Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



2 de outubro de 2020
Consultar edições passadas

Prezadas leitoras, caros leitores —

O teste positivo de Donald Trump pode ter descarrilhado por completo sua campanha. Ele tinha programados, para as próximas semanas, inúmeros comícios que se tornaram sua marca. Mesmo com a constante presença do novo coronavírus. Não tornava fácil a vida para seu adversário, Joe Biden. Tentando manter o distanciamento social, começou a ver na presença ostensiva de Trump nos estados-chaves indecisos resultar em crescimento do presidente nas pesquisas.

Trump agora não pode mais, por pelo menos duas semanas. Mas seu estilo de campanha é fundamental para compreender seu estilo na presidência — e também como transforma o funcionamento da democracia americana. Este novo mergulho na eleição americana, compreender como campanhas políticas se transformaram por completo com Donald Trump, é um dos temas da edição de Sábado.

O outro é Quino — talvez o mais genial dos cartunistas sul-americanos. Certamente o mais impactante. Morto esta semana, o argentino filho de espanhóis que interrompeu a produção de sua Mafalda no momento em que o país mergulhava em um novo surto autoritário ainda tem muito a nos dizer.

Aliás... Amanhã o Meio faz 4 anos de idade. Na mesma semana em que chegou às mil edições. Obrigado, leitores. Obrigado em particular aos muitos de vocês que se tornaram assinantes premium. Os R$ 10 mensais nos mantém à toda — e é menos do que uns pacotes de figurinhas, como ouvimos de uma leitora esta semana =)

Assine o Meio.

Para nós, é o que permite o trabalho diário. É um público com informação que mantém a democracia viva.

— Os editores.


Trump testa positivo a um mês das eleições


O presidente americano Donald Trump testou positivo para o novo coronavírus. Ele, a primeira-dama Melania Trump, e pelo menos uma assessora. O anúncio foi feito pelo próprio presidente quando já passava da meia-noite de hoje, em Washington, via Twitter. A eleição ocorrerá em 3 de novembro — falta um mês. Trump tinha marcado um grande comício na Flórida, hoje, outro no Wisconsin, sábado, e no Arizona, segunda-feira. Todos estados-chaves. Além disto, o próximo debate presidencial está marcado para o dia 15, quando o presidente ainda estará na quarentena formal de duas semanas. Donald Trump não tem quaisquer sintomas de Covid-19. Mas a situação preocupa. Caso os desenvolva, ou mesmo que fique grave, há dúvidas inclusive sobre se deveria mantido como candidato. (New York Times)


O presidente Jair Bolsonaro indicou formalmente, ao Supremo, o desembargador piauiense Kassio Marques para a vaga do decano Celso de Mello. Não foi sem profunda resistência por parte da ala ideológica, que esperava um perfil mais alinhado. “Sai publicada amanhã, no Diário Oficial da União, temos pressa nisso, o nome do Kassio Marques para a nossa primeira vaga no STF. Temos uma vaga prevista para o ano que vem também. Essa segunda vaga vai ser para um evangélico”, disse Bolsonaro. E ele confrontou seus seguidores na tradicional live das quintas-feiras. Questionou se prefeririam Sergio Moro. “Vocês acham que ele seria um ministro leal às nossas causas?”, perguntou sobre o ex-juiz. “A questão de amizade é importante, né? O convívio da gente.” De acordo com Bolsonaro, Marques bebeu “muita tubaína” com ele e são próximos. Também descreveu o que espera do nome que indicará no ano que vem. “Primeiro pré-requisito: tem que ser evangélico, terrivelmente evangélico. Outro: tem que tomar Tubaína comigo.” (Estadão)

A ministra do STF, Rosa Weber, deu 48h para o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles explicar a revogação das regras de proteção de manguezais e restingas. Na terça (29), a Justiça Federal do Rio de Janeiro já havia derrubado a decisão do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) de suspender as resoluções sobre proteção ambiental. A decisão é em caráter liminar e ainda cabe recurso.

