Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



26 de março de 2021
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores —

A essas alturas, já está claro que o Brasil está fazendo tudo errado na lida com a pandemia de Covid-19. Mas raramente nos detemos na avaliação de como outros países lidaram. Que erros cometeram, onde foi que acertaram.

Na edição deste sábado, é este mergulho que o Meio dará: nove países e como foi sua experiência de enfrentamento da pandemia. Nossa lista inclui Nova Zelândia e Israel, China e Suécia, ilhas e países muito grandes, democracias e ditaduras, culturas diversas e líderes com toda natureza de temperamento. De esquerda e de direita. Experiências, todas, muito distintas da brasileira.

Porque nós, também, poderíamos ter feito tudo diferentemente.

Esta edição de sábado é o que melhor produzimos, cá no Meio. E todos os assinantes premium a recebem. A assinatura é coisa pouca, seu valor no tempo da inflação Bolsonaro não chega ao valor dum chope. Menos de R$ 10.

Assine, ajude o Meio a crescer.

— Os editores


Araújo na mira do Centrão


Nem bem conseguiu tirar o general Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, embora sem emplacar o sucessor, o Centrão tem novo alvo: o chanceler Ernesto Araújo, um dos últimos representantes da ala olavista no primeiro escalão do governo. Na quarta-feira, ele foi alvo de uma dura sabatina no Senado, onde parlamentares o conclamaram a pedir demissão. Foram duros, os senadores, como raramente são — assista. Para o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a atuação do Itamaraty, especialmente em relação à pandemia, está “muito aquém do desejado”. (G1)

Na tentativa de se manter no cargo, Araújo visitou ontem o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), outro crítico de sua atuação, conta Bela Megale. O chanceler falou de seus esforços para conseguir vacinas e foi cobrado por uma postura menos ideológica e mais pragmática, especialmente em relação à China. (Globo)

Bolsonaro está vivendo pela segunda vez em um mês a situação de se ver pressionado pela base parlamentar a demitir um auxiliar com o qual é 100% alinhado. A cobrança pela cabeça de Araújo repete o roteiro que se viu com Pazuello. Bolsonaro estaria procurando uma “saída honrosa” para o chanceler. Uma das alternativas seria uma embaixada, mas para isso ele precisaria da aprovação do Senado, que lhe é abertamente hostil. (UOL)

Em outro flanco, Bolsonaro busca mostrar harmonia com o Centrão. Um dia depois de Lira fazer uma ameaça explícita ao Executivo com um “sinal amarelo” e remédios políticos “amargos” e “fatais”, o presidente o recebeu no Palácio do Planalto. “Não tem problema entre nós. Zero problema. Conversamos sobre muitas coisas”, disse o Bolsonaro ao caminhar com o deputado pelos corredores do Palácio, o que não é comum. (Poder360)

Mas ele não resiste... Os pedidos de moderação passaram batidos. Bolsonaro voltou ontem a bater em governadores e prefeitos que decretam medidas de isolamento contra a Covid. Segundo o presidente “o desemprego parte diretamente de quem faz lockdown”. (Poder360)

Já o vice Hamilton Mourão seguiu outra linha. Além de dizer que o número de mortos “ultrapassou o limite do bom senso”, alegou que um lockdown nacional seria inviável, mas defendeu a autonomia de governadores e prefeitos para adotarem medidas de restrição — “cada um sabe como que está a situação na sua área”. (Globo)

Meio em vídeo. Existe a possibilidade de que estejamos num ponto de inflexão. Tudo na política pode vir a mudar desde o momento em que Arthur Lira sugeriu, sem usar o termo, a possibilidade de impeachment de Bolsonaro. Lira fez mais em um mês do que Rodrigo Maia em dois anos. E, da última vez em que um presidente da Câmara fez essa ameaça, ele era Eduardo Cunha e, no Planalto, estava Dilma Rousseff. Confira o Ponto de Partida no YouTube.

A Polícia Legislativa vai investigar a conduta do assessor para assuntos internacionais do Planalto, Filipe Martins. Na quarta-feira, durante depoimento do chanceler Ernesto Araújo no Senado, Martins foi flagrado fazendo um gesto a princípio tido apenas como obsceno. Depois, o gesto foi identificado como uma saudação entre supremacistas raciais nos EUA, significando “White Power” (Poder Branco). Martins alegou que estava apenas ajustando o paletó. (Estadão)

O presidente do STF, Luiz Fux, marcou para o dia 14 de abril o julgamento do recurso da PGR contra a decisão do ministro Edson Fachin que anulou os processos contra o ex-presidente Lula no âmbito da Lava-Jato em Curitiba. A aposta na Corte é que, mesmo com uma eventual rejeição à decisão de Fachin, Lula mantenha seus direitos políticos. Mesmo não tendo concluído o julgamento sobre o sítio de Atibaia, outra condenação em segunda instância de Lula, Sérgio Moro, considerado parcial pelo STF, deu início a processo. (Folha)

