Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



20 de junho de 2022
Consultar edições passadas



Onda de esquerda na AL faz mais um presidente, agora na Colômbia


O senador e ex-prefeito de Bogotá Gustavo Petro, de 62 anos, fez história ontem ao se tornar o primeiro político de esquerda eleito presidente da Colômbia. Mas foi apertado. Ele obteve 50,44% dos votos, vencendo o empresário conservador Rodolfo Hernández, que, embora fosse ex-prefeito da cidade de Bucaramanga, apresentava-se como um outsider da política. Na década de 1980 o presidente eleito integrou o grupo guerrilheiro M-19, até ser preso em 1985. Em 1990, participou da transformação da guerrilha em partido político e foi eleito deputado no ano seguinte. Essa é a terceira vez que tenta a presidência. A eleição é inédita também por levar ao poder, como vice, a primeira mulher negra na história do país, a advogada e ativista dos direitos humanos Francia Marquez. Líderes de diversos países da América Latina parabenizaram Petro, mas o governo brasileiro não se manifestou. (g1)

Apesar de ter sido apelidado de ‘Trump colombiano’, Hernández divulgou um vídeo reconhecendo prontamente a derrota. “Aceito o resultado, como deve ser se desejamos que nossas instituições sejam firmes. Espero sinceramente que esta decisão venha em benefício para todos e que a Colômbia se transforme. Desejo ao doutor Gustavo Petro que saiba dirigir o país e que seja fiel a seu discurso contra a corrupção”, disse o político de 77 anos. (Infobae)

Maurício Moura, do Instituto de Pesquisa Ideia: “A mensagem colombiana corrobora uma tendência consistente na América Latina moderna: está cada vez mais duro ser governo. Na Argentina, Mauricio Macri perdeu a reeleição porque seu governo era mais desaprovado que aprovado. Vale ressaltar que o argentino melhorou sua popularidade durante a campanha, mas não foi suficiente. Na Bolívia, o governo provisório, amplamente mal avaliado, amargou uma derrota. No Peru, dois candidatos amplamente (Pedro Castillo e Keiko Fujimori) contrários ao presidente em exercício foram ao segundo turno. Recentemente no Chile, o ex-líder estudantil e esquerdista Gabriel Boric, é claramente contrário ao ex-mandatário Sebastian Piñera. Portanto, na América Latina, buscar reeleição passou a ser sinônimo de viver na corda bamba. Mudança, acima de tudo, é o novo normal.” (Exame)

E a eleição legislativa na França acabou mal para o presidente Emmanuel Macron. Embora sua aliança de centro-direita, Juntos, tenha sido a mais votada, perdeu a maioria absoluta na Assembleia Nacional, obtendo 245 das 577 cadeiras. Em segundo veio a coligação de esquerda liderada por Jean-Luc Mélenchon, com 131 deputados, enquanto o partido de extrema-direita Reunião Nacional, de Marine Le Pen, saltou de oito para 89 assentos. Sem controlar o Legislativo, Macron terá de negociar para aprovar propostas como o aumento da idade para a aposentadoria e maior integração com a União Europeia, malvistas pelas outras forças na Assembleia. (CNN-Brasil)


A Polícia Federal informou ontem que está investigando outras cinco pessoas, além das três já presas, pelas mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. Os novos suspeitos, cujos nomes não foram revelados, teriam ajudado o ocultar os corpos. No sábado, a perícia concluiu que as vítimas foram mortas com tiros no tórax usando munição típica de caça, uma atividade ilegal comum no Vale do Javari (AM), onde ocorreu o crime. Também no sábado, a PF prendeu Jefferson da Silva Lima, conhecido como “Pelado da Dinha”, que teria participado do assassinato, e confirmou que os corpos encontrados pertenciam a Pereira e Phillips. (Poder360)

Na noite de ontem a Marinha localizou a lancha em que a dupla viajava quando foi morta. A embarcação estava afundada a 20 metros de profundidade no Rio Itacoaí, cheia de sacos de areia para que não flutuasse. O local foi indicado por Jefferson Lima. (g1)

Enquanto isso... Os funcionários da Funai prometem iniciar na quinta-feira uma greve. Eles querem a saída do presidente da instituição, Marcelo Augusto Xavier da Silva, acusado de promover uma gestão anti-indigenista e militarizar o órgão. (Congresso em Foco)

A Coordenadoria-geral de Índios Isolados, comandada por Bruno Pereira até setembro de 2019, está sem titular desde janeiro, conta a Coluna do Estadão. De acordo com servidores, Marcelo Xavier tem mantido interinos em cargos-chave para enfraquecer o corpo técnico da instituição. (Estadão)

Hoje, 21 das 39 coordenações da Funai são ocupadas por militares ou policiais. (Metrópoles)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) esteve sábado no Amazonas, mas ignorou as mortes do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. Em vez disso, participou, sem capacete, de uma motociata organizada por apoiadores em Manaus. A única referência ao crime, sem mencionar os nomes das vítimas, foi para “acusar” seu adversário Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de planejar impor o “desmatamento zero” na Amazônia. (Yahoo!)

