Assine o Meio: notícia confiável para quem não tem tempo de ler jornal.



11 de junho de 2021
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores —

Como se dá um golpe de Estado?

Sim, tanto cá neste Meio quanto noutros cantos, vocês certamente já leram que não existem mais golpes de Estado no sentido clássico do termo. Não há mais tanques nas ruas, generais subindo rampas. O processo de ruptura democrática hoje ocorre de forma muito mais lenta, dissolvendo as instituições por dentro, em geral até mantendo eleições. Não há um golpe, há um processo de democraticídio lento.

É verdade — mas não é regra. Em fevereiro, o governo de Myanmar foi derrubado por um golpe militar clássico. Também não é só em países miúdos que este tipo de coisa ocorre: em 2013, no Egito, outro golpe clássico se deu. Até mais recentemente, em 2016, aconteceu um terceiro, na Turquia. Não deu certo, mas chegou perto. Em 2019, outra tentativa rolou bem perto. Na Bolívia.

Pois bem: quando o alto-comando do Exército brasileiro se recusa a punir um general que sobe livremente em palanque para dar apoio ao presidente, é hora de se perguntar: como acontece um golpe de Estado?

Esta não é a única pergunta que responderemos em nossa edição de sábado. Como sabemos que um golpe pode estar se aproximando? Quais são os sinais? Há chances de um golpe ter sucesso? E, por fim, como se resiste a um golpe de Estado?

Muita gente estuda o assunto e, embora nunca de forma determinante, há respostas para todas estas perguntas.

Os assinantes premium, você sabe, são os que recebem a edição de Sábado. Coisa pouca, baratinho, não dá um chope por mês. De quebra dá para resistir democraticamente.

Assine.

— Os editores


Queiroga diverge de Bolsonaro sobre máscaras


Era para ser uma cerimônia protocolar do Ministério do Turismo, mas o presidente Jair Bolsonaro aproveitou seu discurso para disparar mais um factoide. Disse que mandou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, elaborar uma medida desobrigando o uso de máscaras para pessoas que já tivessem sido vacinadas ou que tivessem contraído Covid-19, ignorando os riscos de reinfecção. O ministro, porém, disse a interlocutores que o presidente “se confundiu” e que a pasta fará apenas um estudo de viabilidade para, no futuro, começar a suspender o uso de máscaras. (Veja)

Embora o ministro tenha dito que antes de abolir as máscaras é preciso vacinar a população, o relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), acha que a medida é para valer. Na opinião dele, Queiroga vai ceder a Bolsonaro para manter o cargo. “Ele já foi desautorizado pelo Bolsonaro e mais uma vez demonstra que não tem autonomia, tal qual os ministros anteriores”, disse o senador. (Globo)

Bolsonaro vai, novamente, na contramão da Organização Mundial da Saúde (OMS). A entidade diz que o uso de máscaras não está relacionado à vacinação, mas ao grau de circulação do vírus. Austrália e Nova Zelândia, mesmo sem campanhas de vacinação amplas, conseguiram suspender restrições por terem contido a circulação do Sars-Cov-2. (Folha)

Aliás... Segundo dados apurados pelo consórcio de veículos de comunicação, somente 11% dos brasileiros (23.520.981) receberam duas doses de vacinas. A primeira dose foi aplicada em 52.790.945 pessoas (24,93%). (UOL)

Vera Magalhães: “Bolsonaro mal conseguia disfarçar o regozijo sádico ao dizer que Queiroga vai assinar uma medida desobrigando pessoas que já se vacinaram - e até as que já se contaminaram - de usar máscaras. Trata-se de uma coisa só: vingança de Bolsonaro contra o ministro da Saúde pelas suas declarações da véspera na CPI da Covid, quando em vários momentos se diferenciou das falas e das condutas do presidente e disse que não pode ser seu ‘censor’. Marcelo Queiroga está diante de uma escolha definitiva: vai ficar com Bolsonaro ou com a medicina?” (Globo)

Enquanto isso... A CPI da Pandemia aprovou na quinta-feira a quebra do sigilo telefônico dos ex-ministros da Saúde Eduardo Pazuello e das Relações Exteriores Ernesto Araújo, além de outras 16 pessoas e dos sigilos bancário e fiscal de quatro empresas. (Poder360)

E a CPI já tem em mãos um documento mostrando que a Pfizer procurou em agosto a embaixada do Brasil nos EUA em busca de uma resposta para sua oferta de vacinas. (G1)

Mais da metade da população brasileira, 55%, é contra a realização da Copa América aqui, segundo pesquisa realizada pelo PoderData. A competição é apoiada por 35% dos entrevistados, enquanto 10% não souberam opinar. (Poder360)

Mas, no que depender da Justiça, a Copa América começa mesmo no domingo. O Supremo Tribunal Federal rejeitou ontem, por placares distintos, três ações contra a realização do torneio. (CNN Brasil)

