Milei confirma venda de petrolífera e fim do BC

Em seu primeiro dia como presidente eleito da Argentina, Javier Milei reafirmou um de seus principais compromissos de campanha: fechar o Banco Central e adotar um amplo programa de privatizações. A petrolífera YPF está na lista, mas, antes, será reestruturada para aumentar seu valor. Após o anúncio, as ações da estatal chegaram a saltar 40% na Bolsa de Nova York. Toda a área de comunicação do governo também será privatizada. “Tudo que puder estar nas mãos do setor privado vai estar”, afirmou. Milei anunciou ainda os primeiros nomes da equipe: o advogado criminalista Mariano Cúneo Libarona no Ministério da Justiça e Carolina Píparo na Agência Nacional de Seguridade Social (Anses). Horas depois, seu time divulgou comunicado dizendo que “não haverá anúncios” sobre o futuro gabinete até a posse, em 10 de dezembro, além de destacar que o atual ministro da Economia, Sergio Massa, e o presidente Alberto Fernández, “são constitucionalmente responsáveis pela situação dos argentinos”. Fontes do partido vencedor dizem que o novo titular da Economia está escolhido e já trabalha nos bastidores. Milei também aproveitou o dia para falar com líderes estrangeiros e informou que vai aos Estados Unidos e a Israel antes da posse. (La Nación)

Em meio à tensão sobre a transição política, o governo definiu medidas para evitar problemas cambiais e financeiros hoje – ontem foi feriado no país vizinho. A abertura do mercado será normal, o dólar de exportação, que expirou na última sexta-feira, será prorrogado com melhora de 20% no câmbio e o Banco Central — ameaçado por Milei — honrará o pagamento dos títulos do governo. (Clarín)

Governar sem maioria um país em crise. Esse é o desafio de Milei, que propôs mudanças radicais. Especialistas preveem que sua plataforma eleitoral entrará em conflito com o sistema de pesos e contrapesos da democracia argentina, uma vez que ele não terá parlamentares o suficiente no Congresso e precisará negociar com rivais que insultou na campanha. (BBC News Brasil)

Meio em vídeo. Milei é de extrema direita ou da direita radical? Quer compreender a diferença? Porque ainda não está claro. Ele pode ser Bolsonaro, mas pode ser só Jânio Quadros. Veja o que pensa Pedro Doria no Ponto de Partida. (YouTube)

Embora tenha publicado nas redes sociais um elogio ao processo democrático argentino, o presidente Lula não mencionou o eleito Javier Milei nem lhe telefonou para dar os parabéns. Segundo o ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação (Secom) da presidência, Milei é que deveria ligar antes se desculpando por “ofender gratuitamente” o brasileiro. “Cabe a ele o gesto, como presidente eleito, de ligar para se desculpar.” (Poder360)

Enquanto isso... O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse ter sido convidado pessoalmente por Milei para a posse e que pretende ir ao evento, em 10 de dezembro. Os dois são aliados de longa data, com o argentino tendo participado ativamente da campanha presidencial brasileira em 2022, chamando o então candidato Lula de “presidiário” e “comunista”. Este ano, aliados de Bolsonaro, incluindo o filho Zero Três, o deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP), se engajaram na campanha argentina. (Estadão)

Diplomatas brasileiros indicaram que o governo deve enviar o vice-presidente Geraldo Alckmin à posse. Para os diplomatas, o momento é de “acomodação” e espera dos nomes dos ministros. Já o convite feito por Milei a Bolsonaro foi visto como um indicativo de que não haverá pragmatismo na política externa argentina. (CNN Brasil)

Representantes de diversos setores da economia brasileira não acreditam numa ruptura, como Milei defendeu na campanha. O Brasil e o Mercosul são muito importantes para a Argentina e a possibilidade de saída do acordo é vista com ceticismo. As exportações e importações entre os dois países movimentam cerca de US$ 30 bilhões por ano, e o Brasil é o segundo maior parceiro da Argentina, atrás apenas da China. (Globo)

O líder do grupo terrorista Hamas, Ismail Haniyeh, disse na manhã de hoje, via Telegram, que um acordo de trégua com Israel mediado pelo Catar “está próximo”, sem entrar em detalhes sobre os termos ou a duração de um eventual cessar-fogo na guerra em Gaza. A declaração vai ao encontro do que disse ontem o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, sobre as negociações estarem “perto do fim”. Segundo fontes, estão previstas uma pausa nas hostilidades em troca da devolução de alguns dos mais de 200 reféns tomados pelo Hamas durante os ataques terroristas em Israel no dia 7 de outubro, que deixaram 1.200 mortos, a maioria civis. (CNN)

