Ainda não é assinante? Assine. Não custa nada.



16 de julho de 2021
Consultar edições passadas



Prezadas leitoras, caros leitores –

No mês que vem completam-se trinta anos de uma tentativa fracassada de golpe de Estado. Uma facção conservadora dentro das Forças Armadas e do Partido Comunista da União Soviética prendeu o secretário-geral Mikhail Gorbachev na tentativa de estancar reformas, que, na visão deles, solapavam o legado da Revolução de 1917.

O tiro saiu pela culatra. Movido por coragem, esperteza política e muita vodca, o presidente da Rússia, Boris Yeltsin, subiu num tanque legalista e conclamou a população a reagir. Foi ouvido e atendido. O golpe resultou no que os golpistas temiam. Antes que 1991 terminasse, a União Soviética não existia mais.

Este é o tema da edição de sáb... Não, na verdade não é.

Neste sábado nós vamos falar dos reflexos do cataclisma político de 1991 bem aqui perto: Cuba, que enfrentou nesta semana uma onda de protestos sem precedentes contra o regime.

Desde a decretação do embargo comercial pelos EUA, em outubro de 1960, Cuba entrou para a esfera de influência soviética. Durante 31 anos, Moscou financiou o regime de Fidel Castro, garantindo todas as suas realizações, para bem e para mal.

Com o fim da União Soviética, a fonte secou. Muitos achavam que o governo dos revolucionários de Sierra Maestra não sobreviveria. Mas sobreviveu, sobreviveu até mesmo à morte de seu ícone. Agora, porém, a internet abala Havana, enquanto vozes insuspeitas do capitalismo cobram o fim do embargo anacrônico, reforçado por Donald Trump.

É disso que vamos falar neste sábado. Que Cuba é essa que viveu os últimos trinta anos sem a União Soviética, o que ela é hoje e quais seus caminhos.

A edição de sábado, claro, é exclusiva para assinantes premium.

Assine.

Seja parte dos que brigam pela livre circulação de informação independente. O Brasil precisa.

– Os Editores


Depoimento na CPI faz líder do governo admitir estar ‘desconfortável’


É propina, mas pode chamar de comissionamento. O representante de vendas da Davati Medical Supply no Brasil, Cristiano Carvalho, confirmou à CPI da Pandemia que o PM Luiz Paulo Dominguetti o informou de uma exigência de US$ 1 por dose numa negociação de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca, mas que achou se tratar de “comissionamento extra”. Segundo Dominguetti, a exigência foi feita por Roberto Dias, então diretor de Logística do Ministério da Saúde. Munido de cópias de mensagens, Carvalho disse ainda ter sido procurado insistentemente por dois grupos do ministério; um liderado por Dias, o outro pelo então secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Élcio Franco, hoje assessor da Casa Civil. (G1)

Confira os principais momentos do depoimento de Carvalho à CPI. (UOL)

A firmeza no depoimento de Carvalho fez com que o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), se declarasse constrangido. Já o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), ironizou, dizendo que o Ministério da Saúde procurou a Davati com o mesmo empenho em que evitou a Pfizer. (Folha)

E o ministro do STF Ricardo Lewandowski determinou que o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), tenha acesso a todos os documentos da CPI que o mencionem. Segundo o deputado Luis Miranda (DEM-DF), o presidente Jair Bolsonaro disse que as irregularidades na compra de vacinas eram “rolo” de Barros. (Estadão)

Os médicos que acompanham o presidente Jair Bolsonaro no hospital Vila Nova Star, em São Paulo, decidiram não operá-lo para desobstruir seu intestino, revela Lauro Jardim. Segundo eles, o quadro de saúde do presidente evolui “de forma satisfatória”, mas ainda não há previsão de alta. (Globo)

A presença de Bolsonaro mudou a rotina do Vila Nova Star. Tão logo se sentiu melhor, o presidente fez uma “hospitalciata”, visitando outros internados e fazendo uma live para criticar a CPI da Pandemia. Do lado de fora, motoristas e pedestres passavam gritando incentivos ou xingamentos a Bolsonaro. (Folha)

Meio em vídeo. Neste momento está acontecendo uma luta pela alma do Exército brasileiro. A primeira coisa a entender é que, não, os generais não são todos iguais. E ao menos parte deste jogo dá para nós compreendermos. Vamos entender essa história no Ponto de Partida? Confira no YouTube.

