Startups no Vale do Silício entram no mercado da guerra

Receba notícias todo dia no seu e-mail.

Assine agora. É grátis.

Há um tempo, os profissionais de tecnologia não gostavam de aplicar o conceito de agilidade e rapidez das startups para criar armas de guerra. Mas, isso parece ter mudado com centenas de jovens brilhantes desembarcando neste fim de semana no Vale do Silício para um hackaton – concurso no qual programadores competem para criar software – com o objetivo de desenvolver ferramentas de vigilância e sistemas de guerra eletrônica. A mudança cultural desse setor teria sido provocada pelas ameaças econômicas e geopolíticas e a crescente militarização da China. Parte dessa nova safra de trabalhadores acredita que esse novo mercado é um chamado mais elevado de extensão dos ideais americanos para o próximo século. E já existem ao menos três dúzias de investidores para essas organizações, que já conta com ao menos sete unicórnios (avaliadas em mais de US$ 1 bilhão). De acordo com a empresa de dados PitchBook, os investidores injetaram US$ 108 bilhões para companhias tecnológicas de defesa entre 2021 e 2023 para a construção de ferramentas de ponta, como mísseis hipersônicos, wearables que melhoram o desempenho e sistemas de vigilância por satélite. (Estadão)

PUBLICIDADE

Encontrou algum problema no site? Entre em contato.