar tornaram-se ainda mais importantes. Competitividade excessiva e jornadas de trabalho exaustivas, relação ruim com os chefes e medo do desemprego são alguns dos fatores que contribuem para o aumento do estresse, mas existem práticas que as empresas podem adotar com foco na qualidade de vida dos profissionais. Confira.

Por falar em saúde no trabalho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluirá a partir de janeiro de 2022 a Síndrome de Burnout na Classificação Internacional de Doenças, um problema que causa esgotamento físico e emocional e é cada vez mais relevante para as empresas. Pensando nisso, a plataforma Zenklub, em parceria com a startup Humanizadas, criou o Índice de Maturidade de Bem-estar Corporativo (IMBC), criado a partir de 59 práticas que favorecem a saúde física, mental e social. Baseados nela, especialistas definiram cinco estágios que apontam em que grau de maturidade uma empresa se encontra, de acordo com suas políticas e práticas. (Você RH)

Trabalho híbrido, inteligência artificial e foco nas habilidades. Em 2022, várias tendências que cresceram durante a pandemia devem virar realidade no pós-Covid. Veja as 5 maiores mudanças para o ano que vem. (Forbes)

Viver


A Europa corre o risco de ter mais 700 mil mortos por covid-19 até março do ano vem, segundo estimativa da delegação regional da OMS. A entidade chama a atenção para a disparidade na vacinação entre os países. Já a médica brasileira Mariângela Simão, diretora na OMS, afirma que o mundo todo está entrando numa quarta onda da pandemia. (CNN Brasil)

Por via das dúvidas, pelo menos 70 cidades paulistas, incluindo estâncias climáticas, cancelaram o carnaval de 2022. Além dos riscos com a pandemia, as prefeituras alegam problemas financeiros para organizar a festa. (UOL)

Confira os dados atualizados de vacinação, casos e mortes por covid-19 no país. (g1)

A proposta de lei da União Europeia que pretende banir no bloco a importação de produtos que envolvam desmatamento acendeu a luz vermelha para agronegócio brasileiro. Ontem, a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja) acusou os europeus de fazerem “protecionismo comercial disfarçado de preocupação ambiental” e de afrontarem a “soberania nacional”. Entende-se o temor: entre 2000 e 2016, a soja foi responsável por 6% do desmatamento na Amazônia e 16,6% no cerrado. (Globo)

A Nasa lançou na madrugada de hoje, usando um foguete da Space X, uma sonda para colidir, em setembro do ano que vem, com o asteroide Dimorphos. O objetivo da missão e testar a capacidade de um impacto assim mudar a trajetória do objeto. Se funcionar, a tecnologia poderá ser usada para afastar corpos celestes em eventual rota de colisão com a Terra. (CNN Brasil)

Cultura


A equipe de Chico Buarque precisou vir a público ontem para desmentir que a clássica Eu Te Amo (Spotify), parceria dele e de Tom Jobim de 1980, tenha sido plagiada por Adele na canção To Be Loved (Spotify), no novo álbum 30 (Spotify). Fãs do compositor apontaram na internet a semelhança, mas no próprio Twitter surgiram explicações técnicas das diferenças. Adele já responde a uma ação do compositor Toninho Geraes, que a acusa de usar em Million Years Ago (Spotify), do álbum 25 (Spotify), trechos de Mulheres (Spotify), imortalizada por Martinho da Vila em 1995. (Globo)

Vencedor do Oscar e tido como um dos melhores atores de sua geração, Kevin Spacey caiu em desgraça em 2017 devido a uma série de acusações de abuso sexual, a primeira vinda do também ator Anthony Rapp, que tinha 14 anos na época do incidente. Agora, Spacey foi condenado a pagar uma indenização de US$ 31 milhões (R$ 174 milhões) à produtora MCR, criadora de House of Cards, celebrada série da Netflix que ele estrelava na época e da qual foi demitido. Os produtores alegaram que o escândalo manchou a imagem da série e que tiveram sérios prejuízos para reescrevê-la e filmá-la sem o protagonista, o inescrupuloso político Frank Underwood. (Ometele)

A nova estrela adolescente Olivia Rodrigo foi indicada para as quatro categorias mais importantes no Grammy, prêmio que a indústria fonográfica americana concede a seus melhores vendedores. A cantriz de 18 anos concorre como artista revelação, com o álbum (Sour), canção (Drivers Licence) e gravação (idem). O maior número de indicações ficou com o pianista Jon Batiste, que fez a trilha sonora do desenho animado Soul e disputa em 11 categorias, incluindo também álbum (We Are) e gravação (Freedom). (g1)

Cotidiano Digital


Então… A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu ontem que os condomínios podem proibir aluguéis de temporada de imóveis por meio do Airbnb. Os ministros analisaram um recurso apresentado pelo dono de uma casa em um condomínio de Londrina, no Paraná, que recorreu à Justiça depois que o condomínio proibiu aluguel de imóveis por menos de 90 dias. Segundo a alegação dos moradores, as locações realizadas por meio de plataformas digitais dispensam um contrato formal entre locador e locatário e prejudicam a segurança do espaço como um todo. Para o Airbnb, que é parte do processo, a proibição fere o princípio da propriedade e ignora o impacto econômico no setor. Só em 2019, as locações na plataforma movimentaram cerca de R$ 10,5 bilhões. (InfoMoney)

E um terreno virtual em Decentraland foi vendido a um recorde de US$ 2,4 milhões (R$ 13.460 milhões). A plataforma é um ambiente online, como um metaverso, em que os usuários podem comprar terrenos, visitar edifícios e interagir com outras pessoas. Decentraland usa a tecnologia blockchain cujos itens podem ser vendidos em NFT. (Época Negócios)

Meio em vídeo. Pedro Doria e Cora Rónai contam como a Motorola se reinventa mais uma vez ao criar o Motorola 312 Labs, um laboratório que visa a tecnologia do futuro. (YouTube)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



24 de novembro de 2021
Consultar edições passadas