Na sessão que aprovou ontem a Lei de Diretrizes Orçamentárias, os deputados aproveitaram para triplicar o fundo eleitoral destinado ao pleito de 2022, em comparação com a eleição geral de 2018. Sim, triplicou. Os partidos terão, no mínimo, R$ 5,7 bilhões para fazer suas campanhas. O texto ainda vai passar pelo Senado. (Globo)

Por terem as maiores bancadas no Congresso, PT e PSL devem abiscoitar até R$ 600 milhões cada. (Estadão)

Nas redes sociais, a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) classificou o aumento do fundo como inaceitável. Mas votou a favor. Seus seguidores no Twitter reclamaram. (Poder360)

Os deputados da comissão especial que analisa a instituição do voto impresso pretendem sepultar o assunto ainda hoje. Dezoito deputados e um suplente, o suficiente para derrubar a proposta, convocaram uma sessão extraordinária para votar o parecer do relator, o bolsonarista Filipe Barros (PSL-PR), favorável à mudança. (Estadão)

Cada vez mais alinhado com o Planalto, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) deixou a comissão do voto impresso após seu partido se posicionar contra a mudança. (Globo)

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), informou ontem ter contraído Covid-19 pela segunda vez. Ele já havia sido infectado em agosto do ano passado. Doria diz estar sentido sintomas leves, o que atribui a já ter tomado duas doses da CoronaVac. (G1)

O Google conquistou na Justiça o direito de tirar do YouTube o canal Terça Livre, do influenciador bolsonarista Allan dos Santos, investigado por incentivar atos antidemocráticos. A página havia sido suspensa em fevereiro, mas Santos conseguira uma liminar para mantê-lo na rede, derrubada ontem. (Folha)


Então... O primeiro-ministro do Haiti, Claude Joseph, está sendo investigado como mandante do assassinato do presidente do país, Jovenel Moïse, no último dia 7, segundo a TV colombiana. Joseph deveria deixar o cargo no dia do crime. Em vez disso, decretou estado de sítio e tomou para si as rédeas do governo. Segundo a emissora da Colômbia, o crime teve como cabeças Joseph, o ex-senador John Joël Joseph, que está foragido, e o médico Christian Sanon, que está preso. (Metrópoles)


Não seria um solução

Tony de Marco

Solução
Com a animações do Meio não tem susto. Colecione todas em NFT.

Está difícil acompanhar as notícias, não é? Anda tudo muito rápido, muito dinâmico e barulhento. O Meio te ajuda a separar o que é importante. Aos sábados, uma edição especial em que te oferecemos um contexto sobre grandes temas do momento. Assine o Premium e não perca tempo no seu dia.

Cultura


Uma atriz que perde a memória e um locutor em busca de silêncio estão entre os personagens de Quer Ver Escutapeça radiofônica do Grupo Galpão que chega às plataformas de streaming nessa segunda. A direção é de Marcelo Castro e Vinícius de Souza.

O Grupo Corpo começa hoje uma “temporada comentada” de espetáculos em seu canal no YouTube. Após a exibição de Parabelo, com trilha de Zé Miguel Wisnik e Tom Zé, haverá uma conversa com o coreógrafo Rodrigo Pederneiras e bailarinos da companhia.

Terceira parte do projeto A Extinção é para Sempre, de Nuno Ramos, a performance Os Desastres da Guerra, inspirada em gravuras de Goya, será transmitida direto do Sesc Vila Mariana de hoje a domingo.

Para ver a agenda completa, clique aqui. Para mais dicas de cultura, assine a newsletter da Bravo!.

O secretário especial de Cultura, Mário Frias está sendo acusado de racismo contra o youtuber e professor de História Jones Manoel. O influenciador havia postado um vídeo falando em comemorar a eventual morte do presidente Jair Bolsonaro, que está internado em São Paulo. Um assessor palaciano publicou um tuíte indagando “quem era Jones Manoel?”, ao que o secretário respondeu “Realmente eu não sei. Mas se eu soubesse diria que ele precisa de um bom banho”. Jones é negro. Diante da repercussão, o Twitter removeu a postagem. (Globo)

Pequenas livrarias agora têm uma porta para entrar na disputa pelo público virtual. É o projeto Conexão Livraria, da Câmara Brasileira do Livro e de um grupo de distribuidoras, uma espécie de hub no Mercado Livre para lojas que não têm como montar a própria estrutura de e-commerce. Se, por um lado, o projeto contribui para a sobrevivência de livrarias que são referência para leitores, por outro ele posiciona o Mercado Livre na briga pelo comércio de livros online, onde já estão a Amazon e o Magalu, dono da Estante Virtual. (Estadão)