Ainda em Manaus, mas em evento evangélico, o presidente negou que planeje um golpe e admitiu que, caso tomasse alguma “ação drástica” contra o STF, “seria herói por dois ou três dias”, mas levaria o país ao caos devido a represálias internacionais. (Poder36)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, mandou um ofício ao Ministério da Defesa dizendo que as sugestões enviadas pelos militares serão avaliadas para implementação nas eleições realizadas a partir do ano que vem. Em resposta ao pedido das Forças Armadas para uma reunião com técnicos do TSE, Fachin afirmou que eventuais dúvidas podem ser tiradas na reunião de hoje da Comissão de Transparência Eleitoral (CTE), na qual os militares têm assento. (Folha)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Kassio Nunes Marques fez turismo na França às custas do advogado Vinícius Peixoto Gonçalves, que atua em processos no Supremo e já foi investigado por suspeita de propina, segundo denúncia publicada pelo colunista Rodrigo Rangel. Acompanhado de ao menos um dos filhos, Kassio viajou no final de maio a Paris no jatinho Citation X de Gonçalves. Na França, assistiu à final da Champions League e a jogos do torneio de tênis de Roland Garros, além de esticar para Mônaco, onde ocorreu o GP de Fórmula 1. O custo estimado da viagem foi de R$ 250 mil. Por meio de sua assessoria, o ministro negou conhecer o advogado e ter as despesas pagas por ele, mas não explicou como nem porque viajou no avião de Gonçalves. (Metrópoles)


Terror na Amazônia

Orlando Pedroso

Terror no Amazonas 560

Nossa assinatura premium não tem pegadinha, daquelas que é mais barata nos primeiros meses e depois dá um salto, ou daquelas outras que você precisa falar com sei lá quantos atendentes para cancelar, precisa dar um tempo? É só ir em nosso site premium e cancelar, depois você pode voltar, quando quiser. Sempre pelo mesmo preço, mais barato do que um lanche na padaria. Assine.

Viver


Após dois anos acontecendo online por conta da covid-19, a Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo foi retomada ontem com toda a força neste domingo. Desde as 10h o público já se concentrava no MASP, na Avenida Paulista, que pegou fogo com os trios elétricos, em especial com um show de Pablo Vittar – que não gostou, com razão, de ser atingida na cabeça por um objeto jogado da multidão. O tema desta edição, a 26ª, foi a participação política da comunidade LGBTQIA+. “As travestis não são bagunça. Precisamos, sim, estar nos lugares de decisão desse país. Câmara, Senado. Aqui é mais amor e menos ódio”, disse a covereadora Carol Iara (PSOL). Confira as imagens da parada e a presença de famosos. (g1)

Enquanto isso... A Federação Nacional de Natação (Fina) determinou ontem que nadadoras trans que iniciaram a transição de gênero durante ou após a puberdade masculina não podem mais participar de competições femininas. A entidade anunciou que vai criar uma categoria própria para as atletas trans. O tema ganhou os holofotes por conta da americana Lia Thomas,  que participou de três temporadas de natação universitária como homem até iniciar a transição de gênero em 2019, aos 20 anos. Ela passou a dominar as competições femininas, sendo alvo de protesto de atletas. (BBC Brasil)

Embora ainda não tenha formalizado a liberação da quarta dose (ou segunda dose de reforço) da vacina contra covid-19 para os maiores de 40 anos, o Ministério da Saúde pretende estender a medida para todo acima de 18 anos. “Observando o comportamento do vírus, estamos caminhando para termos, pelo menos, um (segundo) reforço na população acima de 18 anos”, disse Daniel Pereira, secretário-executivo do ministério. (Globo)

Para ler com calma. O perfil religioso da América Latina está mudando, o que não quer dizer que a região tenha deixado de ser um dos grandes redutos do cristianismo no mundo. Pesquisa do Instituto Latinobarómetro mostra que, de 1995 para cá, o percentual de católicos entre os latino-americanos recuou de 80% para 56%, enquanto o de evangélicos pulou de 3,5% para 19,7%, puxado em grande parte pelo Brasil. Outro aumento expressivo foi dos que se dizem sem religião, que passaram de 5% para 15,9%. (Folha)