E os advogados de Lula recorreram ontem ao STF contra o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer e a Procuradoria-Geral da República. Segundo a defesa de Lula, Fischer e a PGR mantiveram em andamento um processo em relação ao sítio de Atibaia mesmo depois da decisão de Fachin. (Poder360)


Um minuto de silêncio pelas mais de 300 mil vítimas

Tony de Marco

300mil

Não há democracia, dizia Thomas Jefferson, sem eleitores informados. Mas, no século 21, os veículos tradicionais perderam o encaixe na vida. Mas o Meio encaixa. A gente já resolve para você, de segunda a sexta, o problema das notícias. Podemos resolver também o do contexto, da profundidade, com a edição de sábado. Assine. Não vai se arrepender. É tão barato…

Viver


O Instituto Butantan pede hoje à Anvisa a autorização para começar os testes em voluntários de uma vacina própria, chamada Butanvac. Segundo Dimas Covas, diretor do instituto, é possível concluir todas as três fases de testes e produzir 40 milhões de doses até o fim do ano. (Folha)

A Pfizer vai começar os testes de sua vacina em crianças de seis meses a 11 anos nos Estados Unidos, informou a empresa. O objetivo é identificar a dose ideal para as diferentes faixas etárias nesse grupo. (Estadão)

Por aqui, uma má notícia. O lote de 1,9 milhão de doses que seria enviado ainda este mês pela Covax Facility vai atrasar devido a problemas com o fabricante na Coreia do Sul. (Folha)

A Justiça Federal do DF considerou inconstitucional o trecho da lei aprovada pelo Congresso que obrigava empresas privadas a doarem ao SUS as vacinas que importassem – 100% enquanto houvesse grupos prioritários a imunizar e de 50% depois. A Advocacia-Geral da União, a quem cabe recorrer, ainda não se manifestou. (UOL)

Mais cedo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu mudanças na lei para permitir que empresários comprem vacinas para imunizar seus funcionários. Ele também propôs conceder isenção tributária a empresas que doassem imunizantes ao SUS. (UOL)

E o MP Federal está investigando a vacinação clandestina (registrada em vídeo) de empresários, políticos e suas famílias dentro de uma empresa de transporte em Belo Horizonte. (Estadão)

Enquanto isso... O Brasil teve ontem o maior número de novos casos de Covid-19 desde o início da pandemia, 97.586, totalizando 12.324.765 de infectados. A média móvel de casos em sete dias foi de 76.738, com alta de 8%, o que indica estabilidade em um patamar elevado. Houve ainda 2.639 mortes, com total de 303.726 óbitos e média móvel 2.276. (G1)

O Ministério da Saúde conta hoje com suprimentos do “kit intubação” suficientes para 15 dias, informou a Anvisa. A notícia é boa, pois os estoques estavam perigosamente baixos. (UOL)

E começam hoje os “megaferiados” de dez dias para tentar conter a circulação de pessoas e a disseminação do coronavírus no Rio de Janeiro e em São Paulo. Para evitar uma invasão de turistas, as cidades do litoral paulista estão fechando suas praias e instalando barreiras sanitárias, incluindo exigência de teste de Covid. Medidas semelhantes foram adotadas em quase todas as cidades turísticas do Estado do Rio. (G1)

Os calouros da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo precisavam, para uma gincana, de vídeos de apoio de “pessoas famosas na comunidade acadêmica”. Segundo Mônica Bergamos, a turma AE4 não entendeu a última parte e saiu à cata de famosos, conseguindo adesão de nomes como Xuxa, Rubinho Barrichello, Sergio Moro e até do ator americano Ed O'Neil, entre outros. (Folha)

Marcelo Adnet encarnou Jair Bolsonaro em seu apoio, mas sugeriu mudar os nomes da turma e até da faculdade. (Twitter)

Cultura


Confira as dicas da agenda cultural:

Até domingo, artistas como Aline Paes, Juliana Linhares, Marina Íris, Luciane Dom, Ilessi e Júlia Vargas homenageiam uma referência da música carioca, Áurea Martins, ainda ativa aos 80 anos. É o Festival OQ VC OUVE, sempre às 20h, no Youtube.

Intitulada OVR: Pioneers, a edição online da feira internacional de arte Art Basel segue também até domingo e conta com mostras brasileiras na programação, como a individual de Paulo Nazareth na Mendes Wood DM e a dupla de Leda Catunda e Jac Leirner na Fortes D'Aloia & Gabriel.

