Edição de Sábado

Edição de Sábado: Meninas usam rosa

“Nós estamos treinando o maior exército de mulheres conservadoras da América Latina.” Com esse brado, a senadora Damares Alves marcou o 1º Encontro Nacional de Mulheres Republicanas, ocorrido entre 11 e 13 de dezembro no Complexo Brasil 21, em Brasília. Na plateia, cerca de 450 mulheres — entre deputadas federais e estaduais, secretárias estaduais, prefeitas, vereadoras, coordenadoras, primeiras-damas e potenciais pré-candidatas às eleições municipais de 2024 pelo partido Republicanos — empunhavam bairristicamente as bandeiras de seus Estados. “Ó, Minas Gerais”, “Oh, meu Rio Grande”, “Salve, Salvador”.

Edição de Sábado: Trump 2.0

No dia seguinte ao Natal, Donald J. Trump compartilhou em sua conta na rede Truth Social uma nuvem de palavras. Ela era fruto de uma pesquisa do Daily Mail, que havia perguntado a potenciais eleitores americanos o que os prováveis presidenciáveis, Trump e Joe Biden, querem de um eventual segundo mandato. (Tanta condicional é porque o voto é facultativo, indireto e ambos ainda precisam ganhar suas respectivas primárias no Partido Republicano e no Democrata.) Bem no centro, ampliada e em vermelho, estava a palavra “revenge”. “Power” aparece adjacente, quase do mesmo tamanho, em laranja-Trump. “Dictatorship” e “dictator” também estão por ali. O post não tem legenda, mas o ex-presidente não é de publicar nada de que não se orgulhe. Ele estava se gabando.

Edição de Sábado: A IA é o novo OS?

A essa altura do campeonato você já deve estar convencido de que a Inteligência Artificial, apesar do nome equivocado, é a nova revolução tecnológica capaz de provocar mudanças maiores que o advento da internet, do celular e até mesmo do computador pessoal. Acredite, IA não é uma moda passageira.

Edição de sábado: A medicina da obesidade

Houve um tempo em que gordura era vista como sinal de saúde, daí a eterna preocupação das avós com a magreza dos netos. Mas há décadas sabemos que isso não é verdade. O excesso de peso – especialmente a obesidade, quando o Índice de Massa Corporal (IMC) está acima de 30 kg/m2 – está associado a uma série de outras doenças, como diabetes, hipertensão, problemas vasculares etc. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), ela é uma doença em si e não para de se disseminar. Entre os brasileiros, 22,4% têm IMC maior que 30, segundo a pesquisa Vigitel 2021, do Ministério da Saúde. Nos EUA, a situação é ainda pior: 41,9% dos americanos têm obesidade.

Edição de Sábado: ‘Um pai mais forte’

Aos 66 anos, a historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz é autora, já, de muito mais livros do que é possível contar. Todos sobre o Brasil. Professora da USP e de Princeton, ela é também uma simpatia — alguém com quem é sempre um prazer conversar. Mesmo quando discorda, Lilia instiga, sorri, traz um argumento novo. “História procura refletir sobre o que muda e a antropologia discute sobre o que persiste”, ela observa. E o Brasil, que nesta semana que entra encara o primeiro aniversário do levante mais recente contra a democracia, precisa de ambos. Porque levantes contra a democracia, uns de sucesso, outros fracassados, são tão frequentes que somos obrigados a colocá-los na caixa daquilo que persiste. Que não muda — ou, ao menos, ainda não mudou.

Edição de Sábado: Conto de Natal

O problema da história do Zé, o detalhe que deixa ela difícil de contar, é que parecem pura mentira todas aquelas coincidências de nomes e data e tal, como se o contador da história estivesse forçando a barra para atualizar uma parábola surrada: o nascimento do menino, a promessa de redenção, o milagre do Natal. Só que a história do Zé aconteceu de verdade, e não dois milênios atrás mas outro dia mesmo, embora tivesse começado bem antes, quando ele mal principiava a bater bola com os outros meninos da rua e a sua prima Maryllyndsey nasceu.

Edição de Sábado: O futebol brasileiro é uma fênix depenada

Chega dezembro e nós, apreciadores do futebol brasileiro, nos encontramos num deserto em que, não fosse o Fluminense e sua desafiadora participação no Mundial de Clubes da Fifa, estaríamos largados tão somente às peladas de fim de ano entre jogadores e famosos – pragas que andam agravadas agora pela presença de influenciadores.

Edição de Sábado: Rui Costa, o ministro que diz não

Ele não leva jeito e não gosta. Até já fez a articulação política para o governo de seu antecessor na Bahia, Jaques Wagner (PT-BA), mas nunca se acostumou com os infinitos jantares, com os almoços frequentes, e com as incontáveis xícaras de café servidas nas negociações. No dia em que Rui Costa foi chamado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ser o chefe da Casa Civil, foi logo perguntando: “Eu vou ter que fazer articulação política?”. Lula, já sabendo da sua falta de traquejo e gosto pela função, o tranquilizou: “Não, isso é com o Padilha”, disse o presidente, apontando para o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT-SP).

Edição de Sábado: Os poderes de Dino

Logo que chegou ao Salão Azul do Senado, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB-MA), correu para a sala do vice-presidente da Casa, senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB). O presidente, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), estava ausente — havia embarcado, dois das antes, na comitiva de Lula, para a Conferência do Clima (COP-28). Na saída, Dino preocupou-se em passar uma mensagem de pertencimento àqueles corredores. “Conheço bem o mundo político, até porque sou parte dele”, disse o indicado por Lula para ser ministro do Supremo Tribunal Federal. Era o início de sua campanha em busca de votos para poder, brevemente, sair da política e voltar para outros domínios: o do Judiciário.

Edição de Sábado: A OpenAI ameaça a humanidade?

Nas últimas semanas de outubro, um dos laboratórios da OpenAI chegou a um algoritmo capaz de resolver problemas de matemática. Não era nada muito sofisticado, cálculos que crianças aprendem até os 11, mas o avanço é algo nunca visto. A produção de textos, como faz o ChatGPT, é em essência um cálculo probabilístico. Uma capacidade maciça de computação que, após ter deglutido o número de livros que uma pessoa sozinha levaria 20 mil anos lendo, consegue imaginar a alta probabilidade de a palavra “gato” ser seguida da palavra “mia”. Processamento computacional abissal aplicado a calcular qual a palavra mais provável de aparecer após a anterior quando se compara trilhões de textos. Mas com matemática é diferente. A partir de uma pergunta, muitos textos escritos diferentes são respostas corretas possíveis. Dado um problema matemático, não. Só há uma resposta. O computador portanto precisa compreender de alguma forma a pergunta feita, entender que conta leva à resposta e então fazê-la. Força bruta de processamento não resolve isso. É preciso compreensão. Matemática traz os modelos de inteligência artificial um pouco mais próximos da inteligência real. Foi provavelmente uma referência a esta conquista da OpenAI que o CEO Sam Altman se referiu quando falou em público durante a Cúpula de Cooperação com a Ásia, em San Francisco, na semana passada. “Por quatro vezes estive numa sala em que empurramos o véu da ignorância um pouco mais longe” ele contou. “A última vez em que isso aconteceu faz poucas semanas. Estar presente nessas horas tem sido o orgulho profissional de minha vida.” Naquela noite, não muito após seu discurso, Altman recebeu uma mensagem de texto de seu amigo, Ilya Sutskever, cientista-chefe da empresa. Perguntava se poderiam se ver numa reunião virtual, no dia seguinte. Altman respondeu que sim. Ele não sabia, mas seria demitido naquele encontro.