Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



1 de outubro de 2020
Consultar edições passadas

Bolsonaro volta a atacar ONGs sem provas


O presidente Jair Bolsonaro fez novo discurso, ontem, dirigido à cúpula sobre biodiversidade da Organização das Nações Unidas. Nele, sem apresentar qualquer evidência, afirmou novamente ONGs de crimes ambientais no Brasil. “Na Amazônia, lançamos a Operação Verde Brasil 2”, disse o presidente por vídeo pré-gravado, “que logrou reverter, até agora, a tendência de aumento da área desmatada observada nos anos anteriores. Vamos dar continuidade a essa operação para intensificar ainda mais o combate a esses problemas que favorecem as organizações que, associadas a algumas ONGs, comandam os crimes ambientais no Brasil e no exterior.” Bolsonaro também não citou que ONGs ou entidades estariam por trás do ataque às florestas brasileiras. Entre suas preocupações, reafirmou a soberania do país sobre seu território que, considera, está sob cobiça internacional. Ele acredita que há um projeto para desestabilizar o governo com objetivo final de prejudicar o agronegócio brasileiro. (G1)

Ainda na pauta ambiental, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o projeto que muda as regras de controle de barragens e estipula, em até R$ 1 bilhão, o valor da multa para empresas que descumprirem normas de segurança. O presidente vetou a destinação das multas por infração administrativa à melhoria de ações dos órgãos de fiscalização. Segundo o parecer técnico que embasou o veto, o projeto de lei estabelecia vinculação de receita sem indicar uma cláusula de vigência, o que afronta a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A sanção foi divulgada pelo Palácio do Planalto e a lei deve ser publicada hoje no Diário Oficial da União. (G1)

O Planalto vai propor que o desembargador piauiense Kássio Nunes Marques, de 48 anos, ocupe a vaga aberta pelo decano Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal. Advogado com larga experiência e desembargador em seu estado, indicado pela ex-presidente Dilma Rousseff, Marques faz parte dos quadros do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Entre os colegas de Corte, é tido como uma pessoa simples, humilde, comedida e conhecida pela produtividade. Ele próprio se surpreendeu com a indicação. O nome não é definitivo e ainda pode mudar. A Associação Nacional de Juristas Evangélicos, que gostaria de ver escolhido o ministro da Justiça André Mendonça, não gostou. (Estadão)

A percepção dos brasileiros sobre o governo Bolsonaro se manteve estável. É aprovado por 52%. Outros 42% desaprovam, e 6% não souberam ou não responderam, segundo pesquisa PoderData feita por telefone entre os dias 28 a 30 de setembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. A rejeição ao trabalho do presidente, no entanto, apresenta tendência de queda. A avaliação ruim ou péssimo variou de 34% para 30% nos últimos 15 dias. Dentre os que mais aprovam 61% têm 25 a 44 anos, estudaram até o ensino fundamental (59%), são moradores do Norte (63% e são desempregados ou sem renda fixa (61%). Já dentre os quem mais desaprova tem 60 anos ou mais (63%), moradores do Sudeste e Sul (48% em ambos), tem ensino superior (61%) e ganham de 2 a 5 salários mínimos (61%)..

Após críticas entre congressistas e no mercado, o presidente Bolsonaro se reuniu com a equipe econômica para definir o financiamento do Renda Cidadã. A proposta de usar recursos do Fundeb e dos precatórios não pegou bem. Antes do encontro, Guedes explicou que os precatórios não seriam usados para financiar o programa, mas manter as despesas sob controle.

Outra divergência é sobre as privatizações. Sobre a declaração de Guedes, de que haveria um acordo do presidente da Câmara com a esquerda contra as privatizações, Maia complementou: “Guedes está desequilibrado. Recomendo que ele assista ao filme A Queda”, disse ao blog da Andreia Sadi.

Viver


O Brasil registrou 876 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 143.886 óbitos desde o começo da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias foi de 689, uma variação de -12% em relação aos dados registrados em 14 dias. É o 8º dia seguido que o país apresenta média móvel abaixo de 700.