No papel, tudo lindo. O Festival Verknipt, que aconteceu nos dias 3 e 4 deste mês em Ultrecht, na Holanda, prometia cumprir todos os protocolos contra o Sars-Cov-2. Na prática, a Covid-19 foi a atração principal. Dos 20 mil espectadores, pelo menos 448 se infectaram no primeiro dia e outros 516 no segundo. (Folha)

Viver


A variante delta do Sars-Cov-2 deixa em alerta as autoridades de saúde das duas maiores cidades do país. A prefeitura de São Paulo reconheceu que já existe risco de transmissão comunitária da cepa originária da Índia, uma vez que foi impossível identificar como foi infectado o primeiro paciente com a variante na cidade. No Rio, a Secretaria Municipal de Saúde disse que a delta, mais contagiosa, já está circulando pela cidade, após a confirmação de dois casos na Zona Norte. (Globo)

A despeito dos primeiros casos da variante delta, a maioria dos brasileiros acredita que a pandemia de Covid-19 está de alguma forma contida, segundo pesquisa do Datafolha. Para 53%, ela está parcialmente controlada, enquanto 5% acham que está totalmente controlada e 41% veem a doença fora de controle. (Folha)

Ontem foram registradas 1.552 mortes por Covid-19 no país, elevando o total de vítimas a 539.050. A média móvel diária em sete dias foi de 1.244 óbitos, a menor desde 1º de março. (UOL)

Enquanto isso... A ONU alerta que, devido à pandemia, a vacinação infantil contra outras doenças despencou, o que pode gerar uma tragédia ainda este ano. No ano passado, 23 milhões de crianças em todo o mundo não receberam as três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche. (G1)

A Covid-19 não foi o único flagelo a assolar o Brasil em 2020. Segundo o 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado ontem pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, houve 50 mil mortes violentas no país, 5% a mais que em 2019. Ações policiais mataram 6,4 mil pessoas, recorde da série histórica. Feminicídios, infanticídios e violência contra população LGBTQIA+ também cresceram. (G1)

A Comissão Europeia abriu ontem processos contra os governos da Polônia e da Hungria, integrantes do bloco, por violação de direitos fundamentais. O motivo são leis aprovadas nos dois países cerceando direitos da comunidade LGBTQIA+. Antigas repúblicas da Cortina de Ferro, Polônia e Hungria são semiditaduras sob as lideranças, respectivamente, de Andrzej Duda e Viktor Orbán, que usam e abusam do discurso conservador em costumes. Os dois países têm de explicar suas condutas, sob o risco de serem levados ao Tribunal de Justiça da UE. (Poder360)

O Enem de 2021 tem o menor número de participantes em 14 anos. São 4.004.764 pessoas inscritas – mas o total pode aumentar um pouco, já que a inscrição só é validada com o pagamento da taxa, que vai até segunda-feira. Para especialistas, a baixa procura se deve, em parte, ao fechamento das escolas durante a pandemia. Na opinião deles, o modelo acentua a desigualdades, uma vez que estudantes de baixa renda têm menos acesso ao ensino remoto e muitas vezes precisam contribuir para o sustento da família. (G1)

Demócrito de Abdera (460 a.C. - 370 a.C.), que criou o conceito estritamente teórico dos átomos, teria dado cambalhotas com o feito de cientistas da Universidade de Cornell, nos EUA. Com um microscópio que tem um feixe de elétrons no lugar das lentes e um algoritmo que forma imagens de altíssima resolução, eles conseguiram fotografar, com nitidez inédita, átomos de um cristal de praseodímio, numa ampliação de cem milhões de vezes. (Folha)

Cotidiano Digital


O Windows chegou à nuvem. A Microsoft anunciou o Windows 365, uma versão em cloud do sistema operacional de desktop que permite usar o Windows 10 em qualquer dispositivo, incluindo Mac, iPad ou smartphones. Isso significa que os usuários podem começar a trabalhar em um dispositivo, fazer login e retomar o trabalho em outro. Ainda não foram revelados os preços, mas o sistema será lançado no dia 2 de agosto. (Axios)

Enquanto isso… O WhatsApp começou a testar função web para funcionar mesmo com smartphone desligado ou sem acesso a internet. Será possível acessar o app em até quatro PCs e, em cada um, o WhatsApp funcionará de forma “independente” . No smartphone, no entanto, a conta continua sendo limitada a um só aparelho. (G1)

Também tem novidade chegando na Netflix. E não são filmes ou séries. A empresa contratou um ex-executivo da Electronic Arts para liderar o desenvolvimento de jogos, com o objetivo de oferecer videogames já no próximo ano. (Bloomberg)





Bem-vindo ao Meio. A assinatura básica é gratuita, comece agora mesmo.



16 de julho de 2021
Consultar edições passadas