E mais um patrocinador da Copa América não quer ver seus produtos expostos na Copa América. Desta vez é a Diageo, que produz bebidas como a vodca Smirnoff. Diferentemente da Mastercard e da Ambev, a empresa inglesa cortou o patrocínio ao torneio. (G1)

Empresários apoiadores de Jair Bolsonaro discutiram com o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten a criação de um departamento de “comunicação estratégica e contrainformação”. Essa foi uma das descobertas da Polícia Federal durante a investigação de atos antidemocráticos e disseminação de notícias falsas, aberta por ordem do STF. Outra informação obtida pela PF foi que o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, e o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury discutiram uma proposta para dissolver o Supremo e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). (G1)

O Partido Novo informou, por meio de suas redes sociais, que João Amoêdo voltou atrás e recusou o convite para se candidatar à Presidência da República no ano que vem. Na postagem, a legenda diz que segue trabalhando “na construção de uma alternativa ao bolsopetismo para 2022”. (Twitter)

No Rio, o deputado Marcelo Freixo se desfiliou do PSOL e deve se filiar ao PSB para concorrer ao governo do estado. Ele estava insatisfeito com a resistência do partido a fazer alianças fora da esquerda. (Globo)

Freixo convidou o marqueteiro Renato Pereira, que trabalhou para Sérgio Cabral e criou o Pato da Fiesp, para atuar em sua campanha. (Folha)


Keiko Fujimori, candidata direitista à presidência do Peru, tem uma preocupação maior que a vantagem do esquerdista Pedro Castillo na apuração. O promotor José Domingo Pérez, responsável pelo “braço peruano” da Lava-Jato, pediu a prisão preventiva dela por violar os termos da condicional. Keiko é acusada de lavagem de dinheiro, suborno e caixa 2 nas eleições de 2011 e 2106. A filha do ex-ditador Alberto Fujimori teria recebido US$ 1,2 milhão de forma irregular da Odebrecht no Peru. (Poder360)


70 anos caindo… de boca

Tony de Marco

A-ficha-da-Laerte

Efemérides eternamente guardadas na blockchain.

Colecione os NFTs das animações do Meio.

A edição de sábado do Meio, exclusiva para assinantes premium, vai além de um tema principal e mergulha em outros assuntos como tecnologia, música e literatura. Quer um exemplo? Já falamos do impacto do ano 1959 na história do jazz, dos rituais diários de artistas, do fotógrafo que popularizou o slogan Black is Beautiful, e até mesmo sobre Computação Quântica. É uma edição feita para ser curtida com calma, no fim de semana. Assine você também.

Destrave sua gestão

Destrave sua gestão


Os meios digitais de pagamento se tornaram diferenciais para empresas em transformação digital. Segundo a pesquisa The State of Commerce Experience, 40% dos consumidores B2C pagariam mais por uma experiência de compra melhor, enquanto no B2B, o índice aumenta para 56%. Para isso, os provedores de serviços de pagamento precisam operar em alto nível e de forma integrada. Assim, é possível gerenciar de ponta a ponta e automatizar o processamento de pagamentos. A resiliência do negócio também aumenta: se um pagamento falhar, por exemplo, o sistema tem alternativas e pode redirecionar automaticamente para uma segunda ou terceira rota para garantir a transação.

O empreendedorismo brasileiro perdeu quase 10 milhões de empreendedores durante a pandemia. A taxa de empreendedorismo no total da população adulta no país caiu para 31,6%, contra 38,7% em 2019, atingindo o menor patamar dos últimos oito anos. O impacto foi maior entre as mulheres: de cada 10 pessoas adultas empreendedoras que saíram do mercado, aproximadamente 7 eram mulheres. (G1)

Pois é… As empreendedoras ainda têm dificuldade no acesso a crédito no Brasil. Há algumas iniciativas para atender esse grupo, como a do Grupo Mulheres do Brasil, comandado por Luiza Helena Trajano. O seu Fundo Dona de Mim foi criado durante esta crise para facilitar o microcrédito para mulheres. (IstoÉ Dinheiro)

Os micro e pequenos empreendedores viram no marketplace o caminho para entrar na economia digital durante a pandemia. Se em 2019 essas lojas virtuais representavam 35% do faturamento do comércio eletrônico, em 2020 aumentaram sua fatia para 51%. A pandemia também estimulou a proliferação de marketplaces de nicho. O principal atrativo para os empresários é a agilidade que essas lojas garantem, entre o momento do pagamento e a entrega. Também resolvem outro gargalo comum às microempresas que atuam no varejo online: a falta de funcionários. (Folha)

Cultura


Não é possível falar no cartum brasileiro nos últimos 50 anos sem destacar Laerte Coutinho. Fagundes, o puxa-saco, o Zelador e os Gatos, os Piratas do Tietê e as ferinas charges publicas na imprensa são monumentos ao talento da cartunista, que está completando 70. Para comemorar, ela lançou um novo site reunindo sua obra. Imperdível.