E a Anvisa, especulam, poderá flexibilizar os critérios para aprovação de uma vacina e liberar um imunizante com 50% de eficácia mínima. Tradicionalmente, o padrão adotado é de 70%. “Quanto de eficácia mínima é necessária para se aprovar uma vacina? Tradicionalmente, nós temos o critério de 70% e a maioria dos estudos foi desenhada, delineada, para se mostrar uma eficácia de 70%. Mas na situação de pandemia, tendo em vista a ausência de alternativas terapêuticas, o impacto global que essa pandemia trouxe, é possível flexibilizar esse critério para 50%, desde que esse balanço risco/benefício esteja muito claro”, afirmou Gustavo Mendes Lima Santos, gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa.

Timothy Brown faleceu ontem na Califórnia, aos 54 anos. Em 1995, Brown, um americano que vivia na Alemanha, descobriu ser positivo para o HIV. Em 2007, 12 anos depois, ele foi submetido a um procedimento que levou a remissão do vírus causador da Aids, que não voltou mais a dar sinal em seu corpo, mas o “paciente de Berlim”, como ficou conhecido, foi vítima de leucemia mieloide aguda, tipo de câncer no sangue diagnosticado em 2006 que se espalhou, depois, para seu cérebro e coluna.

O câncer de Brown surgiu antes de sua “cura” do HIV. Entenda a relação entre os dois fatores.

Quinta-feira, dia de Panelinha. Vem onda de calor? A gente rebate com bebidas bem refrescantes. Para quem é da cafeíne: café gelado com limão, frapê de café ou leite com gelo. Pra quem prefere começar o dia sem café, lassi de iogurte com cardamomo ou ayran, a bebida turca que leva iogurte e sal e é uma surpresa de tão fresca. Lembrando que o fim de semana se aproxima e uma fatia fininha de pão com um camada de recheio saboroso e charmoso cai super bem. O crostini é um petisco fácil de preparar e que transforma o jantar em happy hour. No Panelinha, você escolhe o sabor: tem de gorgonzola com mel de amaretto, de pimentão com alho e de sardinha, com cebola e limão.

Cultura


Joaquín Salvador Lavado Tejón morreu ontem aos 88 anos em Mendoza, Argentina. Fãs do mundo inteiro lamentaram a perda de Quino, o criador da Mafalda, a menina de seis anos de idade que questionava o mundo à sua volta sem parar. Foi o mais traduzido da língua espanhola.

Mafalda: “Não é verdade que o passado foi melhor. O que acontecia era que os que estavam na pior ainda não se haviam dado conta”. Outras frases.

Artistas do Brasil, Chile, Colômbia e México destacaram seu legado. “O fato de ele ter colocado seus questionamentos e inquietações com o mundo na boca de crianças é algo assustadoramente talentoso”, comentou Sidney Gusman, editor da Mauricio da Sousa Produções. Trino Camacho, um dos cartunistas mais importantes do México, atribui a universalidade de Quino à sua capacidade de conectar algo muito local (como a realidade portenha de Mafalda) com questões sem nacionalidade. “Quino foi o nosso Gabriel García Márquez. Acho que ele é o maior cartunista de toda a América Latina”. Na Colômbia, Quino também foi uma figura poderosa. “Uma das qualidades de Quino é que suas observações são relevantes em diferentes gerações. Como cartunista, tinha também a enorme capacidade de fazer parecer fáceis desenhos muito difíceis, fazia-os funcionar de forma muito direta e intuitiva, com técnica e linhas brilhantes”, disse Pablo Guerra, ilustrador e editor da Cohete Comics.

Mauricio de Sousa: “O amigo Quino está agora desenhando pelo universo com aqueles traços lindos e com um humor certeiro como sempre fez. Criou sua Mafalda, hoje de todos nós, no mesmo ano em que eu criei a Mônica, em 1963. Por isso, nos tornamos irmãos latino-americanos para desbravar o mundo dos quadrinhos. Estive com ele em 2015, em Buenos Aires, no Centro Cultural Brasil-Argentina, onde o presenteei com uma Mônica ao lado da Mafalda na comemoração dos 50 anos das duas personagens. Uma pessoa dócil e um dos maiores desenhistas de humor de todos os tempos. Quino vive agora mais forte dentro de nós”.

