Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.





6 de agosto de 2019
Consultar edições passadas

Os assinantes do Meio em endereços no domínio @yahoo.com não receberam ontem a newsletter. Pelo que isolamos do problema, os filtros de inteligência artificial do portal consideraram ofensiva a maneira como descrevemos o tipo de equipamento que carregavam os assassinos das chacinas americanas deste último fim de semana. A censura nos parece involuntária — um bug, o algoritmo que por excesso de zelo não gostou da realidade. Aos leitores afetados, pedimos desculpas. Como sempre ocorre, a edição pode ser lida no site do Meio.


Bolsonaro condiciona verba ao Nordeste a apoio de governadores


O presidente Jair Bolsonaro voltou à carga contra os governadores do Nordeste, afirmando que a maioria deles quer “implementar a divisão contra o resto do país”. Bolsonaro deu essa declaração após participar da inauguração de uma usina de energia em Sobradinho (BA), sem a presença do governador baiano Rui Costa (PT). Na mesma ocasião ele deixou claro que o governo federal só vai liberar recursos se os governadores “reconhecerem que estão trabalhando com Jair Bolsonaro”. Caso contrário, afirmou, vai tratar direto com prefeitos. Este ano somente 2,2% dos novos empréstimos da Caixa para estados foram concedidos à região. (Estadão)

Segundo o Painel, da Folha, a ala majoritária do PT quer que os governadores do Nordeste assumam a linha de frente na oposição a Bolsonaro. Eles, discretamente, desconversam. (Folha)

Míriam Leitão: “O estilo de o presidente Jair Bolsonaro governar afeta a economia negativamente. Ele é um governante sem foco na agenda positiva e obsessivo em criar conflitos. Isso aumenta a desconfiança do investidor da economia real, que já está retraído por causa do longo período de crise.” (Globo)

“Os caras vão morrer na rua igual barata. E tem que ser assim.” Esse é o resultado que o presidente Jair Bolsonaro espera do projeto que promete enviar ao Congresso para dar “retaguarda jurídica” a policiais que matarem em serviço. Em entrevista à jornalista Leda Nagle no YouTube (veja aqui a íntegra), disse que só o fato de ele estar no governo já reduziu a violência em 24% (baseado em dados levantados pelo G1). Acontece é que o “excludente de ilicitude”, termo pra a isenção de responsabilidade dos policiais, já está previsto no pacote anticrime enviado ao Congresso pelo ministro Sérgio Moro. E é justamente o ponto que mais enfrenta resistência entre deputados e senadores. (Globo)

Ranier Bragon: “É compreensível a alguém que se depare com um crime atroz ter ganas mortais contra o agressor. Jamais o Estado, sob pena de se igualar aos facínoras. Ao puni-lo de acordo com a lei, demonstra a superioridade e a evolução da civilização através dos séculos. Criminosos já morrem como baratas em ruas e presídios, em números crescentes, e alguém tem se sentido mais confiante para andar pelas ruas das metrópoles do país?” (Estadão)

Por falar no pacote anticrime, a campanha publicitária de apoio ao projeto foi vetada pela Secretaria de Comunicação do Planalto, segundo conta a colunista Bela Megale, no Globo. A peça em questão trazia o depoimento de Dirceu Moreira Brandão Filho, vítima de um crime que levou o STF mudar o entendimento sobre prisão após julgamento em segunda instância, um dos temas que Moro quer transformar em lei. O problema é que o crime, uma tentativa de homicídio, foi cometido por um fazendeiro. Além de “manchar a imagem” dos ruralistas, a propaganda ia contra uma das bandeiras do governo Bolsonaro, que é facilitar o acesso dos donos de terras a armas. (Globo)

No melhor estilo “velha política”, Bolsonaro vai nomear para o Cade dois apadrinhados do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). São os senadores, vale lembrar, que baterão o martelo sobre a embaixada no EUA para o filho 03 do presidente. (Folha)

O coronel da Aeronáutica Darcton Policarpo Damião vai assumir interinamente o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) até que seja escolhido o substituto definitivo para Ricardo Galvão, demitido pós reagir a críticas de Jair Bolsonaro aos dados sobre desmatamento. Damião é formado em Ciências Aeronáuticas na Academia da Força Aérea (AFA), tem mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Inpe e doutorado em Desenvolvimento Sustentável na Universidade de Brasília (UnB).