O apresentador Fausto Silva, de 71 anos, foi internado ontem no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para tratar uma infecção urinária. Tiago Leifert vai apresentar o Domingão do Faustão no próximo domingo. Esta é a última temporada de Fausto Silva na Globo. Em 2022 ele se muda para a Band e deve ser substituído nos domingos globais por Luciano Huck. (Globo)

Alcoólatra, pai amoroso, dependente químico, marido querido, homem fisicamente debilitado, artista genial. O Raul Seixas que emerge da biografia Coisas do Coração, escrita pela ex-mulher Kika em parceria com Toninho Buda, é, acima de tudo, um ser humano. Raul e Kika viveram juntos entre 1979 e 1984. Além de uma filha, a DJ Vivi Seixas, produziram grandes sucessos comerciais e viveram as tensões da personalidade conturbada do artista. (Folha)

Mais de 100 expositores, entre galerias de arte e design e projetos independentes, participam da SP-Arte Viewing Room, edição online da principal feira artística do país que acontece até domingo.

Vai até dia 16 de agosto, no CCBB do Rio, a exposição Nise Da Silveira – A Revolução Pelo Afeto, com 90 obras de clientes do Museu de Imagens do Inconsciente, ao lado de peças de Lygia Clark e Zé Carlos Garcia, fotografias de Alice Brill, Rogério Reis e Rafael Bqueer, vídeos de Leon Hirzsman e Tiago Sant’Ana e aquarelas e fotos de Carlos Vergara. A exposição é gratuita, mas é necessário agendar no site Eventin e cumprir protocolos sanitários.

Anelis Assumpção, Lenna Bahule e Emicida estão entre os convidados da Festa dos Batuques Paulistas, que realiza shows e rodas de conversa até domingo.

Para ver a agenda completa, clique aqui.

Viver


O Brasil ultrapassou ontem a marca de 480 mil mortos por Covid-19, segundo levantamento do consórcio de veículos de comunicação. Foram registrados 2.344 óbitos, totalizando 482.135 desde o início da pandemia. A média móvel em sete dias foi de 1.764, com queda de 2% em relação aos 14 dias anteriores, mantendo a tendência de estabilidade (G1)

Também ontem o Ministério da Saúde reduziu, pela terceira semana consecutiva, a previsão de entrega de vacinas em julho. A diminuição agora é de dois milhões de doses, diminuído a expectativa de imunizantes para 37,9 milhões de doses. A explicação desta vez é o atraso no envio de doses prometidas pela iniciativa Covax, da OMS. (UOL)

A Janssen conseguiu que a FDA (equivalente americano à Anvisa) ampliasse de três para quatro meses e meio a validade de sua vacina contra Covid-19. Dez dos 21 milhões de doses distribuídos nos EUA ainda não foram aplicados e venceriam sem a extensão. No Brasil, o aumento da validade precisa ser aprovado pela Anvisa. (Globo)

Aliás... Lembram que os EUA vão doar 500 milhões de doses de vacinas da Pfizer? Pois é, não para nós. A Casa Branca divulgou uma lista de 92 países de baixa renda da África, Ásia, América Latina e Caribe que serão beneficiados. O Brasil, que tem uma economia de maior porte, ficou de fora. (Estadão)

Um organismo microscópico que estava congelado havia 24 mil anos na região ártica da Sibéria voltou à vida em laboratório e ainda se reproduziu assexuadamente. Essa espécie, o rotífero bdeloide, é considerada uma das mais resistentes da Terra, mas a capacidade de sobreviver milênios congelada surpreendeu os cientistas. Outros micro-organismos, musgos e plantas já mostraram ser capazes de se reanimar após longos períodos congelados, o que aumenta os riscos trazidos pelas mudanças climáticas. (BBC Brasil)

Israel se tornou o primeiro país do mundo a proibir o comércio de peles de animais para moda. O produto ainda pode ser vendido, importado e exportado para pesquisa científica, ensino e uso em algumas tradições religiosas. Determinados grupos de judeus ultraortodoxos, por exemplo, usam um chapéu de peles chamado shtreimel, cuja confecção continuará permitida. A medida entra em vigor em seis meses. (Estadão)

Cotidiano Digital


Mais uma big tech vai entrar no mercado de relógios inteligentes. O Facebook deve lançar o seu dispositivo no primeiro semestre de 2022. Segundo o Verge, o smartwatch servirá principalmente para fazer ligações, mas também contará com duas câmeras para tirar fotos e vídeos que podem ser compartilhados com aplicativos do Facebook, incluindo Instagram. Além disso, como o Apple Watch, também terá monitor de frequência cardíaca. A ideia é que o relógio se conecte futuramente aos óculos de realidade aumentada da big tech, que devem ser lançados ainda este ano.





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



11 de junho de 2021
Consultar edições passadas