Cultura


Sir Paul McCartney completou 80 anos no sábado e comemorou dividindo o palco com Bruce Springsteen em Nova Jersey (YouTube). O impacto dos Beatles sobre a cultura mundial é tão intenso que nós às vezes esquecemos que Paul tem a mais sólida carreira solo entre os Fab Four. A fim de reparar essa injustiça, uma lista com suas 30 melhores canções, seja em álbuns próprios, seja à frente dos Wings. Alerta de spoiler: Live And Let Die (Spotify) não é a número um. (Global News e Guardian)

Para ler com calma. Fãs sempre foram cruciais para a popularidade dos artistas, e, por intermédio de fã-clubes, tinham uma sensação de pertencimento e proximidade com seus ídolos. Mas nada se compara ao que acontece hoje, num universo movido por redes sociais e algoritmos. Um bem-organizado movimento de fãs pode catapultar um artista para o topo da parada global do Spotify, por exemplo. Em contrapartida, os ídolos abrem a esses admiradores sua intimidade por meio de redes sociais de uma maneira sem precedentes. (Estadão)

Este foi um fim de semana triste para o cinema. Na sexta-feira morreu, aos 91 anos, o ator francês Jean-Louis Trintignant, um dos mais importantes intérpretes da nouvelle vague, movimento que revolucionou o cinema a partir do fim dos anos 1950. Era especializado em interpretar “homens comuns e imperfeitos”. A ponto de ser chamado pelo crítico americano Terrence Rafferty de “um dos melhores atores camuflados do cinema”. “Ele sabia como pegar a plateia de surpresa.” Trintignant, que brilhou em filmes como O Conformista (trailer), de Bernardo Bertolucci, e Um Homem, Uma Mulher (trailer), de Claude Lelouch, morreu de causas naturais. (New York Times)

O Brasil perdeu no sábado uma de suas mais belas atrizes. Ilka Soares morreu de câncer, aos 89 anos. Em 1947, com apenas 15 anos, ela entrou em um concurso de beleza, trabalhando como modelo para conseguir as roupas, e conheceu o fotógrafo e cineasta Ugo Lombardi, que a convidou para um papel no filme Iracema (1949). Sua carreira nas passarelas e nas telas não parou mais. Atuou em dezenas de filmes e novelas e foi casada com o diretor Anselmo Duarte e com o executivo de TV Walter Clark. (UOL)

Cotidiano Digital


Uma loja da Apple em Towson, Maryland, se tornou no sábado a primeira filial da gigante de tecnologia nos Estados Unidos a formar um sindicato trabalhista. Dos 110 funcionários, 65 votaram pela adesão à Associação Internacional de Maquinistas e Trabalhadores Aeroespaciais. A votação ocorreu após uma campanha do grupo de funcionários AppleCORE. Com a sindicalização, os trabalhadores esperam avançar em demandas por maiores salários, benefícios melhores e poder de negociação com empregadores sobre medidas de segurança contra a Covid-19. (The Washington Post)

A SpaceX, empresa aeroespacial fundada por Elon Musk, demitiu pelo menos cinco funcionários depois da divulgação de uma carta aberta com críticas ao bilionário. Em um e-mail, a presidente da SpaceX, Gwynne Shotwell, disse que a empresa havia investigado e “demitido vários funcionários envolvidos”. A carta, intitulada “uma carta aberta aos executivos da SpaceX” e redigida pelos colaboradores, chamava Musk de "distração e constrangimento” para a empresa e listava algumas demandas, como tornar a companhia mais inclusiva e separá-la da marca pessoal de Elon. (g1)

E o WhatsApp agora permite ocultar opções de perfil para contatos específicos da agenda. As melhorias ampliam o leque de privacidade do aplicativo de mensagens. Com o update, é possível esconder recursos como “Foto do perfil”, “Visto por último”, “Recado” e “Status”. Outro novo recurso possibilita silenciar usuários individuais durante as chamadas em grupo. Saiba como utilizar. (TechTudo)

Você já conhece o Pioneiros? O programa de membros traz vários benefícios a quem indica o Meio para os amigos. De newsletter exclusiva a ecobags personalizadas. Faça parte do Pioneiros. Não custa nada.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



20 de junho de 2022
Consultar edições passadas