Em evento na Bahia, Bolsonaro reagiu às críticas envolvendo a demissão de Galvão dizendo que "maus brasileiros" usam "números mentirosos" para fazer "campanha contra nossa Amazônia".

Bernardo Mello Franco: “A tática presidencial não é nova. Todo líder com vocação autoritária apela ao patriotismo para se esquivar de críticas. De acordo com essa lógica, quem discorda do governo é traidor da pátria. Quem ama o país tem o dever de apoiar os governantes, mesmo quando estão errados.” (Globo)

A Caixa Econômica Federal informou o calendário de saques do FGTS e do Fundo PIS-Pasep. Os saques começam pela modalidade de retirada de até R$ 500. O cronograma de saques depende da data de aniversário do trabalhador e segue até o dia 31 de março de 2020. Veja o calendário completo.


Em resposta aos massacres que deixaram 31 mortos no fim de semana, o presidente americano Donald Trump fez um discurso em que condenou a ação de supremacistas brancos, mas passou ao largo de questões como controle de armas. Também não se desculpou por sua retórica contra imigrantes, apontada como estímulo à ação desses extremistas. Em vez disso, disse que os autores desses crimes eram pessoas com problemas mentais e, mais tarde, conclamou o Congresso a combater a cultura de “videogames violentos”. (New York Times)

Nascido em El Paso, Texas, palco da chacina de sábado, o pré-candidato democrata Beto O’Rourke não poupou críticas nem palavrões ao se referir a Trump. Perguntado o que o presidente poderia fazer para “melhorar a situação”, O’Rourke respondeu: “Que porra de pergunta é essa? Ele não está tolerando o racismo, está incentivando o racismo. Não está combatendo a violência, está estimulando a violência.” Veja o vídeo no Twitter da revista americana Mother Jones.

Após uma aparente distensão no início do mês passado, Estados Unidos e China retomaram com toda a força a guerra comercial, e as bolsas do mundo estão pagando o preço. Em retaliação a tarifas impostas pelos EUA a importações chinesas, Pequim proibiu a compra de produtos agrícolas americanos e ainda desvalorizou sua moeda, o yuan, ao menor nível desde 2008. O conflito derrubou os mercados, com a Nasdaq e o Dow Jones, ambos em Nova York, caindo 3,47% e 2,89%, respectivamente. No Brasil, além de o Ibovespa caiu 2,51%, e o dólar atingiu R$ 3,9561, a maior cotação em dois meses.

O Departamento do Tesouro dos EUA acusou oficialmente a China de manipular seu câmbio, indicando que não há trégua no horizonte dessa guerra. (New York Times)

E o governo americano radicalizou contra o regime de Nicolas Maduro. Por ordem de Donald Trump, todos os bens da Venezuela nos EUA foram congelados e as transações comerciais com o país suspensas. Ficam de fora do embargo 21 organizações internacionais e não-governamentais para serviços como bens humanitários, correspondência, alimentos, remédios e internet.

Por falar na Venezuela... enquanto milhões já deixaram o país, aqueles que lá permaneceram – e possuem condições pra isso – geralmente importam produtos essenciais utilizando transportadoras como FedEx e Amazon Prime. Cao Sanchez, um fotógrafo que mora em Caracas, examinou esse processo em uma série fotográfica com mulheres (EUA).

dasa_1

HealthTech


Avaliação de exames complexos é uma das áreas de maior potencial para a inteligência artificial e o machine learning na medicina. Um projeto desenvolvido na Universidade de Nova York promete usar a TI para minimizar um dos grandes problemas no diagnóstico do câncer de mama, o falso diagnóstico positivo em mamografias – que normalmente implica a repetição do exame, tão caro quanto desconfortável. Empresas como a IBM também pesquisam esse campo, mas seus modelos, baseados num único exame, também são falhos. A novidade é que o sistema da universidade analisa um histórico de testes anteriores, melhorando a precisão para identificar a presença e malignidade de um tumor. Em tempo, o câncer de mama é o segundo que mais mata mulheres nos EUA.