O primeiro debate em São Paulo reuniu 11 dos 14 nomes na corrida pela prefeitura da capital. Foi marcado por antipetismo e ataques aos líderes nas pesquisas, o prefeito Bruno Covas (PSDB) e ao deputado federal Celso Russomanno (Republicanos). Foram poucas as críticas ao presidente Bolsonaro, que só ficaram por conta dos candidatos Guilherme Boulos (PSOL) e Orlando Silva (PCdoB) enquanto Russomanno tentou se associar ao presidente. Disse que é o único candidato “amigo” de Bolsonaro e defendeu as medidas tomadas pelo governo, como o auxílio emergencial. Ainda o formato de perguntas e respostas curtas levou muitos dos candidatos a tentaram driblar o tempo para impulsionar conteúdos na internet. Joice Hasselmann (PSL). chegou a dizer para pesquisar no Google as informações. Assista. (UOL)

Foi igualmente intenso, e com fogo cerrado no atual prefeito, Marcelo Crivella, assim como no ex, Eduardo Paes, o debate entre os candidatos das eleições municipais cariocas. “Aonde está esse aparelho de tomografia?”, questionou Crivella a candidata petista, Benedita da Silva. “Onde foi colocado primeiro? Onde a comunidade não tinha acessibilidade porque era um espaço da igreja e isso não podemos fazer. As pessoas deixaram de frequentar. Temos que ter um estado laico, aonde nós possamos agir como gestores públicos. E não confundir o púlpito com palanque político.” Crivella respondeu a Benedita, que também é evangélica. “Eu lamento muito que nossa candidata Benedita tenha esquecido os princípios bíblicos, do Não Mentirás.” A psolista Renata Souza foi no mesmo caminho. “Você deixou as pessoas morrerem sem atendimento nos hospitais, como quer falar de ideologia de gênero enquanto a população está morrendo?” Martha Rocha, do PDT, cobrou de Paes como deixou as contas da cidade. “Lê as decisões do Tribunal de Contas mostrando que nós deixamos recursos em caixa, não sei se vai entender direito o que estou dizendo”, lhe respondeu o ex-prefeito. “Quero dizer para o candidato que esse jeito debochado e desrespeitoso, esse jeito malandro de ser, o carioca não aguenta mais, não”, atacou Martha. Assista. (UOL)

Checagens: A Aos fatos reviu as declarações dos candidatos de São Paulo e do Rio. A Agência Lupa também viu o de São Paulo.

Viver


O Meio lembra: a pandemia não acabou, o número de mortes ainda é alto, tragédias pessoais não são apenas números e muitas perguntas seguem sem respostas. A vida continua, é claro, mas 881 mortes pela Covid-19 foram registradas nas últimas 24 horas. Não é pouca coisa.

No total são 144.767 óbitos. Com isso, a média móvel de mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 698, uma variação de -9% em relação aos dados registrados em 14 dias. Em casos confirmados, 4.849.229 brasileiros já tiveram ou têm o novo coronavírus, com 35.643 desses confirmados no último dia. A média móvel de novos casos foi de 26.859 por dia, uma variação de -12% em relação aos casos registrados em 14 dias. Segundo análise do G1, encontra-se na faixa que aponta estabilidade. No total, 4 estados apresentam alta de mortes: Espírito Santo, Amazonas, Roraima e Ceará.

E imagens com ampliação de 200 mil vezes mostram claramente a ação do novo coronavírus infectando células. O registro, divulgado ontem, foi feito por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz em parceria com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. As fotografias foram obtidas através de microscopia de alta resolução. Elas mostram que as células infectadas apresentam prolongamentos de membrana, chamados de filopódios, que formam conexões com outras células. A alteração pode ser uma das estratégias do vírus para ampliar a infecção.

Cultura


Beleza e cores fortes. Para quem ama capas de livros, 2020 trouxe coisas boas. “Notei uma tendência de capa de livro que são 'enormes rostos de senhoras cor de rosa'. Caso isso não seja totalmente autoexplicativo, tratam-se de capas que apresentam grandes ilustrações (ou, com menos frequência, fotografias aumentadas) de rostos femininos que são rosa, muito rosa ou que transmitem uma sensação de rosa. Além de algumas variações do tema", observou Emily Temple, editora de um site especializado em literatura. A lista é bem interessante e faz sentido, mas o melhor é admirar as belas capas desenhadas para, especialmente, novas autoras.

Alguns exemplos. Começando pelo super pink na capa de Temporary Hilary Leichter. E o rosa mais quente que está na capa de No Going Back, de Sheena Kamal.

E se você pudesse escrever um livro para o mundo ler, sobre o que seria? As respostas são frutos do projeto Red Fred, em que o designer americano Dallas Graham, 45 anos, se junta a crianças com doenças raras ou graves para criar e publicar livros com histórias únicas. Até agora, 18 crianças participaram do projeto nos Estados Unidos, e escolheram contar para o mundo histórias sobre amizade, família, bullying e superação. Os valores gerados com a venda dos livros, muitos dos quais já foram esgotados, vão para a família das crianças, ou então para iniciativas que elas apoiam, como de assistência a outras pessoas com condições de saúde semelhantes.

