Pedro Doria

Editor-chefe do Meio. É também figura fácil no Twitter e Instagram. Colunista de O Globo, O Estado de S. Paulo e da CBN. Foi editor-executivo do Globo e editor-chefe de digitais do Estadão, além de colunista da Folha de S. Paulo. Knight Fellow pela Universidade de Stanford. É autor de oito livros, a maioria sobre história do Brasil.

Musk está errado. O STF também

Sabe qual o problema do debate que Elon Musk de um lado e o ministro Alexandre de Moraes do outro? O problema é que nada dessa discussão tá no lugar. Nem Musk é defensor da livre expressão nem o Supremo pode sair calando a boca das pessoas sem explicar quem e por quê.

Afinal, para que serve imprensa?

Qual o lugar do jornalismo no mundo digital com a democracia em crise? A imparcialidade jornalística quer dizer o quê? É um mito? Por que tantos misturam jornalismo com propaganda de grupos políticos? São temas que não vão embora.

Trending topics no Threads

No Pedro+Cora de hoje (04), Pedro Doria e Cora Rónai discutem a novidade do Threads que após muitos pedidos, lançará o feature de trending topics. Nossos apresentadores também revelam que estão cansados de redes sociais, um fenômeno recorrente, e explicam porque. Vem!

Essa imprensa não me serve mais

Vamos entrar na cabeça de jornalista? Deixa eu ler alguns comentários do último vídeo, aqui.

Supremo forma maioria contra tese sobre artigo 142

Mote de diversas manifestações golpistas, que pediam por "intervenção militar constitucional" com base no artigo 142 da Constituição, a tese do "poder moderador" foi derrubada pela Suprema Corte, que formou maioria contrária à interpretação de que as Forças Armadas tutelam o poder civil. No #MesaDoMeio desta terça (2), Pedro Doria, Mariliz Pereira Jorge e Christian Lynch analisam o julgamento e as interpretações que levaram muita gente às ruas em busca de uma ruptura democrática. O trio também se debruça sobre o julgamento que pode levar à cassação do senador Sergio Moro (União-PR) por abuso de poder econômico.

O Gmail completa 20 anos

O Gmail, serviço de e-mail do Google, foi lançado dia primeiro de abril de 2004. Ele foi responsável por revolucionar como nós usamos e-mail e revolucionar a internet como um todo. Pedro Doria e Cora Rónai relembram o lançamento e explicam como o Gmail mudou a maneira como usamos e-mail.

Janja cruzou a linha feio

A notícia é do jornalista Lauro Jardim, ele a deu ontem, no domingo dia 31. A primeira-dama, Janja Lula da Silva, pressionou o procurador da República Francisco Falcão. Ela o pressionou para que pedisse à Justiça que o jogador Robinho, condenado por estupro na Itália, cumprisse a pena aqui no Brasil.

O Brasil precisa lembrar o golpe

Neste domingo o golpe militar de 1964 completa 60 anos. Durante algumas décadas a gente teve uma disputa quase implicante entre esquerda e direita em que a data por lembrar dizia em que lado você estava. Se era contra a derrubada do presidente João Goulart, falava do golpe militar de 1º de abril de 1964.

“Nunca para de doer”, diz Miriam Leitão sobre prisão na Ditadura

Na semana dos 60 anos do golpe militar de 1964, Pedro Doria recebe Miriam Leitão, presa e torturada grávida durante o regime militar. A jornalista, que relança o livro "Tempos Extremos" (Intrínseca) 10 anos depois, detalha o contexto do Brasil no início da década de 1970 e o período em que esteve sob custódia dos militares. Ela ainda comenta os atos golpistas de 8 de janeiro de 2023 sob a perspectiva de quem foi vítima do último regime de exceção brasileiro.

Refúgio em embaixada da Hungria; as últimas do caso Marielle; Vini Jr. e o racismo

No #MesaDoMeio desta terça (26), Pedro Doria, Mariliz Pereira Jorge e Christian Lynch debatem a estadia de Jair Bolsonaro na embaixada húngara, revelada pelo New York Times, logo após a apreensão de seus passaportes pela Polícia Federal a mando do Supremo. O ex-presidente alega que esteve lá para "manter contato" com autoridades do país europeu, mas o STF, enxerga uma possível intenção de fuga do líder da extrema direita em meio às investigações da tentativa de golpe de Estado pós-eleições. O trio tambem se debruça sobre o caso Marielle Franco, cujo desfecho se mostra mais próximo com a prisão dos irmãos Brazão, indicados como mandantes do crime pelo matador de aluguel Ronnie Lessa, além do racismo enfrentado por Vinicius Jr. e a espetacularização de manifestações discriminatórias.