Laerte Coutinho: “Conheci a obra do Quino nos anos 1960, quando chegaram ao Brasil as publicações da editora argentina Ediciones de la Flor, e fiquei maravilhada. Tinha 17 ou 18 anos. Quino influenciou a todos nós na América Latina. Seu trabalho é desses tão originais que qualquer um o reconhece automaticamente, com um simples olhar”.

André Dahmer: “Morreu um dos gigantes da minha profissão. Obrigado por tudo, Quino”.

O quadrinista argentino Liniers, das tirinhas “Macanudo”, também homenageou o conterrâneo com uma ilustração.

E a Sony Pictures divulgou o trailer legendado de Jovens Bruxas – Nova Irmandade, a nova versão do clássico de 1996. Veja.

Mil e uma manhãs


Até amanhã, em celebração às 1000 edições do Meio, as Edições de Sábado estão abertas para todos. São aquelas que os assinantes premium recebem. Hoje, sugerimos algumas.

Três escolhas pessoais, por Claudia Castelo Branco: De todas as notas publicadas na Edição Premium, algumas considero particularmente especiais. Um trecho: “No dia 20 de abril de 1939, a cantora de jazz Billie Holiday entrou em um estúdio com uma banda de oito integrantes para gravar Strange Fruit. A música sobre os horrores do linchamento não foi apenas o maior sucesso de Holiday. Ela se tornou uma das canções de protesto contra a violência racial mais influentes da História dos EUA. Em 1999, Strange Fruit foi nomeada a canção do século pela revista Time.” Veja o texto completo. Outra nota aborda a influência de Cidadão Kane na obra de Charles Schulz, criador de Peanuts. E mais uma, sobre a rotina matinal de artistas.

Um olhar para a história, por Pedro Doria: Das nossas Edições de Sábado, há inúmeras das quais gosto. Muito pelo momento que vivemos, eu destacaria três. A mais recente foi de junho deste ano e narra a história do italiano Gianroberto Casaleggio. Foi ele quem inventou a estratégia de desinformação e manipulação digital que os novos populismos usam. Outra conta história do Brasil, um dos meus temas recorrentes: como três políticos que tinham profundas desconfianças a respeito um do outro, desavenças enormes e justificadas, ainda assim foram capazes de se unir contra um mal maior. Jango, JK e Lacerda e sua Frente Ampla. E por fim, uma mais conceitual — a história de como o conceito da Liberdade de Expressão, dos filósofos aos políticos, passando por alguns grandes juízes, se firmou nas democracias modernas com compreensões muito diferentes, nos EUA e na Europa.

Nos reunimos ontem, a equipe completa cá deste Meio, em uma live no YouTube para responder às perguntas dos leitores. Assista.

Cotidiano Digital


A China está preparando uma investigação antitruste contra o Google. Segundo a Reuters, o governo vai investigar acusações de que a empresa teria usado seu domínio no Android para sufocar a competição móvel, o que causaria danos à Huawei e outras empresas chinesas. A investigação pode começar já em outubro e seguir como foi feito na Europa. Em 2018, a UE cobrou uma multa de US$ 5,1 bilhões do Google. A investigação acontece após os EUA aumentarem as restrições à empresas chinesas, como a Huawei, e pressionar para a venda do TikTok.

Mas o próprio governo americano também deve lançar, em breve, uma investigação antitruste contra o Google. Além de investigar o domínio do Google no Android, o Departamento de Justiça também deve analisar o domínio da empresa na publicidade digital e no mecanismo de pesquisa.

Porém nem tudo é má notícia para o Google. A UE está prestes a aprovar sua compra da Fitbit, empresa de monitoramento de dados de saúde e fitness. A big tech, no entanto, deverá cumprir algumas concessões, como não usar, por 10 anos, os dados coletados para direcionar anúncios.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



1 de outubro de 2020
Consultar edições passadas