Chegaram ontem ao Egito para receber tratamento médico 28 bebês prematuros retirados do hospital al-Shifa, ocupado por militares de Israel. O Ministério da Saúde egípcio deslocou equipes, incluindo o próprio ministro, para o aeroporto de El Arish. Outras três crianças prematuras permanecem em Rafah. Segundo Mohamed Salama, chefe da unidade neonatal do hospital onde estão os bebês, um deles não foi identificado, e, como está estável, o Ministério da Saúde de Gaza decidiu não enviá-lo ao Egito. Outros dois não tiveram as transferências autorizadas pelas famílias. (BBC)

O presidente Lula deve vetar o projeto que prorroga até 2027 a desoneração da folha de pagamentos dos 17 setores que mais empregam no país, disseram fontes à Coluna do Estadão. Se a decisão for confirmada, representará uma nova vitória política do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que recomendou o veto. Na semana passada, Haddad convenceu Lula a manter a meta fiscal de 2024 em déficit zero, deixando uma possível mudança para o ano que vem. Apesar da resistência do Congresso ao veto, Lula aposta no apoio de parlamentares por motivos eleitorais. Sem atuar pela pauta arrecadatória, os congressistas podem forçar o Executivo a fazer bloqueios para atingir a meta fiscal, afetando emendas parlamentares em pleno ano eleitoral. O prazo para vetar ou sancionar o projeto termina nesta quinta-feira. (Estadão)

A Inteligência Artificial já tomou conta de tudo. Ela não vai tomar o seu emprego, mas profissionais que dominam ferramentas de IA estarão muito mais bem qualificados para o mercado do que aqueles que não sabem o que é um prompt.

Viver

Quer dar um up no seu inglês e ampliar suas chances de sucesso profissional? Aproveite a Black Friday do Cambly para começar a estudar inglês com o menor preço que eles já ofereceram: planos a partir de R$8/aula. No Cambly você estuda em aulas ao vivo com tutores nativos, individualmente ou em grupos de até três pessoas, com uma metodologia que te expõe de forma frequente ao inglês da vida real e acelera a conquista da fluência. Não perca: R$ 8/aula é mais barato que um cafezinho. Mas é só até sexta! CORRA, ou melhor, RUN!

O mundo ultrapassou temporariamente, na última sexta-feira, o limite de aquecimento que os cientistas classificam como catastrófico: 2°C acima dos níveis pré-industriais, quando teve início a queima em larga escala de combustíveis fósseis. A informação foi divulgada no X por Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço Copérnico de Mudança Climática, ligado à União Europeia. Como o pico de temperatura foi breve, não significa que esse aquecimento seja permanente, mas mostra que o planeta está ficando cada vez mais quente e se aproximando de uma condição irreversível. Segundo Burgess, a temperatura global na última sexta-feira foi 1,17ºC acima dos níveis de 1990-2020, o que já indica um acelerado aquecimento recente. (CNN)

Mesmo sendo a maioria da população (57%), os negros têm os piores índices de saúde, segundo boletim do Ministério da Saúde com dados de 2010 a 2020. Pretos e pardos têm as maiores taxas de mortalidade materna e infantil, os piores índices de doenças crônicas e infecciosas, acesso a atendimentos de saúde e alimentação. Segundo a médica Denize Ornelas, do grupo de trabalho de saúde da população negra da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, as causas são multifatoriais, como diversas formas de racismo e diferenças no atendimento entre negros e não negros no sistema privado de saúde. (Folha)

Panelinha no Meio. O pão é de cada dia e do dia seguinte também. Com ovos, leite, tomate e queijo, aquele pão dormido vira uma strata, uma torta que os italianos inventaram para o café da manhã, mas que também faz bonito no almoço e no jantar.

O Meio tem mais de 14 mil assinantes premium, cada um pagando R$ 15 para ter conteúdo exclusivo (edição de sábado, artigos de política e economia) e outras vantagens. Toda essa grana é transformada em mais conteúdo. Investimos muito para que você leia, ouça e assista o Meio onde estiver, como quiser, porque acreditamos que o jornalismo no Século 21 deve ser assim. São quase 200 mil newsletters entregues todo dia. Todo mês, são mais de 150 mil horas de vídeos assistidas e mais de 38 mil ouvintes únicos de nossos podcasts. Seja premium e garanta que essa produção toda seja ainda maior.

