Pedro Doria

Editor-chefe do Meio. É também figura fácil no Twitter e Instagram. Colunista de O Globo, O Estado de S. Paulo e da CBN. Foi editor-executivo do Globo e editor-chefe de digitais do Estadão, além de colunista da Folha de S. Paulo. Knight Fellow pela Universidade de Stanford. É autor de oito livros, a maioria sobre história do Brasil.

Usando IA nas eleições

Ontem à noite, o Tribunal Superior Eleitoral aprovou regras para o uso de inteligência artificial durante as eleições. Elas são particularmente rígidas. Mas é difícil fazer regras do zero para uma tecnologia muito nova. E, de regras, a gente precisa. Quem deveria fazer essas regras é o Congresso Nacional. Mas cadê Congresso? Inoperante. Não avança com essas questões.

Bolsonaro, do ato de domingo ao depoimento sobre importunação à baleia

Quatro dias depois de se calar à PF, Jair Bolsonaro se abriu para a Avenida Paulista. Na manifestação convocada como demonstração de força do bolsonarismo, o ex-presidente admitiu que sabia da minuta do golpe e que planejava alterar o resultado das eleições com uma intervenção no TSE. No #MesaDoMeio desta terça, Pedro Doria, Mariliz Pereira Jorge e Christian Lynch avaliam a estratégia de Bolsonaro, que também é alvo de investigação por ter supostamente importunado uma baleia no litoral paulista, em 2023.

A Inteligência Artificial não tão inteligente do Google

O Gemini, modelo de Inteligência Artificial do Google, recentemente fez explodir a internet ao gerar imagens retratando tropas da era nazista com pessoas de diversas origens étnicas. No Pedro+Cora de hoje, Pedro Doria e Cora Rónai se aprofundam no caso. Você sabe o que é alinhamento? Assiste que você irá entender tudo que está acontecendo.

O tamanho do Bolsonarismo

Muita gente nas redes de esquerda está fazendo pouco da grande manifestação que o bolsonarismo promoveu no domingo. Isso é um erro que pode ser muito grave.

Manifestação convocada por Bolsonaro reúne aliados na Paulista

O ex-presidente Jair Bolsonaro participou neste domingo (25) de uma manifestação na Avenida Paulista em que buscou mostrar apoio popular em meio às investigações contra ele. Ao vivo, neste #MesaDoMeio especial, Pedro Doria, Mariliz Pereira Jorge e Christian Lynch recebem a editora executiva do Meio, Flávia Tavares, que acompanhanou a movimentação e os discursos direto do ato, em São Paulo.

Paz entre Israel e Palestina

Hoje é sexta-feira, dia de responder os comentários de vocês. No programa de hoje, Pedro Doria faz um importante retrospecto histórico sobre o conflito Israel-Palestina.

Bolsonarismo em semana de alta

Ontem, quando já era tarde da noite, o Senado aprovou um projeto de lei que limita muito as saídas temporárias de presos no Brasil. Projeto relatado por Flávio Bolsonaro, tá? E é importante a gente entender o que aconteceu ali por um motivo que vai muito além do debate sobre segurança pública. O que o Senado mostrou, ontem, é o tamanho do peso do voto de direita, do voto conservador, no cenário político do Brasil. Porque, dos 81 senadores, 62 votaram a favor, dois votaram contra, e o resto preferiu não dar as caras.

O tamanho do problema do Lula

No #MesaDoMeio desta terça (20), Pedro Doria, Mariliz Pereira Jorge e Christian Lynch comentam sobre a crise diplomática com Israel após Lula comparar o que está acontecendo em Gaza com o Holocausto. Além disso, o trio se debruça sobre o depoimento do ex-presidente Bolsonaro, marcado para a próxima quinta-feira (22) no caso que apura uma suposta organização criminosa para elaborar um golpe de Estado.

Sora, a nova revolução da IA

A OpenIA de Sam Altman apresentou ao mundo a Sora. Um gerador de vídeo com uso de Inteligência Artificial que promete revolucionar, mais uma vez, o mundo. Pedro Doria e Córa Ronai discutem o significado desse lançamento. Como será a relação que a população terá com imagens e vídeos daqui pra frente? O que isso significa para o mercado audiovisual?

Lula não entendeu quem foi Hitler

Existe um motivo pelo qual nunca nenhum político responsável, nenhum diplomata, jamais compara qualquer ato que esteja ocorrendo com o Holocausto. É porque nada se compara com o Holocausto. Nem genocídios unanimamente considerados genocídios por todos os lados, como o do Camboja durante o governo Pol Pot, nem estes são comparados com o Holocausto.