Keven Walgamott teve o braço esquerdo amputado abaixo do cotovelo devido a um acidente há 17 anos. Próteses convencionais o ajudaram a recuperar alguns movimentos, mas agora ele conseguiu de volta algo que imaginava ter perdido para sempre: o tato. Ao longo de 15 anos, uma equipe da Universidade de Utah, nos EUA, desenvolveu um sistema de eletrodos que foram conectados aos nervos restantes no braço mutilado de Keven. Eles captam as mensagens de cérebro e reproduzem movimentos sutis, como pegar uma uva ou descascar uma banana, e enviam de volta 119 diferentes sensações de tato captadas por 19 sensores. Com os olhos fechados, ele é capaz de identificar a forma e a consistência de objetos. O próximo passo, que talvez não seja tão agradável, é transmitir informações como temperatura e dor. Talvez no futuro Keven seja a primeira pessoa a ter uma mão verdadeiramente biônica.

Já está disponível nos EUA (para quem tem a bagatela de US$ 499) o Omron Healthcare, um relógio de pulso capaz de medir a pressão arterial do usuário. É o primeiro modelo do tipo a receber a aprovação oficial do FDA, a Anvisa americana. Cerca de 1/3 dos americanos sofrem de hipertensão, uma doença tão mortífera quanto discreta.

Cultura


A Tina, personagem do universo Maurício de Sousa, pede respeito na sua primeira graphic novel. O que, surpreendentemente, pero no mucho, provocou 'polêmicas'. A geekmaids fez uma thread interessante sobre o assunto. Neste vídeo, Míriam Castro, a Mikannn, fala mais sobre a evolução da personagem. Com lançamento previsto para setembro, Tina: Respeito foi feita pela quadrinista Fefê Torquato e as primeiras imagens foram divulgadas pelo editor do selo, Sidney Gusman.

E a série brasileira Pico da Neblina estreou na HBO em mais de 70 países. O cenário: um Brasil onde é possível fumar e vender maconha legalmente. “Não apela, ao menos em princípio, para a utopia de um país onde a regulamentação do comércio e do uso da maconha resolveu todos os problemas relacionados a segurança pública”. Pelo contrário. O protagonista que mora na periferia de São Paulo decide empregar os conhecimentos adquiridos com a venda de drogas para abrir um negócio dentro da lei com um investidor da classe alta paulistana. Além de lidar com a inexperiência de seu sócio e as armadilhas do mundo corporativo, Biriba terá que encarar também seu passado. As contradições e conflitos de um país marcado pela violência e pela desigualdade persistem. A direção geral é de Quico Meirelles e os cineastas Fernando Meirelles, Luiz Carone e Rodrigo Pasavento também dirigem alguns episódios. A obra foi escrita por Chico Mattoso, Cauê Laratta, Mariana Trench e Marcelo Starobinas.

6 de agosto de 1928. Nascia Andy Warhol. Em tempos de redes sociais, influenciadores e celebridades instantâneas, é preciso reconhecer que ele tinha mesmo razão sobre os 15 minutos de fama. Neste vídeo, o norte-americano leva quatro minutos comendo um hambúrguer sem dizer uma palavra. E simplesmente por ser Warhol, nós assistimos.

Viver


A Via Láctea é "torta" e "retorcida", e não plana como se pensava anteriormente. A conclusão é de um estudo publicado na revista Science. A imagem popular da nossa galáxia como um disco plano baseia-se na observação de apenas 2,5 milhões de estrelas - de um total que pode chegar a 2,5 bilhões. Astrônomos da Universidade de Varsóvia especulam que ela pode ter sido distorcida por interações passadas com galáxias próximas.

Para ler com calma. Vinicius Sassine, repórter do jornal O Globo, conta os bastidores da incursão, por quatro dias, na terra dos ianomâmi, em Roraima, uma terra onde a lei que impera é a da extração clandestina do ouro.

Ginastas brasileiras comemoram a conquista da medalha de ouro na ginástica rítmica, prova por equipes de três arcos e dois pares, nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019. Foto: Wander Roberto/COB.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.




6 de agosto de 2019
Consultar edições passadas