Cultura

Baseado em uma série de ensaios sobre filmes dos anos 1970, Especulações Cinematográficas, livro de Quentin Tarantino, deve chegar ao Brasil em 11 de dezembro, pela editora Intrínseca. Cinéfilo desde criança, o prestigiado diretor conta que acompanhava sua mãe em sessões de filmes que as crianças não costumavam frequentar, como O Poderoso Chefão (1972). Ao questionar o motivo, ouviu de sua genitora que “um filme não ia fazer mal algum”. Desde então, Tarantino parece ter seguido a orientação, produzindo filmes famosos pela brutalidade e violência. A obra de 400 páginas deve ser o prenúncio de seu último longa-metragem, The Movie Critic (O Crítico de Cinema). (Estadão)

Após três anos fechado, o Museu da Cultura Afro-Brasileira reabre, no Centro Histórico de Salvador, com a exposição coletiva Um Defeito de Cor, baseada no livro homônimo de Ana Maria Gonçalves, que divide a curadoria com Marcelo Campos e Amanda Bonan. A obra, que também será tema da Portela no próximo Carnaval do Rio de Janeiro, teve a divisão original preservada, com dez capítulos. No museu, dez ambientes tratam de temas como a resistência dos quilombos, as revoltas populares no Brasil Império e o sincretismo religioso. Em cartaz até março, a exposição estreou no Museu de Arte do Rio e conta com cerca de 350 trabalhos de cem artistas de Brasil, África e das Américas. (Folha)

E quem estiver em São Paulo hoje não pode perder o lançamento de Charges, Cartuns e Ilustrações, novo livro do nosso Orlando Pedroso. São, na verdade, dois volumes de 100 páginas cada no mesmo corpo. O primeiro, com prefácio de Spacca, traz charges publicadas, em sua maioria na Folha, entre o fim dos anos 1980 e o início dos 2000. Já o segundo reúne material feito prioritariamente para as redes, prefaciado por Mariliz Pereira Jorge. Orlando vai autografar o livro a partir das 19h, no Bar Canto Madalena, na Rua Medeiros de Albuquerque, 471. Passe lá.

Cotidiano Digital

A transferência de Sam Altman para a Microsoft, após sua demissão repentina da OpenAI, pode não estar concluída. Fontes ouvidas pelo Verge disseram que ele e o cofundador da companhia Greg Brockman estão dispostos a voltar, caso os membros do conselho que o demitiram sejam afastados. A pressão sobre dois dos três conselheiros, que precisam mudar seu voto a respeito de Altman, ficou ainda maior com a ameaça de debandada em massa de mais de 500 funcionários, caso o ex-CEO não seja reconduzido ao cargo. Ontem, o membro do conselho e cientista-chefe Ilya Sutskever enviou uma carta aberta pedindo sua renúncia e a reintegração de Altman, que já foi assinada por quase toda a empresa. Além de Altman e Brockman, os investidores da OpenAI buscam uma saída honrosa para o conselho. A tática de anunciar um laboratório para ele comandar na Microsoft teria sido uma maneira de acalmar os ânimos do mercado. (The Verge)

Meio em vídeo. Pedro Doria e Cora Rónai discutem a absurda e surpreendente demissão de Altman. O futuro da OpenAI e do ChatGPT corre risco? Confira a resposta em Pedro+Cora. (YouTube)

Grandes anunciantes como Apple, Comcast, Disney e IBM deixaram de anunciar no X depois que o CEO Elon Musk enfatizou teorias conspiratórias antissemitas na plataforma. Desde sexta-feira, importantes companhias pausaram seus gastos em publicidade, após Musk concordar e chamar de “verdade” uma postagem antissemita, na semana passada. Media Matters for America, um órgão de vigilância da mídia, publicou um relatório mostrando como os anúncios dessas companhias apareciam ao lado de postagens que elogiavam a ideologia nazista. (TechCrunch)

Fentanil é a droga que desencadeou a terceira crise dos opióides nos EUA, tema recorrente nos discursos dos pré-candidatos a presidente, sejam eles republicanos ou democratas. Quer saber mais sobre essa história que envolve a indústria farmacêutica, empresas chinesas e cartéis mexicanos, causando milhares de mortes por ano? Assista o Meio Explica desta semana.

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.