Todo mundo espera algum rolê online na sexta à noite. Nem todo mundo, mas programação boa e segura não falta. As galerias Choque Cultural e Bolsa de Arte disponibilizam online a exposição DESENHOMATIC LTDA, que apresenta telas em grandes dimensões criadas pela dupla Jaca e Fabio Zimbres. Com transmissões nos perfis do Sesc no YouTube e no Instagram, hoje tem show da cantora e pianista Cida Moreira e amanhã, do cantor Arnaldo Antunes.  Os músicos Gilberto Gil e Elza Soares, o escritor Milton Hatoum e a Filarmônica de Paraisópolis são alguns dos convidados da live-filme Inspira – Quem Jamais te Esqueceria, que será transmitida amanhã nos perfis da Inspirartes Cultural.

Sob a regência de Neil Thomson, a Osesp interpreta hoje o Concerto nº 3 para Piano de Prokofiev com o jovem solista Lucas Thomazinho. Na quarta, o quarteto de cordas da orquestra participa da série Osesp Masp, em concerto que põe em diálogo a música de Alberto Nepomuceno e Beethoven com a pintura de Antônio Parreiras. Já a artista Jota Mombaça concede hoje a palestra É a última vez que falo sobre isso em ciclo promovido pela Casa Pivô. Na fala, ela deve abordar como sua pesquisa artística se articula como resposta e recusa à violência estrutural brasileira. Para mais dicas culturais, assine a newsletter da Bravo.

Mil e uma manhãs


Hoje é o último dia em que as Edições de Sábado estão abertas para todos, gratuitamente. Aproveite. Mas esta editoria especial se mantém até terça. Vamos continuar a compartilhar um pouquinho da história e curiosidades do Meio, em comemoração à milésima edição.

Nesse meio tempo, nossas últimas sugestões, por Érica Carnevalli. Minha primeira dica para quem for se aventurar pelo acervo das edições premium é uma nota sobre as novas regras do Oscar para aumentar a diversidade. Para muito além de parecer bem na fita, a falta de inclusão atrás das câmeras afeta o que vemos nas telas. E por falar em Oscar, este ano o ganhador de Melhor Filme foi o Parasita, o primeiro estrangeiro. Esse é resultado de uma política do governo sul-coreano, que nos últimos 20 anos, se dedicou à exportação de sua cultura. Já deve ter ouvido no k-pop, não? A hallyu, como é chamada a onda coreana é o tema da minha segunda sugestão. E por último, a Nasa se prepara para levar novamente o homem à Lua até 2024. Só que dessa vez, quer que uma mulher também faça a viagem. As mulheres na Nasa.

Cotidiano Digital


O clima fechou ainda mais para os CEOS do Facebook, Google e Twitter. O Senado americano intimou oficialmente Mark Zuckerberg, Sundar Pichai e Jack Dorsey. Eles deverão se apresentar, ainda sem data marcada, diante do comitê para falar sobre a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações. O artigo poupa as empresas de tecnologia de serem responsabilizadas pelos conteúdos publicados pelos usuários e entrou na mira tanto de republicanos como de democratas. Donald Trump chegou a assinar, em maio, uma ordem executiva para rever as regras depois que o Twitter identificou dois de seus tuítes como possivelmente falsos.

O Brasil e a Alemanha são os primeiros países a terem a novo formato de notícias do Google. Chamado de Destaques por aqui, o Google News Showcase oferece uma curadoria diária feita pelos próprios veículos. Além das notícias, é possível incluir artigos relacionados e eventualmente incorporar vídeo, áudio e briefings diários. No Brasil já são mais de 20 publicações participantes, como Folha, Estadão e as revistas Veja e Piauí. Por enquanto, a novidade só está disponível no Google Notícias no Android.

Essa é a maior parceria do Google com veículos de imprensa. Vai investir US$ 1 bilhão em três anos para fazerem parte da plataforma que deve ser estendida para mais sete países, incluindo Argentina, Canadá e Reino Unido.

E por falar no Google, seus novos produtos. A nova linha do Pixel, o 4a e o 5, marca sua estreia no 5G. Como já apresentado cá no Meio, a câmera é a melhor qualidade, porém os smartphones não se comparam aos topos de linha das rivais Apple e Samsung e se posicionam na categoria intermediário premium. A maior novidade é o novo Chromecast. Agora vem com um controle remoto e, pela primeira vez, não requer um segundo dispositivo, como um telefone ou tablet para parear. O Google também rebatizou Android TV como Google TV, no qual é possível procurar filmes, séries e programas de diferentes streaming diretamente pelo sistema. E lançou o Nest Audio, um alto-falante inteligente, que chega para substituir o Google Home. Ainda não há, no entanto, previsão para a chegada ao Brasil de nenhum desses produtos.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



2 de outubro de 2020
Consultar edições passadas