Previsto para durar todo o ano, o ciclo 1922: Modernismos em Debate começa nessa segunda com três mesas e convidadas como Aracy Amaral, Ana Paula Cavalcanti Simioni e Regina Teixeira de Barros. A iniciativa é uma parceria entre Instituto Moreira Salles, Museu de Arte Contemporânea da USP e Pinacoteca de São Paulo.

Metá Metá, Anelis Assumpção e Di Melo são alguns dos destaques do Festival Mundo Pensante, cujos shows serão transmitidos hoje e amanhã de forma gratuita. Ainda hoje, o rapper Black Alien apresenta o disco Abaixo de Zero: Hello Hell em evento realizado pela Audio. Outra boa opção para esta sexta é o show Teu Nome Vem de Longe, do cantor pernambucano Oliveira.

Em temporada virtual no Ágora Teatro, o ator Celso Frateschi interpreta o monólogo O Grande Inquisidor, baseado em Fiódor Dostoiévski. Após a apresentação de hoje, haverá uma conversa com a jornalista Bianca Santana.

Com curadoria do artista Rodrigo Andrade, a exposição Um Lugar Lugar Nenhum reúne paisagens contemporâneas de nomes como Alexandre Wagner e Mariana Serri no viewing room da Galeria Marilia Razuk.

Acontece amanhã o lançamento virtual do livro Eu Mais Velha – Cura, Fé e Ancestralidade, projeto de Bianca Sevciuc e Lais Araújo que mapeia conhecimentos tradicionais da cultura caiçara e dos Guaranis M’bya.

Expoente do Teatro de Arena dos anos 60, a atriz Dulce Muniz relembra a sua trajetória em Trinta Anos Esta Noite ou O Espelho Negativo, que cumpre temporada digital no Teatro Studio Heleny Guariba a partir de domingo.

No domingo, Rita Lages Rodrigues, professora da Escola de Belas Artes da UFMG, discute sobre o lugar da mulher na história da arte em live da Casa Fiat de Cultura.

Em sua 4ª edição, o ciclo Crítica em Movimento apresenta mesas de debate, espetáculos virtuais e podcast sobre os rumos do teatro contemporâneo no Itaú Cultural.

A partir da colaboração de mais de 100 artistas do sul global, a plataforma de vídeo-arte COVIDEO19 publica diariamente uma obra que dialoga com a pandemia. O projeto foi concebido pelas curadoras independentes Amanda Abi Khalil, Cherine Karam e Bianca Bernardo.

Para mais dicas de cultura, assine a newsletter da Bravo.

Cotidiano Digital


Mais uma vez, os CEOs das big techs prestaram depoimentos no Congresso americano. Dessa vez, foram questionados sobre suas responsabilidades com a desinformação online e violência, principalmente no caso da invasão de apoiadores de Donald Trump ao Congresso. Jack Dorsey, do Twitter, foi o único a dizer que as plataformas contribuíram, mas afirmou que seria “preciso levar em consideração todo o ecossistema de informação”. Enquanto Mark Zuckerberg, do Facebook, afirmou que as pessoas que desrespeitaram a lei são responsáveis e citou Trump por incitá-los. E Sundar Pichai, do Google, preferiu dizer apenas que "é uma questão complexa”. Em seus discursos, os executivos ainda fizeram sugestões para a reforma da Seção 230, lei que protege as big techs da responsabilidade sobre o que é publicado por seus usuários. Essas audiências com os executivos se tornaram frequentes desde o ano passado e vêm com a maior pressão dos reguladores - em 2020, Google e Facebook foram processados nos EUA por práticas anticompetitivas.

Pela primeira vez, a Embraer mostrou em voo o seu “carro voador” elétrico. O protótipo é em tamanho reduzido e decolou esta semana da sede da Embraer em Gavião Peixoto (SP). Desde 2018 o conceito vem sendo desenvolvido pela fabricante brasileira. Ano passado, criou a startup Eve para focar no desenvolvimento do veículo elétrico de decolagem e pouso vertical (eVTOL) com passageiros. No início, o táxi-aéreo da Embraer deverá ter um piloto, mas a ideia é de que, no futuro, o voo seja autônomo.

Meio em vídeo. A Motorola anunciou esta semana a inclusão de dois idiomas indígenas do Brasil em seus smartphones. Com a mudança, todos os aparelhos da empresa atualizados com Android 11 poderão ser configurados nas línguas Kaingang e Nheengatu. No Pedro+Cora desta semana, você confere os detalhes do processo de inserção destas línguas na tecnologia. Confira no Youtube e no Spotify.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



26 de março de 2021
Consultar edições passadas